A PANDEMIA DE CORONAVÍRUS ABRE UMA NOVA ETAPA NA HISTÓRIA DO MUNDO

Acontecimentos em escala mundial estão se movendo a uma velocidade vertiginosa. O novo coronavírus (Covid-19) desencadeou uma reação em cadeia, que está derrubando qualquer aparência de estabilidade em um país após o outro. Todas as contradições do sistema capitalista estão vindo à tona.

Milhares de pessoas perderam a vida e centenas de milhares provavelmente foram infectadas, mas não há indicação de que a pandemia tenha atingido o pico. O número de mortos aumenta de 20 a 30% todos os dias. Não há vacina à vista e ninguém parece ter um plano racional para superar a situação. A maioria dos países age por conta própria, pouco considerando os conselhos de órgãos como a OMS. Os sistemas de saúde nos países mais afetados estão em um ponto de ruptura e os profissionais de saúde de outros países temem as próximas semanas e meses.

A doença esteve confinada principalmente à China, Irã e países ocidentais. Quando chegar às favelas e acampamentos na África, no Oriente Médio, no subcontinente indiano e na América Latina, onde existem poucas instalações sanitárias e de saúde, testemunharemos novos patamares de devastação. O número de mortes será contado em milhões. A destruição e o deslocamento em escala mundial serão semelhantes às condições de guerra.

As bolsas de valores já reagiram com quedas acentuadas. Na segunda-feira, os preços do petróleo caíram para cerca de US$ 30 por barril. Os mercados de ações em todo o mundo acompanharam a queda. Na quarta-feira, o Banco da Inglaterra anunciou uma redução extra das taxas de juros em 0,5%. Mas isso não teve nenhum impacto, pois os mercados de ações continuaram sua queda na quinta-feira com o pior dia registrado desde 1987. O nervosismo dos mercados reflete a perspectiva pessimista da classe dominante. Eles estão aterrorizados com as perspectivas para a economia mundial, que já estava prestes a desacelerar.

A China, a segunda maior economia do planeta, deve ter seu primeiro trimestre de crescimento negativo desde a revolução cultural de Mao. Acredita-se que a doença foi contida na China. No entanto, na província de Hubei, o setor de serviços permanece completamente parado. As principais indústrias estão reiniciando a produção, mas à medida que o resto do mundo entra em recessão, há pouca demanda. A grande maioria das pequenas e médias empresas na China, onde quase 80% de seus trabalhadores estão empregados, ainda não retomou as operações.

Covid-19 está causando estragos na frágil economia mundial / Imagem: Pixabay

Não há sinal de recuperação rápida. Alguns especialistas estão prevendo que o crescimento econômico mundial pode desacelerar para 1%, ante os 2,6% no ano passado, o que significaria vários países em recessão. Mas isso é uma ilusão. Indústria, comércio e transporte passarão ciclo após ciclo de interrupções. O consumo cairá. As linhas de suprimento serão interrompidas repetidamente. A economia mundial sofrerá uma profunda crise.

A Europa está sendo fortemente afetada, em particular a Itália, que é a terceira maior economia da zona do euro. O conselho de ministros da União Europeia reuniu-se para tomar medidas conjuntas para enfrentar a crise. Mas tudo o que puderam fazer foi a criação de um fundo de 25 bilhões de euros, muitos dos quais já estão no orçamento da União. A parte restante de seus planos se resumiu a levantar as restrições orçamentárias para cada um dos estados membros. Basicamente, todos os Estados são deixados para se defenderem sozinhos – não há muita união ali. Até o presidente italiano, geralmente pró-UE, Mattarella, teve que criticar a resposta da UE em uma nota oficial: “A Itália está passando por uma situação difícil; nossa experiência no acompanhamento da disseminação do coronavírus provavelmente será útil para todos os outros países da União Europeia. A Itália espera, portanto, e com razão, pelo menos em prol do interesse comum, iniciativas de solidariedade [da UE] e não decisões que possam impedir esse esforço”. De fato, a Itália agora recebe muito mais ajuda (suprimentos médicos, como respiradores para terapia intensiva etc.) da China do que da UE. A Áustria já fechou suas fronteiras com a Itália. Outros países estão proibindo voos de e para a Itália. A República Tcheca fechou suas fronteiras para viajantes de 15 países. França, Alemanha e outros países impuseram proibições à exportação de certos produtos médicos. Tudo isso aumentará em questão de semanas, senão em questão de dias. O mercado comum está efetivamente sendo gradualmente fechado. Assim como após o colapso econômico mundial de 2008 e a crise dos refugiados, o choque atual está trazendo à tona todas as contradições internas da UE, colocando um ponto de interrogação claro sobre o futuro da União como um todo.

Donald Trump, que até recentemente proclamava que o vírus não afetaria os EUA, entrou em uma farra nacionalista histérica chamando o Covid-19 de “vírus estrangeiro”. Ele impôs restrições de viagem a nacionais de países europeus selecionados e emitiu novos pedidos de um muro na fronteira com o México (apesar de o México ter apenas 12 casos confirmados). As restrições de viagem devem ter um efeito imediato nos setores de turismo e serviços. Isso provavelmente levará os EUA a uma recessão.

A Rússia e a Arábia Saudita também estão em conflito com o nível de produção de petróleo, um conflito que já colocou os preços do petróleo em queda. O resultado pode ser um default russo. O estado libanês já deixou de pagar sua dívida. Outras economias de nível intermediário, como Turquia, Argentina, Índia, Indonésia e África do Sul, podem ser as próximas no curto a médio prazo.

A disseminação do vírus acelerou dramaticamente as tendências protecionistas em escala mundial. Cada classe dominante nacional está correndo para defender sua própria posição e exportar os resultados sociais negativos. Barreiras de viagens podem facilmente levar a barreiras comerciais. As guerras comerciais entre os EUA e a China, e os EUA e a Europa, que muitos achavam terem se acalmado, poderiam recomeçar de uma forma muito mais incontrolável. Isso abre caminho para uma depressão semelhante à da década de 1930, durando muito mais do que os impactos imediatos do vírus.

Os burgueses estão colocando a culpa da crise econômica no vírus, mas este último foi apenas um acidente, que trouxe à tona todas as contradições anteriormente acumuladas no sistema. Esta é uma crise do sistema capitalista como um todo, que foi preparada há décadas. A classe capitalista conseguiu adiá-la por um tempo, com uma expansão maciça de crédito. Ou seja, acumulando dívidas, que agora se tornaram um colossal obstáculo ao crescimento. Mais cedo ou mais tarde, a bolha teria que estourar. Previmos isso em nosso documento Perspectivas Mundiais, elaborado em novembro do ano passado e aprovado na recente reunião executiva internacional da Tendência Marxista Internacional. O documento diz:

“De qualquer forma, a recuperação foi muito fraca e frágil, e qualquer choque poderia levar a economia ao precipício. Praticamente qualquer coisa pode provocar o pânico: um aumento nas taxas de juros nos EUA, o Brexit, um choque com a Rússia, o agravamento da guerra comercial entre os EUA e a China, uma guerra no Oriente Médio levando ao aumento dos preços do petróleo e até um tweet particularmente estúpido da Casa Branca (e não há escassez deles)”.

Do ponto de vista da economia, o vírus foi apenas um evento acidental, expressando uma necessidade subjacente mais profunda, mas também afeta como o processo se desenrolará daqui para frente. Devido à natureza do vírus, a capacidade da classe dominante de aliviar ou canalizar a crise é restrita.


O vírus precipitou um aumento de tendências protecionistas em todo o mundo / Foto: Flickr, Departamento de Agricultura dos EUA

Os efeitos ondulantes da pandemia devastarão uma economia mundial já fraca. Um país após o outro está anunciando pacotes de estímulo econômico para manter a economia em movimento, porém os efeitos dessas medidas serão limitados pelo impacto da pandemia, que não desaparecerá tão cedo. Grande parte do setor de serviços, como cinemas, cafés, restaurantes etc., será severamente atingida, pois as pessoas se esquivarão de locais onde há convergência pública. Também são setores em que predominam as condições de trabalho informal, e isso terá um impacto devastador sobre esses trabalhadores. A situação continuará pelo menos até que remédios definitivos para a doença sejam encontrados. As principais indústrias também verão a produção regularmente interrompida por novos surtos. Apesar de todas as tentativas dos governos, o desemprego provavelmente aumentará. Por sua vez, o consumo diminuirá e se tornará um freio adicional à economia.

A classe dominante tem pavor das perspectivas de desemprego em massa e da intensificação da luta de classes, que podem estar ao virar da esquina. Em muitos países, os governos estão tomando medidas especiais, como a concessão de condições especiais de licença médica para trabalhadores do setor público e outros, mas essas medidas não chegarão perto de resolver os problemas dos trabalhadores afetados. Alguns bancos estão permitindo que as pessoas adiem as hipotecas por alguns meses. As pequenas e médias empresas estão obtendo empréstimos e descontos fiscais favoráveis. O Parlamento Europeu está discutindo a suspensão do tratado de Maastricht, que vincula os Estados membros a um déficit orçamentário máximo de três por cento. Eles estão expandindo enormemente os gastos do Estado na tentativa de evitar uma catástrofe.

Mas é altamente improvável que isso resolva alguma coisa. É pouco provável que medidas keynesianas nesse estágio aumentem o consumo, que devido ao vírus pode ficar deprimido por meses, talvez anos. Em vez disso, poderia causar inflação descontrolada em setores da economia. Pequenas e médias empresas podem ir à falência em massa. Reduções de impostos e empréstimos baratos apenas empurrariam o problema para um futuro não muito distante. Milhões de empregos ainda estariam em risco.

No Ocidente, grandes quantidades de empregos nas indústrias de serviços, construção e transporte tornaram-se informais, e essas indústrias seriam as primeiras a cair. Na Itália, grande parte da força de trabalho, especialmente nos setores mais atingidos, como a indústria do turismo, hotéis, restaurantes etc., consiste em trabalho informal. Nos países mais pobres, a situação é pior. No Irã, por exemplo, 96% da mão-de-obra trabalha com os chamados contratos “em branco”, que deixam os trabalhadores sem direitos. Em todos os países, o desemprego se tornará uma fonte de radicalização em massa.

Unidade nacional

As classes dominantes e seus governos estão apelando para que suas respectivas nações se unam em tempos de crise. Mas, por trás dessa ilusão, eles estão descarregando o principal fardo do desastre para a classe trabalhadora. Um governo após o outro está implementando medidas draconianas. Na Itália, Dinamarca e China, algumas áreas estão funcionando como se estivessem sob lei marcial.

Na China, os trabalhadores das principais siderúrgicas foram forçados a permanecer no trabalho por quase um mês sem o direito de voltar para casa. Na Itália, médicos e enfermeiros estão trabalhando até o colapso. Enquanto isso, pede-se aos trabalhadores do setor privado, particularmente na indústria, que continuem trabalhando. Muitos agora estão perguntando qual é o significado disso. Se, do ponto de vista de combater a propagação da pandemia, o conselho é ficar em casa, por que então os trabalhadores devem ir trabalhar em setores não essenciais da economia? A resposta é clara: de modo a manter os lucros para os capitalistas, tanto quanto possível. Embora o direito à greve tenha sido severamente restringido pelas medidas de emergência, os trabalhadores na Itália estão tomando medidas. Há uma onda de greves violentas se espalhando pela Itália, com trabalhadores saindo para protestar contra a falta de medidas de segurança adequadas. Os grevistas estão exigindo que as fábricas que produzem mercadorias não essenciais sejam fechadas, sem perda de pagamento para os trabalhadores, até que sejam introduzidas condições sanitárias adequadas. Isso colocou uma pressão enorme sobre as lideranças sindicais das confederações CGIL-CISL-UIL, que até então faziam lobby junto aos industriais da Confindustria para manter as fábricas abertas. Tudo isso é uma antecipação de eventos futuros.

A resposta inadequada de governos em todo o mundo, da Itália ao Irã, exacerbou o impacto social do Covid-19 / Foto: GruppoVerita

Por enquanto, as restrições na China estão sendo atenuadas, mas provavelmente serão reimpostas assim que um novo surto ocorrer. A Dinamarca e a Itália estão fechadas. Muitos outros países terão que fazer o mesmo. Os governos estão tentando parecer estar “fazendo alguma coisa”. Embora algumas das medidas tomadas façam sentido do ponto de vista epidemiológico, elas são minadas pela propriedade privada, pela anarquia do capitalismo e pela existência do Estado-nação. Assim, vemos profissionais de saúde privados desviando pacientes com coronavírus para o setor público. Seguros de saúde privados que se recusam a cobrir os custos de infecção por coronavírus. Faltam kits de teste, produzidos no setor privado. Pessoas sendo convidadas a ficar em casa, enquanto os trabalhadores são convidados a continuar indo para o trabalho. Empresas privadas estão lucrando com o aumento do preço de desinfetantes para as mãos, máscaras e até kits de teste de coronavírus! Finalmente, o fato de que diferentes governos não conseguem nem coordenar suas respostas e estão adotando abordagens diferentes e muitas vezes contraditórias, mina a luta para conter a pandemia.

Nos EUA, Donald Trump negou, até 11 de março, que a doença representasse qualquer ameaça. Na China, o governo, com medo de prejudicar a economia fragilizada, se recusou a agir contra a epidemia durante semanas. Em vez disso, pesquisadores e denunciantes foram presos e perseguidos. No Irã, o regime recusou-se a reconhecer a existência da doença durante semanas, a fim de manter a participação nas eleições parlamentares o mais alta possível. Até hoje, o regime está encobrindo a gravidade da doença. Oficialmente, apenas algumas centenas de iranianos morreram devido ao coronavírus, mas relatos não oficiais de mortes falam  em muito mais do que isso. É provável que o número de pessoas infectadas já esteja nas dezenas – ou centenas – de milhares.

Quando o líder supremo Khamenei foi questionado sobre que medidas específicas as pessoas poderiam adotar contra o vírus, ele sugeriu que elas orassem. Claro, isso conta apenas para os pobres. Tenha certeza de que, se o próprio Khamenei fosse infectado, ele receberia os melhores cuidados de saúde com base científica. Parece também que a principal fonte de propagação da doença no Irã foi o santuário sagrado de Qom, onde peregrinos se reúnem para serem curados. Tudo isso está minando toda a base do regime teocrático. Mas, recusando-se a aceitar isso, o establishment religioso está desafiando as medidas de segurança e pintando a epidemia como nada além de uma teoria da conspiração ocidental. Tudo isso está preparando uma contrarreação furiosa das massas iranianas, que estão pagando pela podridão da classe dominante com suas vidas.

Enquanto isso, a intervenção contra a doença está sendo dificultada por décadas de cortes nos sistemas de saúde. Na Itália, 46.500 empregos na área da saúde foram cortados entre 2009 e 2017, e 70 mil leitos hospitalares foram perdidos. A Itália tinha 10,6 leitos hospitalares por mil habitantes em 1975 – agora é 2,6! A Grã-Bretanha passou de 10,7 leitos por mil habitantes em 1960 para 2,8 em 2013. Entre 2000 e 2017, o número de leitos hospitalares disponíveis foi reduzido em 30% na Grã-Bretanha! As mesmas condições existem em todo o mundo ocidental. Na Itália, os profissionais de saúde geralmente precisam decidir quem podem tratar, pois há apenas instalações limitadas, o que significa que muitos morrerão, principalmente os idosos, devido à falta de recursos. À medida que o número de casos aumenta, os sistemas de saúde estão sob intensa pressão. Eles poderiam entrar em colapso, deixando centenas de milhares para cuidar de si mesmos. Os ricos, com acesso a cuidados de saúde privados, seriam poupados de tal barbárie. No Irã, toda uma série de ministros, parlamentares e altos funcionários receberam tratamento imediato e estão em recuperação após serem infectados pelo vírus. Enquanto isso, dezenas de milhares de pessoas comuns lutam para fazer o teste. No caso trágico de uma enfermeira, o resultado do teste chegou uma semana após a morte dela.

Em Cingapura, toda a população recebeu equipamentos médicos e de segurança, como máscaras. E na China, uma série de hospitais foi construída imediatamente para lidar com a situação e testes foram realizados em dezenas de milhares de pessoas, mesmo aquelas sem sintomas. Na Grã-Bretanha, o governo parece não ter feito nenhuma tentativa de se preparar para o desastre que certamente ocorrerá. Os testes foram interrompidos. Mesmo as pessoas que chegam do norte da Itália e que apresentaram sintomas do vírus não foram capazes de fazer o teste. Ontem, Boris Johnson teve que admitir que 10 mil pessoas provavelmente já estavam infectadas no Reino Unido. No entanto, ele se recusou a encerrar grandes eventos e reuniões, como foi feito na Itália e até na Escócia. Ele declarou friamente que o público deveria se preparar para “perder entes queridos antes do tempo“. Como a manchete de um artigo do New York Times colocou de maneira apropriada: “Reino Unido protege sua economia do vírus, mas ainda não o seu povo”.

A atitude cínica do primeiro-ministro Boris Johnson ficou exposta em uma entrevista recente, na qual ele foi questionado sobre como a doença poderia ser tratada. Ele mencionou casualmente, como alternativa, que “… talvez você possa pegá-la pelo queixo, passear com ela e permitir que a doença, por assim dizer, se mova pela população, sem tomar tantas medidas draconianas”. Em outras palavras, talvez possamos deixar milhares de pessoas morrerem sem tomar nenhuma medida séria, para garantir que os negócios funcionem normalmente. Essa abordagem fatalista, compartilhada por outros países, como a Suécia e os EUA, foi implicitamente criticada pela OMS, que está pedindo aos Estados membros que continuem na tentativa de conter o vírus.

Sem dúvida, há um elemento do malthusianismo nesses comentários, refletindo a mentalidade podre da classe dominante. Ou seja, a ideia de que pobreza, guerras e epidemias refletem uma superpopulação mundial e que são necessárias para manter a população baixa. Jeremy Warner, jornalista do Telegraph, escreveu: “Para não enfatizar demais, de uma perspectiva econômica totalmente desinteressada, o Covid-19 pode até se mostrar levemente benéfico no longo prazo ao abater desproporcionalmente dependentes idosos“. Portanto, o pensamento da burguesia é deixar a doença penetrar a população, “abatendo” o maior número possível de uma só vez. Então, a Grã-Bretanha poderia sair da recessão mais rapidamente do que outros países, que estão implementando medidas mais demoradas.


A atitude cínica e malthusiana de Boris Johnson reflete as opiniões do establishment conservador / Foto: Socialist Appeal

O sistema de saúde dos EUA está particularmente mal equipado para o que está por vir. Milhões de pessoas sem seguro de saúde podem enfrentar condições horríveis. É possível que o governo assegure, temporariamente, as pessoas nessa situação. Mas isso não resolverá o problema com o decrépito sistema de saúde, que terá que lutar para lidar com os níveis de doença que o aguardam. O sistema dos EUA é voltado apenas para uma coisa: canalizar dinheiro para os bolsos das grandes empresas médicas e farmacêuticas. Não está em uma situação para lidar com um desastre nacional nos níveis que esperamos ver.

Nas últimas semanas, nenhuma preparação foi realizada. Os hospitais não têm planos, não há treinamento e o equipamento é escasso. O Centro de Controle de Doenças dos EUA também se recusou a usar os kits de teste de coronavírus padrão internacional, desenvolvidos na Alemanha, optando por desenvolver seus próprios testes a partir do zero. Mas isso encontrou muitos problemas, o que significa que os testes foram muito atrasados e que não há o suficiente para todos. Além disso, as instalações de teste são poucas e, como resultado, os procedimentos de recuperação são extremamente demorados. Assim, em 6 de março, quando a Coréia do Sul já havia realizado 140 mil testes, os EUA realizaram apenas 2 mil! O resultado é que não há uma visão clara de quantas pessoas realmente têm a doença nos EUA. Não são tomadas medidas sérias para proteger as pessoas comuns da doença e da crise econômica. No entanto, imediatamente após a escalada da crise, o Federal Reserve dos EUA injetou US $ 1,5 trilhão nos mercados para proteger os grandes negócios.

A incompetência de toda a classe capitalista e de suas instituições está sendo plenamente exibida. Donald Trump parece estar completamente distante da situação e todas as suas ações parecem estar preparando um desastre ainda pior. No final, isso pode levar à queda de Trump. Enquanto isso, as demandas de uma assistência médica nacionalizada gratuita pode encontrar um eco amplo.

A cada momento, a ganância e a podridão da classe dominante serão reveladas cada vez mais. Esse padrão será replicado em todo o mundo à medida que a doença avance de um país para outro.

A tarefa dos marxistas será a de expor a classe dominante e a farsa da unidade nacional. Devemos mostrar como os interesses da classe dominante parasitária são diametralmente opostos aos do restante da sociedade:

  • Em todos os lugares, devemos levantar a demanda pela desapropriação de todas as instituições de saúde privatizadas. Todo o setor de saúde e farmacêutico deve ser imediatamente nacionalizado sob controle dos trabalhadores, a fim de planejar um alívio imediato e eficaz para todos aqueles que precisam;
  • O número de leitos deve ser aumentado drasticamente e, se necessário, novos hospitais devem ser construídos imediatamente – requisitando e redirecionando prédios vazios, como hotéis e similares, ou construindo novas instalações a partir do zero;
  • O subsídio ilimitado por doença deve ser garantido para todos, e a força de trabalho informal deve ser formalizada imediatamente, ou serem garantidos benefícios equivalentes a um salário digno para os trabalhadores que perderam o emprego. Os pais e responsáveis devem receber licença remunerada para cuidar das crianças e das pessoas afetadas pelo fechamento de escolas, creches e assim por diante;
  • Controles estritos de preços devem ser impostos a todos os bens necessários. Expropriação de fábricas capazes de produzir produtos escassos de higiene e equipamentos médicos;
  • Todas as remoções e reintegrações de posse devem ser bloqueadas. Casas vazias usadas como veículo para especulação pelos super-ricos devem ser colocadas sob controle público para fornecer acomodação aos sem-teto;
  • Toda a produção não essencial deve ser detida nas áreas afetadas, a fim de evitar a propagação da doença, com os trabalhadores tendo garantido o salário integral enquanto as empresas estiverem fechadas. Toda terceirização do setor público deve ser imediatamente encerrada, com os serviços prestados internamente e com trabalhadores contratados pelo Estado, para garantir que continuem recebendo seus salários;
  • Medidas de saúde e segurança devem ser adotadas no local de trabalho para aqueles que precisam trabalhar, com os custos suportados pelas empresas. Se os chefes alegam que o dinheiro não existe, devemos exigir a abertura dos livros;
  • Tais medidas devem ser discutidas e decididas pelos próprios trabalhadores, com delegados sindicais e comitês eleitos nos locais de trabalho supervisionando sua implementação. Se a presença sindical for fraca ou inexistente, então esta é a oportunidade de começar a organizar e exigir reconhecimento sindical;
  • Os recursos necessários para combater a pandemia não podem ser encontrados aumentando o déficit orçamentário nem a dívida nacional, que será paga posteriormente pelos trabalhadores por meio da austeridade. Deve ser introduzido um imposto imediato para as grandes empresas. Devemos também exigir a nacionalização dos bancos, a fim de direcionar os recursos para onde eles são necessários, fornecendo financiamento para as famílias, pequenas empresas e setores afetados pela paralisação;
  • As indústrias que enfrentam a falência devem ser nacionalizadas e submetidas ao controle da classe trabalhadora, a fim de proteger os empregos e os meios de subsistência dos trabalhadores. E a riqueza ociosa dos monopólios deve ser expropriada para financiar as medidas de emergência necessárias.

É tarefa dos marxistas chamar a atenção para a incapacidade da classe capitalista de levar a sociedade à frente. Devemos explicar pacientemente que somente a classe trabalhadora, tomando o poder em suas próprias mãos, pode mostrar uma saída para esse impasse.

Um novo período

O que estamos testemunhando é a abertura de um novo período na história do mundo. Um período de crise – de guerras, revoluções e contrarrevoluções. Como uma pedra jogada em uma piscina de água, os efeitos dessa crise criarão ondas que se espalharão por todos os cantos do mundo. Este será o maior deslocamento da sociedade desde a Segunda Guerra Mundial. Todo regime será lançado em turbulência e o equilíbrio social, econômico, diplomático e militar será destruído.

Como já explicamos muitas vezes antes, a classe dominante nunca resolveu as contradições que levaram à crise econômica mundial de 2008. Em vez disso, eles apenas reinflaram a bolha, que agora está explodindo novamente. Ao mesmo tempo, a pandemia tornará o crash inicial muito acentuado e manterá um efeito depressivo na economia por até dois anos. Mas quando a pandemia terminar, não haverá retorno à “normalidade”. A próxima década será muito mais turbulenta que a última.

Mais importante ainda, para os marxistas, a consciência das massas passará por mudanças dramáticas. O processo será muito semelhante ao das situações de guerra. Crise e desemprego em massa estarão na ordem do dia. Medidas draconianas serão impostas à classe trabalhadora.

Na primeira etapa, a classe dominante tentará estabilizar a situação apelando à unidade nacional. O período passado corroeu a autoridade do establishment e de seus políticos. No entanto, muitas pessoas aceitarão as novas condições porque acharão que são temporárias e necessárias. Muitos vão pensar que o estado está agindo no interesse da nação. Mas, gradualmente, ficará claro quem está sendo solicitado a pagar a conta e aqueles cujos interesses estão sendo protegidos. As massas serão solicitadas a fazer mais e mais sacrifícios pela classe dominante. Mas há um limite. Quando esse for alcançado, a aparente docilidade de hoje será transformada em raiva furiosa.

A base para a transformação da consciência estará nos grandes acontecimentos do futuro. Eventos que abalam a consciência e a forçam a reavaliar tudo o que existe. Tudo que é dado como certo pelas pessoas comuns mudará – dos menores hábitos cotidianos às normas e tradições nacionais. Isso forçará as massas a sair da inércia e a entrar no cenário da política mundial. Enquanto isso, todos os partidos do status quo se desintegrarão e as massas serão confrontadas com a barbárie crua do capitalismo.

Trotsky, escrevendo sobre a Grã-Bretanha em 1921, explicou como esse processo ocorreu na Primeira Guerra Mundial:

“Não se deve esquecer que a consciência humana, tomada na escala da sociedade, é terrivelmente conservadora e lenta. Somente idealistas imaginam que o mundo avança através da livre iniciativa do pensamento humano. De fato, o pensamento da sociedade ou de uma classe não dá um único passo adiante, exceto quando há extrema necessidade de fazê-lo. Sempre que possível, as velhas e familiares ideias são adaptadas aos novos fatos. Falamos francamente se dissermos que as classes e os povos até agora não demonstraram iniciativa decisiva, exceto quando a história os esmagou com sua pesada roda. Se as coisas tivessem sido diferentes, as pessoas teriam permitido que a guerra imperialista acontecesse? Afinal, a guerra se aproximava sob os olhos de todos, como dois trens se aproximando ao longo de uma única linha. Mas os povos permaneceram em silêncio, observaram, esperaram e continuaram vivendo suas vidas familiares, cotidianas e conservadoras. As terríveis revoltas da guerra imperialista foram necessárias para que certas mudanças fossem introduzidas na consciência e na vida social. O povo trabalhador da Rússia derrubou os Romanov, expulsou a burguesia e tomou o poder. Na Alemanha, eles se livraram de Hohenzollern, mas pararam no meio do caminho … A guerra era necessária para que essas mudanças ocorressem, a guerra com dezenas de milhões de mortos, feridos e mutilados … Que prova clara é essa de quão conservador e lento para se mover é o pensamento humano, de quão teimosamente se apega ao passado, a tudo o que é conhecido, familiar, ancestral – até o próximo golpe do chicote”.

Já estamos vendo as primeiras etapas desse processo. No Irã, a ira revolucionária está em toda parte. Um tweet explicando o desespero das pessoas dizia: “Meu tio-avô morreu há dois dias devido ao coronavírus. Desde os sete anos de idade, com a morte de seu pai, e até os 77 anos, ele era trabalhador. Na crise que se espalhou por Qom, ele não podia ficar em casa, porque tinha que escolher entre o pão e sua vida. Este é o pensamento mais amargo em minha mente”.

Sim, esse é um pensamento muito amargo, semelhante aos pensamentos que passam pela mente de milhões de outros. Milhares de pessoas estão morrendo por nada além da ganância e incompetência da classe dominante. A ameaça do vírus é a única coisa que impede o movimento, mas isso é apenas um fator de atraso. Quando a poeira baixar, as massas começarão a se mover novamente.

Esta crise é um acidente, que expôs as fraquezas de todos os regimes capitalistas do planeta / Foto: Pixinio

No Equador, Lenin Moreno introduziu um pacote de austeridade para lidar com os efeitos da crise. Isso agora quase certamente levará a novas revoltas apenas alguns meses depois que o governo foi quase derrubado por um movimento de massas. Em toda a Península Arábica, a Revolução Árabe foi interrompida apenas pelo aumento dos gastos com o bem-estar. Mas com o declínio dos preços do petróleo que não são viáveis, a austeridade estará na ordem do dia. Na China, especialistas disseram há anos que era necessário um crescimento de seis por cento do PIB para evitar distúrbios sociais. Bem, essas cifras são coisa do passado.

Na Itália, um clima semelhante está se desenvolvendo. Em particular, entre os que estão na linha de frente: médicos, enfermeiros e outros profissionais de saúde sobrecarregados e que precisam compensar de alguma forma a falta de recursos que as autoridades lhes deram. Eles não podem se mover no momento devido ao fardo pesado em seus ombros, porém eles também não esquecerão o que estão vendo. Quando tiverem a chance de respirar, essas camadas também começarão a passar à ofensiva.

Os países capitalistas avançados não serão poupados. Aqui, as massas estão entrando na crise, não após um período de crescimento e prosperidade, mas depois de mais de 10 anos de austeridade e ataques após a crise de 2008. A confiança nas autoridades e no establishment já está no nível mais baixo de todos os tempos. O açambarcamento e a falta de atenção às diretrizes de segurança em algumas áreas são sinais disso. Além disso, em vez de voltar aos níveis de vida anteriores a 2008, eles receberão desemprego em massa e pobreza nunca vistos no período pós-guerra. Isso os forçará a seguir o caminho da luta.

No curso da luta, a classe trabalhadora será transformada e, com ela, sua liderança e suas organizações. Nesse processo, muitas oportunidades se abrirão para que os marxistas ganhem uma audiência para nossas idéias – primeiro entre as camadas avançadas e, posteriormente, entre a massa da classe trabalhadora. Nossas ideias são as únicas que podem explicar os eventos que ocorrem hoje.

Em todos os níveis, o desastre que estamos enfrentando é um produto do sistema capitalista. Da destruição do meio ambiente, levando a um aumento de epidemias; a uma indústria farmacêutica corroída, que só está interessada em investir no desenvolvimento de novos medicamentos se esses forem potencialmente lucrativos; e aos sistemas de saúde que foram submetidos há anos de cortes, privatizações e terceirizações, até o ponto de se tornarem incapazes de lidar com quaisquer mudanças repentinas. Além disso, a classe dominante e seus lacaios nos governos de todo o mundo se mostraram completamente incompetentes para reforçar as defesas contra a doença. A cada passo, sua hesitação em sacrificar o menor de seus lucros permitiu que a epidemia se espalhasse ainda mais. Sob a forma de resposta à pandemia, eles tentarão colocar o custo da pandemia e da crise econômica nos ombros da classe trabalhadora.

O meio-ambiente está em péssimo estado, número sem precedentes de secas e inundações atinge várias áreas do globo e pragas de gafanhotos estão ameaçando o sustento de dezenas de milhões de pessoas. Guerras e guerras civis estão ocorrendo na África e no Oriente Médio. Uma catástrofe após outra está atingindo o nosso planeta. Mas essa não é uma segunda vinda, como alguns podem suspeitar. São as dores da morte de um sistema que se tornou um grilhão para a sociedade humana. A escolha entre socialismo e barbárie não pode ser mais clara. Capitalismo é horror sem fim. Mas, em meio ao seu horror, está fortalecendo seu próprio coveiro: a classe trabalhadora, que está por trás dos pobres e oprimidos. Uma vez que os trabalhadores comecem a se mover, nenhuma força do mundo será capaz de detê-los.

TRADUÇÃO DE FABIANO LEITE.

PUBLICADO EM MARXIST.COM, EM 13 DE MARÇO DE 2020.