A ofensiva sionista contra a Palestina

Autor: Esquerda Marxista

Desde o dia 06 de maio (quinta-feira) há um recrudescimento da violência do Estado de Israel contra os palestinos. Foram registradas, até o momento, 49 mortos vítimas dos ataques de Israel, que continuam a acontecer. Esta nova ofensiva repressiva do Estado sionista iniciou como resposta à mobilização de moradores palestinos do bairro Sheikh Jarrah, em Jerusalém Oriental, contra o despejo programado de quatro famílias de suas casas, realizada em conjunto pelo governo de Netanyahu e por grupos extremistas de colonos judeus.

Outro acontecimento que mostra a política repressiva israelense se deu na invasão da Mesquita Al-Aqsa, um dos pontos sagrados do Islã, no dia 07 de maio (sexta-feira). Na ocasião, durante a oração matinal do mês do Ramadã, a polícia israelense atirou bombas e balas de borracha, ferindo dezenas de pessoas que deixavam o local.

Além disso, o exército de Israel anunciou que fará uma série de operações contra membros do alto escalão do Hamas, após o grupo islâmico lançar foguetes contra as cidades de Tel Aviv e Beerseva, na noite de terça-feira, dia 11 de maio. O Hamas afirmou que a sede da polícia palestina foi destruída pelos bombardeios israelenses da última noite.

Publicamos abaixo textos produzidos ao longo dos últimos anos que explicam as causas dos brutais ataques sionistas contra os palestinos e o papel imperialista cumprido pelo Estado de Israel. Em breve publicaremos análises sobre a atual ofensiva sionista contra os palestinos.