1936: A Batalha de Cable Street 

Artigo de Sam Ashton 

A Batalha de Cable Street é um acontecimento importante no qual os trabalhadores de Londres uniram-se para desferir um golpe decisivo contra a ameaça do fascismo britânico. Evocamos a coragem dos trabalhadores que lutaram contra os fascistas, retirando lições para as lutas de hoje!

“Não pude deixar de me encantar, como tantas outras pessoas, pelo porte gentil e simples de Mussolini… se eu fosse italiano, tenho a certeza de que teria estado convosco de todo o coração, do princípio ao fim, na vossa luta triunfante contra os apetites e paixões bestiais do leninismo.” Winston Churchill, 1927 

“A sátira é boa demais para os fascistas. O que eles exigem é tijolos e tacos de beisebol Woody Allen, 1979 

Numa altura em que a Grã-Bretanha e o resto do mundo se encontram mergulhados na pior crise económica desde 1929, são frequentemente feitas comparações entre o período que agora enfrentamos e os tumultuosos acontecimentos da década de 1930. Muitos na esquerda levantam a perspectiva de um retorno ao fascismo enquanto governos em todo o mundo capitalista tentam passar a conta da crise para os trabalhadores. Mas não há, neste momento, base para movimentos fascistas de massas como no passado. 

O BNP ou o EDL não são o mesmo que a União Britânica de Fascistas (UBF) de Oswald Mosley de 1936. Como demonstra a sua demolição nas últimas eleições e o seu subsequente colapso em amargas lutas internas, não há qualquer perspectiva imediata de o BNP alcançar qualquer tipo de poder político, quer a nível local, quer nacional. A EDL, no entanto, representa uma ameaça muito real para as comunidades locais que atacam com o seu vandalismo futebolístico e sujidade racista. A experiência de luta contra a UBF na década de 1930 demonstra que tal truculência só pode ser derrotada por um movimento operário determinado e unido. 

Queda 

O fascismo emergiu pela primeira vez como uma força séria na Grã-Bretanha à sombra da crise mundial de 1929-1933. Esta foi a pior crise da história do capitalismo, com 3 milhões de desempregados e o Partido Trabalhista participando de um governo nacional realizando ataques cruéis aos trabalhadores. Ao mesmo tempo, Mussolini havia cimentado seu domínio fascista sobre a Itália e Hitler assumiu o poder em 1933 sem um gemido do movimento operário alemão. Neste contexto, a UBF foi formada por Mosley em 1932 e cresceu para cerca de cinquenta mil membros no seu auge. 

A UBF foi ajudada no seu crescimento pelos fundos e apoio de proeminentes capitalistas e aristocratas britânicos, bem como pelo apoio de jornais como o Daily Mail e o Evening News. Mosley, ele próprio de origem aristocrática rica, gabou-se de que: 

Vários industriais do Norte que até então tinham dado apoio secreto ao movimento, temendo o boicote comercial, estão agora a declarar abertamente que estão do lado fascista“. (Citado em News Chronicle, 19 de outubro de 1936

A UBF tinha ligações estreitas com o Partido Conservador e vários deputados conservadores apoiaram abertamente Mosley. Assim como hoje há pouca diferença entre as políticas dos Tories sobre imigração e multiculturalismo e o BNP, o BUF e os Tories de 1936 estavam também totalmente de acordo sobre a necessidade de esmagar o movimento trabalhista e sindical britânico, exatamente como Hitler e Mussolini haviam feito na Alemanha e na Itália. Como disse um deputado conservador:      

“Havia pouco, ou nenhum, da política que não podia ser aceite pelos seguidores mais leais dos nossos atuais líderes conservadores (…) Certamente não pode haver diferenças fundamentais de perspectiva entre os Camisas Negras e os seus pais, conservadores? Pois não nos enganemos quanto à filiação… [a UBF] é em grande parte derivado do Partido Conservador.” (Sir Thomas Moore MP, escrevendo no Daily Mail 25 de abril de 1934

Com a experiência da Greve Geral de 1926 ainda fresca nas suas mentes, a classe dominante britânica temia que os movimentos revolucionários que varriam a Europa se espalhassem para o Reino Unido. Em Espanha, a classe operária estava empenhada numa luta revolucionária até à morte contra os fascistas e em França um movimento grevista de massas tinha criado uma situação pré-revolucionária que ameaçava derrubar o governo. Ao mesmo tempo, a classe dominante britânica olhava com zelo para o povo esmagado e ensanguentado da Itália e da Alemanha, completamente intimidado à submissão pela dominação de seus governos fascistas. Viram no fascismo uma vara com a qual podiam bater na classe operária e impedir a perspectiva de luta revolucionária. Como disse um dia o nosso “grande líder antifascista” sobre Mussolini: 

“A Itália mostrou que há uma maneira de combater as forças subversivas que podem reunir as massas populares, devidamente conduzidas, para valorizar e querer defender a honra e a estabilidade da sociedade civilizada. Ela forneceu o antídoto necessário para o veneno russo. Doravante, nenhuma grande nação ficará sem um meio último de proteção contra o crescimento canceroso do bolchevismo” (Winston Churchill, falando em Roma em janeiro de 1927

É uma grande ironia que os representantes mais inteligentes da burguesia muitas vezes compartilhem da mesma análise que os marxistas. A este respeito, Churchill tem toda a razão em caracterizar o fascismo como o “último meio de proteção” contra a revolução proletária. Em última análise, então, o fascismo nada mais é do que: 

“Aquela forma especial de dominação capitalista a que a burguesia recorre finalmente quando a existência continuada do capitalismo é incompatível com a existência do trabalho organizado” (Felix Morrow,  Revolução e Contrarrevolução em Espanha

Mosley 

“As circunstâncias particulares da Grã-Bretanha significaram que a classe dominante foi capaz de emergir da recessão sem a necessidade de ceder o poder direto aos fascistas, como na Itália, Espanha e Alemanha. No entanto, eles reconheceram na UBF uma ferramenta útil que poderia ser usada para intimidar a classe trabalhadora em tempos de crise. É por isso que a UBF foi capaz de operar sob a proteção do Estado e recebeu apoio e financiamento de grandes setores da classe dominante. 

Com base neste apoio, a UBF cresceu constantemente, realizando reuniões e marchas por toda a Grã-Bretanha. Inspiraram-se diretamente nos seus homólogos europeus, com fardas militares, uma suástica como insígnias e um pseudo grupo paramilitar de bandidos violentos fardados. Num comício em Olímpia, em junho de 1934, antifascistas pacífistas infiltraram-se na multidão para interromper o discurso de Mosley. Os bandidos fascistas responderam atacando-os violentamente, homens e mulheres, enquanto a polícia não só ficou de braços cruzados como até se juntou ao ataque contra os manifestantes antifascistas! 

Nessa época, eles começaram a dar mais ênfase ao caráter antissemita de seu programa e concentraram sua atividade em áreas com populações judaicas significativas. Esta mudança refletiu a evolução da situação na Grã-Bretanha:   

“Eles começaram a mudar a direção de sua propaganda à medida que as circunstâncias na própria Grã-Bretanha mudavam. A profunda crise tinha passado e a indústria britânica estava a recuperar gradualmente. Os motivos do descontentamento da classe média e do medo da classe dominante começavam, portanto, a diminuir” (Phil Piratin, Our Flag Stays Red) 

Com sua grande população judaica, East London tornou-se o principal alvo da atividade da UBF. Eles lançaram uma campanha de terror, partindo e esmagando lojas judaicas e atacando fisicamente trabalhadores e imigrantes. Os líderes dos partidos Conservador, Liberal e Trabalhista lamentaram estes ataques, mas não ofereceram qualquer solução, dizendo que era da responsabilidade exclusiva da polícia lidar com aqueles que infringiam a lei. Enquanto isso, a polícia não fez nada para deter os fascistas, mas em vez disso, enviou centenas de oficiais para proteger suas reuniões da crescente oposição da classe trabalhadora. 

Nessa época, a UBF também começou a ganhar algumas bolsas de apoio na classe trabalhadora. Conseguiram-no não só através dos preconceitos antissemitas de alguns trabalhadores, mas também através de um programa demagógico que apelava aos trabalhadores que viviam nas condições precárias das favelas do extremo leste. Uma situação semelhante existe hoje, onde muitos eleitores do BNP não são racistas ferrenhos. Pelo contrário, são eleitores trabalhistas desencantados que procuram uma solução para a terrível situação de desemprego enraizado e habitações municipais indisponíveis ou precárias. Naquela época, como agora, o compromisso dos líderes trabalhistas com a gestão do capitalismo significava que eles eram incapazes de oferecer uma solução viável para esses problemas. Na ausência de tal solução, as promessas demagógicas da extrema-direita podem parecer atraentes. A tática adotada em relação a esses trabalhadores equivocados não deve ser a do confronto físico reservado às gangues fascistas lumpen. Em vez disso, podem ser conquistados com base num verdadeiro programa socialista que exponha as mentiras sobre a imigração e ofereça um sistema alternativo em que as casas e os empregos possam ser fornecidos a todos. 

Ao mesmo tempo, havia uma crescente oposição da classe trabalhadora à ameaça do fascismo. Os trabalhadores britânicos tinham visto o que os fascistas tinham feito aos seus irmãos e irmãs alemães e não estavam preparados para deixar que o mesmo lhes acontecesse. Cada manifestação fascista foi recebida por uma contramanifestação ainda maior de trabalhadores e antifascistas. Em todo o país, a classe trabalhadora se reuniu contra os fascistas. Foram impedidos de realizar reuniões em Glasgow e em Bermondsey. A situação caminhava para um confronto decisivo entre os fascistas e a classe operária. 

A UBF então anunciou que em 4 de outubro eles pretendiam marchar através do East End de Londres para um grande comício em Victoria Park. Esta marcha pretendia ser uma demonstração de força e uma provocação à grande população judaica da região.  

Desesperados para evitar o inevitável confronto violento que tal marcha produziria, cinco autarcas do leste de Londres foram ter com o Ministro do Interior, Sir John Simon, para lhe implorar que proibisse a marcha. Ele recusou. O “Conselho do Povo Judeu contra o fascismo e o antissemitismo” lançou uma petição para proibir a marcha, que recebeu mais de cem mil assinaturas em poucos dias, mas mesmo assim o ministro do Interior recusou. 

Isto tem paralelos diretos com a recente marcha EDL planeada em Tower Hamlets, onde o Partido Trabalhista local e outros fizeram campanha para que a marcha fosse proibida. Neste caso, o Ministro do Interior cumpriu de bom grado, não só proibindo a marcha EDL, mas todas as outras marchas em cinco bairros de Londres por um período de trinta dias. Ao fazer campanha para que o governo “proíba os fascistas”, os trabalhadores devem, portanto, ter em mente o seguinte: a história nos ensinou que a aplicação das leis por um Estado capitalista quase sempre age em desfavor da classe trabalhadora. Quaisquer leis introduzidas contra os fascistas serão inevitavelmente também usadas contra os trabalhadores. A classe trabalhadora só pode contar com as suas próprias forças, não com as do Estado capitalista, para derrotar o fascismo. 

“Eles não passarão” 

Na ausência de uma proibição, os trabalhadores começaram imediatamente a organizar a resistência à marcha. Apesar de suas muitas falhas, o Partido Comunista da Grã-Bretanha (CPGB) desempenhou um papel tremendo na construção da resistência antifascista. Mais de uma centena de reuniões foram realizadas em Londres, milhares de cartazes colocados e centenas de milhares de folhetos distribuídos. Em contraste com a atitude sectária adotada pelo Partido Comunista Alemão em relação aos seus irmãos social-democratas, o CPGB na verdade aceitou o apelo de Trotsky para uma frente única contra os fascistas. Eles se aproximaram de conselhos locais de comércio e filiais do Partido Trabalhista para participar. Apesar dos líderes trabalhistas pedirem aos membros que ficassem em casa e “deixassem o caso para a polícia”, milhares saíram em apoio aos antifascistas. 

Refletindo o carácter internacional da luta contra o fascismo e em solidariedade com os trabalhadores espanhóis que lutavam com as suas vidas para impedir que os fascistas tomassem Madrid, foi adotado o lema “Eles não passarão”. Foi acordado que uma contramanifestação deveria ser realizada no Gardener’s Corner para bloquear seu caminho. Planos meticulosos foram feitos para o dia, depósitos de primeiros socorros foram organizados, material para barricadas foi armazenado e os manifestantes foram instados a manter uma disciplina rigorosa diante dos inevitáveis agentes provocadores.   

Na manhã de 4 de outubro, trezentas mil pessoas tinham-se reunido para bloquear o caminho dos fascistas. Entre eles estavam o Partido Trabalhista, o CPGB, o Partido Trabalhista Independente, os membros da Liga dos Jovens Comunistas e os trotskistas. Toda a classe trabalhadora britânica estava representada! Aqui estava uma verdadeira frente única com a intenção de esmagar a ameaça fascista. No entanto, o Estado tinha outras ideias. Mais de dez mil polícias, incluindo quatro mil agentes montados a cavalo, foram trazidos para limpar a contramanifestação e garantir que os fascistas pudessem marchar. Os sete mil fascistas, vindos de todo o país, foram cercados por uma escolta policial para sua proteção. Para que a marcha pudesse começar, a polícia tentou limpar a contramanifestação: 

“No cruzamento da Commercial Road com a Leman Street, um elétrico foi deixado no meio da estrada pelo seu motorista antifascista. Em pouco tempo, a este juntaram-se outros. Impotente diante de um bloqueio de estrada tão eficaz, a polícia voltou sua atenção para outro lugar. Uma e outra vez cobravam a multidão; As vitrines das lojas vizinhas eram estilhaçadas enquanto as pessoas eram empurradas através delas. Mas a polícia não podia impressionar esta imensa barricada humana” (Phil Piratin, ibidem

Incapaz de limpar a contramanifestação, a polícia tentou descer a Cable Street como uma rota alternativa para a marcha fascista. Os trabalhadores, no entanto, tinham antecipado isso e estavam prontos. Quando a polícia começou a descer a rua, barricadas foram erguidas a partir de um camião e pedaços de mobiliário velho. A polícia atacou as barricadas e…  

«[…] encontrou uma chuva de garrafas de leite, pedras e mármores. Aos antifascistas na rua, juntaram-se algumas das donas de casa que atiravam garrafas de leite dos telhados. Vários polícias renderam-se. Isso nunca tinha acontecido antes, então os rapazes não sabiam o que fazer, mas tiraram os bastões e um deles levou um capacete para o filho como lembrança.” (Phil Piratin, ibidem

Durante todo este tempo os fascistas acotovelavam-se atrás das linhas policiais enquanto os agentes realizavam a batalha em seu nome. Quando Mosley chegou, um tijolo voou pela janela do carro. Diante de uma resistência tão dura, foi forçado a cancelar a marcha. Envergonhados por não terem sequer tentado confrontar os trabalhadores, os fascistas alinharam-se na formação militar e marcharam na direção contrária! 

Derrota 

Esta foi uma derrota abrangente para Mosley e a UBF. Como escreveu Ted Grant, ele próprio um participante na Batalha de Cable Street: 

A derrota em Cable Street em 1936 foi um duro golpe para Mosley. Com medo do poderio organizado da classe operária tão militantemente demonstrada, o movimento fascista de East End declinou. O espetáculo dos trabalhadores em ação deu aos fascistas motivos para parar. Induziu desânimo e desmoralização generalizados nas suas fileiras; A sua vitória sobre os fascistas imbuiu a classe operária de confiança. Esta ação unida dos trabalhadores da Cable Street demonstrou de novo a lição: só uma contra-acção vigorosa impede o crescimento da ameaça do fascismo.” (Ted Grant, A ameeaça do Fascismo

Esta história mostra-nos que não é possível legislar ou pedir a extinção do fascismo. A própria natureza do Estado capitalista torna isso impossível, pois o fascismo não é, na realidade, mais do que a arma nua e crua do domínio de classe capitalista.  Embora a destruição de sua base social tradicional na pequena burguesia signifique que não há perspectiva de fascismo no período atual, quem sabe o que o futuro pode reservar? Estamos a entrar num dos períodos mais turbulentos da história, em que as coisas podem virar do avesso de um dia para o outro. É vital, portanto, que nos lembremos das lições de Cable Street. Só a classe operária organizada, munida de uma compreensão do fascismo e de uma decidida dedicação à luta contra ele, será capaz de destruir mais uma vez a sua ameaça. Em última análise, porém, só a destruição completa do próprio capitalismo, que precisa e alimenta o fascismo com todos os horrores que lhe estão associados, e a sua substituição por um sistema que permita à maioria o controlo sobre as suas próprias vidas pela primeira vez na história, é que garantirá a derrota final do fascismo. 

About Sam Ashton

Check Also

A extrema direita: o que é e como combatê-la 

Artigo de Arturo Rodriguez A ameaça do Chega está a pairar sobre as próximas eleições …

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial