Alan Woods sobre as perspetivas mundiais: crise, luta de classes e as tarefas dos comunistas 

9 de fevereiro 2024

 A Tendência Marxista (TMI) de todo o mundo reuniu-se para uma reunião que representou um marco decisivo na nossa história. Abaixo, publicamos uma transcrição completa da palestra de abertura de Alan Woods sobre a turbulenta situação mundial e as tarefas urgentes que isso coloca aos comunistas.  

A análise das perspetivas mundiais seria uma coisa infantilmente simples se os fenómenos económicos fossem os únicos fatores que precisássemos analisar. É claro que eles estabelecem as tendências gerais, não há dúvida sobre isso. E sim, são, em última análise, a questão decisiva. 

Mas, tal como no oceano, na situação mundial podem existir muitas correntes cruzadas, que a qualquer momento podem exercer um efeito poderoso na forma como as coisas se desenvolvem e, sobretudo, no ritmo do desenvolvimento. Às vezes, o ritmo pode parecer dolorosamente lento. Mas, em outros momentos, pode ser extremamente acelerado. É esta a situação que enfrentamos atualmente – os processos intensificaram-se e aceleraram-se enormemente a todos os níveis. 

Não vou abordar longamente a análise económica, que já fizemos exaustivamente noutras ocasiões. Por vezes, podemos ser um pouco demasiado simplistas ao fazer declarações gerais, o que, em geral, pode ser verdade. Sim, mas o que é verdade em geral pode não ser verdade numa circunstância particular.  

Por exemplo, é impossível que a burguesia possa fazer reformas – verdade ou falso? Em geral, é verdade! Não só a burguesia não pode oferecer nenhuma reforma nova, significativa ou duradoura à classe trabalhadora; não só a burguesia é incapaz de fazer reformas sólidas e sustentáveis; não podem sequer garantir a manutenção de todas as reformas que a classe trabalhadora dolorosamente conquistou nos últimos 50 anos. 

Trata-se de um facto decisivo. É por isso que a crise do capitalismo é também, como a noite segue o dia, uma crise do reformismo. 

Mas é verdade, necessariamente, que em nenhuma circunstância a burguesia pode fazer reformas? Oh não, meus amigos, isso não é assim de todo. Se a classe dominante for confrontada com uma crise fundamental, em que todo o seu sistema pode ser derrubado, se for confrontada com a perda de tudo, levará a cabo reformas – é melhor acreditarmos nisso. Tomarão decisões “impossíveis” de tomar e gastarão dinheiro que não possuem. 

Isto é irresponsável de um ponto de vista estritamente económico e lógico. Mas foi precisamente isso que fizeram na sequência da crise financeira de 2008-2009, quando o sistema foi ameaçado de colapso. 

E, portanto, fizeram o contrário de tudo o que tinham dito em anos anteriores. Gastaram enormes e incríveis somas de dinheiro – dinheiro do governo, dinheiro inexistente – para salvar o sistema. E conseguiram. Ah, sim, conseguiram estabilizar temporariamente a situação, que estava fora de controlo. E fizeram a mesma coisa numa escala ainda maior durante a crise da COVID-19. Gastaram enormes quantias de dinheiro, dinheiro que não possuíam. Conseguiram? Sim, conseguiram. 

No entanto, ao fazê-lo, tudo o que conseguiram fazer foi criar contradições ainda maiores, contradições enormes, contradições insolúveis. E agora, essas contradições apanharam-nos. 

Estão carregados de vastas e inimagináveis quantidades de dívida: dívida pública, dívida das empresas, dívida privada, dívida dos consumidores. E, claro, vimos um enorme salto na inflação. Portanto, eles agora são forçados, como um homem cujo carro está fora de controle, a pisar no travão. E isso, claro, causa tremendas contradições. 

Lembro-me nitidamente de termos previsto precisamente este facto em 2008. Naquela época, expliquei o seguinte: toda tentativa da burguesia de restaurar o equilíbrio econômico, que era o que eles estavam tentando desesperadamente fazer, destruiria o equilíbrio social e político. 

E é precisamente isso que vemos. Aliás, o período de taxas de inflação historicamente baixas, que todos os economistas estúpidos diziam ser permanente – porque pensavam isso, não sei – e, consequentemente, de taxas de juro baixas, terminou. Não pode ser restaurada, pelo menos num futuro previsível, se é que alguma vez o será. 

O período mais turbulento da história 

É neste contexto que tudo o resto se desenvolveu. É uma receita acabada precisamente para o que dissemos: o período mais tempestuoso e turbulento de toda a história. 

Vemos essa turbulência, essa instabilidade crônica, em todos os lugares. Basta ligar a televisão, ouvir as notícias, se for possível aguentar. Pessoalmente, deixei de ouvir a BBC – trata-se apenas de uma correia de transmissão de estúpida propaganda. 

Por todo o lado se vê a mesma instabilidade: instabilidade económica; instabilidade financeira; instabilidade social; instabilidade política; instabilidade diplomática e, sim, instabilidade militar. Se entendemos isso, então entendemos a natureza do período pelo qual estamos passando. 

Sejamos claros noutra coisa: os processos económicos, a qualquer momento, podem ser seriamente afetados por questões políticas – e por questões militares. Não há uma muralha da China a separá-los. Tal ideia seria estúpida, como imaginar que todos os processos da ciência são quimicamente puros. Não são. 

Numa dada situação, as questões políticas podem ter um efeito drástico na economia. E, claro, a economia tem sempre um efeito fundamental nas questões políticas. Há uma inter-relação, como podemos ver quando lemos o alarme expresso pelos estrategistas mais sérios do capitalismo – um ou dois deles ainda estão vivos. Embora a maioria deles sejam completos idiotas. Como dizia Lenine: um homem à beira de um precipício não raciocina

Peço aos camaradas que se lembrem dessa declaração. Já vi isso muitas vezes, onde cometemos erros de perspetiva – e cometemos erros – muitas vezes é pelo seguinte motivo: assumimos, erroneamente, que a burguesia age de maneira lógica. 

Se isso fosse verdade, para desenvolver perspetivas bastaria descobrir o que é do interesse lógico do imperialismo norte-americano e, portanto, eles agiriam em conformidade. 

Oh, não, não, não, não. A burguesia não age necessariamente de forma lógica, como veremos. Acontece muito frequentemente na história que problemas graves são causados por erros de cálculo por parte da classe dominante. 

Adolf Hitler cometeu o maior erro de cálculo imaginável quando atacou a União Soviética em 1941. A propósito, Stalin, Churchill e Roosevelt também cometeram erros de cálculo igualmente estúpidos ao longo da guerra e depois dela. 

Ucrânia 

Hoje, vemos artigos sombrios na imprensa, o otimismo anterior transformou-se em pessimismo sombrio, porque há muito poucos estrategistas que são capazes de pensar. Como Trotsky disse em 1938: eles estão caminhando para o desastre de olhos fechados, e estão cometendo erros graves. 

Eles estão enfrentando uma tempestade perfeita. Todos esses fatores – econômicos, políticos, militares e diplomáticos – estão-se combinando, juntando-se, produzindo uma espiral descendente catastrófica. Eles não parecem ser capazes de parar. Eles não podem pará-lo. 

Vemos isso nos acontecimentos no Médio Oriente e na Ucrânia. Estes dois elementos terão de ocupar um papel bastante importante neste processo: comecemos pela Ucrânia. Em primeiro lugar, temos que fazer a pergunta: qual é a importância estratégica da Ucrânia para o imperialismo norte-americano? Por que é tão vital que se tornou uma obsessão para Biden e a sua administração? Vamos responder a essa pergunta. Leiam meus lábios: A Ucrânia, do ponto de vista geral dos interesses globais do imperialismo americano, é de importância zero. A China, se quiserem, até Taiwan: são importantes. 

Quando Biden foi eleito, acreditem ou não, parte do seu programa deveria ser um programa de paz. Ele não iria envolver os EUA em mais nenhuma dessas chamadas “Guerras Eternas” no Médio Oriente. 

Acreditem ou não, ele disse que ia fazer um acordo com a Rússia, que teria estabelecido uma relação estável com a Rússia para se concentrar no problema central, que é, naturalmente, a China, como veremos em breve. 

Joseph Biden, no curto espaço de tempo em que ocupou a Casa Branca, conseguiu precisamente o oposto do que disse que ia fazer. 

Os americanos empurraram deliberadamente a Ucrânia para um conflito sem sentido com a Rússia, que poderia facilmente ter sido evitado. Facilmente, por diplomacia elementar, como, por exemplo, concordar que a Ucrânia nunca aderiria à NATO. Simples. Na verdade, Zelensky estava preparado para discutir isso com os russos. Ele estava preparado para fazer a maioria dessas coisas inicialmente, até que teve os braços torcidos pela OTAN e pelos americanos: “Não confie em Putin! Sem acordos com Putin!” É agora perfeitamente claro que os americanos provocaram deliberadamente essa guerra. 

Agora, descrevi-a como uma guerra desnecessária. Sei que alguns camaradas pensam nisso como uma coisa muito estranha de dizer. Afinal, se a guerra ocorreu, ela deve ter ocorrido por necessidade. É verdade. Quando se chega a um certo ponto, tudo se torna necessário. 

Mas isso significa que a guerra não poderia ter sido evitada? Trata-se de uma suposição muito errada e muito insensata. Digo-vos agora – e não sou o único a dizê-lo, muitas pessoas dizem-no – que podiam e deviam ter evitado, fazendo algumas concessões: secundárias, sem importância. 

Mas não, não, não: consideravam a questão da expansão da NATO uma questão de princípio, da qual não podiam renunciar. Essa foi uma suposição muito estúpida a fazer em primeira instância. Por que razão deveria ser tão importante? Na verdade, não é importante. Pensaram errado. Julgaram mal. Interpretaram mal toda a situação. 

Eles pensaram:  

“Aqui está uma oportunidade para uma pequena guerra com a Rússia. Não nos envolveremos. Nenhuma vida americana será perdida. Que os ucranianos façam todos os combates. Dar-lhes-emos armas e dinheiro. Armas modernas e maravilhosos. E vamos dar-lhes a oportunidade de ganhar.”  

Armas modernas maravilhosas como o tanque Leopard, e o tanque Abrams, e esses novos caças a jato, que eles vão dar-lhes. E eu digo: e daí? Deixem-nos entregar essas armas. Não faz diferença.  

Os russos são fracos. Os generais russos são inúteis. Os russos não têm armas modernas como nós.” Eles realmente acreditaram em sua própria loucura – e é loucura. 

Mas será que os ucranianos podem ganhar? Dissemos desde o início que não há absolutamente nenhuma chance de a Ucrânia ganhar uma guerra com a Rússia. Foi e continua a ser uma ideia estúpida. 

Olhando para isso agora, eles estão começando a entender. Está a levar-lhes um bocadinho de tempo. Em primeiro lugar, empurraram Zelensky para este conflito, que ele não queria. E agora ele quer continuar porque a carreira dele depende disso. 

Em pelo menos duas ocasiões, sabotaram um acordo que estava a ser feito. Se não me engano, a última foi em abril de 2022. 

O acordo foi assinado tanto pela Rússia como por Zelensky, creio que em Istambul, mediado pelos turcos. E foi deliberadamente sabotado por esse Boris Johnson, um representante perfeito da nossa inteligente classe dominante britânica. Ele mal se adapta ao papel de palhaço. Mas Johnson nunca teria feito essa declaração, a menos que fosse apoiado por Biden. Nunca. O imperialismo britânico é uma potência insignificante.  

“Brexit”, “independência” – que independência? Quando estão constantemente lambendo a bota do imperialismo americano? Do que é que estão a falar? Washington diz saltar e eles dizem: quão alto? É constrangedor. 

Não! Sabotaram-na deliberadamente e empurraram os ucranianos para essa ofensiva em junho passado. Não vou entrar em detalhes, mas foi o que eles fizeram. 

Tenho boas razões para acreditar, tenho a certeza disso, que Zaluzhnyi não queria esta ofensiva. O comandante-em-chefe não queria. Porquê? Porque ele sabia que eles iriam perder. Ele sabia que eles seriam esmagados.  

Escrevi um artigo quando ele lançou a ofensiva, no qual expliquei que não entendo por que os ucranianos dizem: 

Oh, olhem, os russos têm campos minados. Os russos têm campos minados. Desde quando?” 

Eles não sabiam sobre esses campos minados?  

Ah, eles têm defesas fortes; linhas de defesa fortes.” 

E eles não sabiam que eles tinham linhas fortes de defesa? 

Zaluzhnyi sabia, e por isso não estava satisfeito. Mais uma vez, ele foi empurrado pelos amercianos. 

Eles acreditavam nas suas próprias patetices de que essas “armas maravilhosas” seriam “game changers”. Eles derrotariam facilmente esses russos desesperados. A Rússia seria derrotada. Eles recuperariam a Crimeia e todos os territórios. Putin entraria em colapso e, provavelmente, cometeria suicídio ou algo assim. E então todos viveriam felizes para sempre. Bem, não deu muito certo, não é mesmo? 

E, no entanto, líamos esses disparates. Não sei se alguns camaradas teriam sido afetados por isso. É propaganda: denegrir os russos e elogiar a capacidade militar dos ucranianos. Isso é um lixo, é um disparate: sempre foi um disparate. 

É verdade que, no início da guerra, os russos cometeram alguns erros graves e pagaram o preço por isso. Isso é verdade. Cometeram alguns erros; cometeram alguns erros de cálculo. Mas na guerra, aprende-se com os erros próprios, e eles aprenderam com seus erros. 

Eles reorganizaram todo o negócio em linhas diferentes, e agora estão em uma posição muito forte. Esse é o ponto. 

Agora há avaliações sombrias sendo feitas. Mesmo as cabeças mais duras de Londres e Washington começam a registar que esta ofensiva não correu como planeado.  

Olhem, há um impasse. Há um impasse.” Camaradas: não há qualquer impasse na Ucrânia. Nenhuma. Os russos avançam. Foi uma derrota. 

Mas a palavra “derrota” entala-se lhes na garganta. Eles não podem dizer isso, então eles falam sobre um “impasse”. Parece melhor, não é? Exceto, que é mentira. 

Não se tratou apenas duma derrota. Foi uma derrota absolutamente esmagadora. Destruiu qualquer possibilidade da Ucrânia agora resistir aos russos. Não têm possibilidade. 

Eles sofreram mortes tão colossais, mortes tão impressionantes, até mesmo a imprensa ocidental é forçada a admitir que os números de baixas são impressionantes, embora não revele os números. 

E estes incluiriam todos os soldados treinados, experientes e endurecidos pela batalha. Ou estão todos mortos ou feridos, não podem lutar. E não podem ser substituídos. 

Agora, a imprensa ucraniana está cheia de notícias sobre o exército e a polícia prenderem jovens, arrastando-os para fora das discotecas e enviando-os diretamente para a frente. As pessoas não querem mais lutar. As pessoas na Ucrânia já não acreditam em nada do que o governo lhes diz. Eles sabem que é um pacote de mentiras. Eles veem os caixões voltando, eles sabem tudo isso. 

Os jovens não querem entrar para o exército. Não estou surpreso. Você se junta ao exército, você não recebe nenhum treino, se tiver sorte, recebe uma arma e então você é enviado diretamente para a frente, onde tem uma chance muito boa de ser morto muito rapidamente.  

A propósito, lembro-me da propaganda no passado. Os russos deveriam estar ficando sem mísseis. Lembra-se disso? “Ah, a Rússia está ficando sem mísseis. Eles não têm mísseis.” 

Alguma pessoa estúpida, acho que do MI5 em Londres, há 12 meses, disse que os soldados russos em Bakhmut estavam lutando com pás. Pois eu digo: que ricas pás!  

Qual é a realidade? A Rússia não está sem mísseis. Eles estão bombardeando em permanência. Eles têm muitos mísseis, a sua indústria está funcionando bem, eles estão produzindo mísseis, projéteis, tanques, aviões – e tanques e aviões muito bons, diga-se de passagem. São tão bons, se não melhores, do que os da NATO. 

Mas os ucranianos estão ficando sem munição. Eles estão ficando sem projéteis. Prometeram-lhes um milhão de projéteis da União Europeia, que nunca receberam. Os americanos tiveram de pedir emprestado meio milhão de projéteis, que foram enviados aos ucranianos. Mas isso não é bom, não é nada bom. Os ucranianos estão a disparar projéteis, mísseis e foguetes como se não houvesse amanhã e o Ocidente não conseguisse acompanhar as suas necessidades. 

Penso que foi o New York Times  ou o Wall Street Journal  que publicaram uma narrativa, afirmando que por cada cinco ou seis projéteis que os russos disparam contra as linhas ucranianas, os ucranianos têm a sorte de disparar um ou dois em resposta. Os russos avançam devagar, mas sem remorso. 

Construíram enormes forças na frente e na Bielorrússia. Estão prontos para uma ofensiva geral. Pode vir, ou não.  

Se vier nos próximos meses, talvez no próximo mês, não há como os ucranianos resistirem: nenhuma. Então, qual é a posição dos americanos? Qual é a posição da NATO? Se estivessem agindo logicamente, diriam: “olhem, a Ucrânia está derrotada. Não há alternativa. Temos de negociar com os russos e ver se conseguimos alguma coisa.” 

Dizem isso? Não. O que dizem? “Continuem. Temos de apoiar a Ucrânia, temos de enviar mais arma para este país destroçado e sangrando.” 

Isso é um crime. Isso é um crime de guerra: persistir nesta terrível matança, correndo o risco da aniquilação total da Ucrânia como país independente. Eles não se importam. 

Sobre Joe Biden, temos de compreender: ele é, sem dúvida, o Presidente mais estúpido, mais presunçoso e ignorante dos Estados Unidos desde há algum tempo. Eu diria que durante cem anos, mas depois, claro, há George W. Bush… mas depois de Bush, Biden vem logo atrás. 

Quando chegarmos ao Oriente Médio, veremos que é mais do mesmo. 

Biden é como um carro sem marcha-atrás: “Para a frente, para a frente, para o ataque“. 

Faz-me lembrar o capitão do Titanic: “A todo o vapor.” 

Mas há uma diferença com o capitão do Titanic. Aquele pobre desgraçado não viu o iceberg até que fosse tarde demais. Joe Biden e os seus conselheiros puderam ver o grande iceberg a aproximar-se deles, e ainda exclamaram: “A todo o vapor!” 

Um excelente exemplo é o que ele fez com os hutis, que abordaremos em seguida. Um jornalista perguntou a Biden: “os ataques no Iêmen estão funcionando?” Ao que o Presidente dos Estados Unidos respondeu (esta citação deve ficar para a história): 

Bem, você diz ‘funcionando’. Estão a deter os hutis? Não. Vão continuar? Sim.” 

Pelo amor de Deus, isso beira a insanidade. Se algo não está funcionando, a conclusão é… contina! 

Ouvi dizer que Obama foi visitar Biden há algumas semanas e tentou convencê-lo a mudar a sua política. Foi uma completa perda de tempo. Biden não ouve ninguém. 

Mas resumindo a questão da Ucrânia: a NATO sofreu uma derrota humilhante. 

Sobre este maldito disparate sobre “armas maravilhosas”, como o tanque Leopard: o que aconteceu a estes tanques Leopard invencíveis? Vocês podem vê-los online, se quiserem, destruídos, em chamas, em ruínas, no meio de campos minados russos. 

É uma humilhação completa para o exército alemão, e a questão ucraniana está agora a ter um grande efeito dentro da Alemanha. Eu não sei muito sobre esse novo partido de esquerda que está surgindo lá, mas uma coisa é verdade: eles são contra a guerra na Ucrânia.  

Esta situação na Ucrânia deveria mostrar a fraqueza da Rússia. Não mostra nada disso. Como prevíamos, todas as sanções falharam miseravelmente. A economia russa ainda está a avançar. 

Não sei quanto tempo isso vai durar, mas está indo para frente. E todas essas “armas maravilhosas” foram expostas como um blefe. É embaraçoso, mas mostra a fraqueza da NATO. 

Não são os russos que estão ficando sem mísseis e projéteis de artilharia. Pelo contrário, estão a debilitar os americanos e a esgotar as suas reservas. 

Agora todos os dias saem artigos em que generais no Ocidente se queixam das condições lamentáveis das forças armadas, na Grã-Bretanha, em França e na Alemanha, por exemplo. E agora os americanos e a NATO exigem – e esta vai ser uma questão-chave que temos de assumir – que todos estes governos gastem mais dinheiro em armas para enfrentar a ameaça russa, que é inexistente. Não há ameaça russa a nenhum país, exceto à Ucrânia. 

A Ucrânia está derrotada agora. Na população ucraniana agora, há um clima de pessimismo e derrotismo. As pessoas estão zangadas contra Putin, claro, absolutamente. Mas eles também estão irritados agora contra Zelensky e Zaluzhnyi, que, por sinal, estão em confronto. 

O clima na Ucrânia está, na verdade, prenhe de implicações revolucionárias. No fundo, é uma guerra entre ricos e pobres: os pobres que foram massacrados na frente são jovens de famílias pobres. Os ricos podem comprar a sua saída ou fugir para o estrangeiro. Enquanto isso, a corrupção do círculo governamental, incluindo Zelensky, é notória. 

No entanto, é provável que o clima nesta fase seja muito deprimido, certamente incomparável com a situação no início do conflito. Então, os ucranianos estavam preparados para lutar e estavam preparados para fazer sacrifícios. Agora já não. 

Um país como esse não pode resistir a um ataque russo. Pode ser que a ofensiva dos russos não aconteça. Porquê? Os russos não têm pressa. 

Eles podem esperar, enquanto bombardeiam a Ucrânia com os mísseis. Até quando? Até que a quantidade se transforme em qualidade, levando a um colapso, o que é perfeitamente possível, e a uma rendição, que também é perfeitamente possível. 

Estas contradições sociais refletem-se numa cisão aberta do regime. Zelensky e Zaluzhnyi já não se falam. Penso que foi em dezembro que Zelensky enviou uma carta a Zaluzhnyi. Zaluzhnyi deveria ser o comandante-chefe, mas Zelensky perdeu toda a confiança nele e exigiu sua renúncia. [nota da tradução: entretanto Zaluzhnyi já foi demitido] 

Zaluzhnyi enviou uma carta de volta ao seu comandante-chefe, que pode ser traduzida aproximadamente para o inglês do País de Gales do Sul como: “vá pular no lago!” 

O que ele realmente disse foi: “eu não estou renunciando, e se você me demitir, tem de aceitar as consequências”. 

Isso é mais do que um motim. Essa é a ameaça de um golpe. É assim que as coisas se tornaram realmente más. O apoio de Zelensky está a desmoronar-se e os abutres estão a rondar. 

Guerra no Médio Oriente 

De repente, no meio desta confusão, surgiu a crise em Gaza. Tratámos disso minuciosamente em nossos documentos, e não vou abordar dos detalhes, que são bem conhecidos. 

Mas, mais uma vez: qual é a posição dos Estados Unidos? Tenho notado algo estranho nas notícias: estão a culpar o Irão. “É o Irão, é o Irão, é o Irão“, repetem. Isso não é um acidente. 

Há muito tempo que existe um consenso geral nos Estados Unidos: tanto os republicanos como os democratas consideram o Irão o seu principal problema no Médio Oriente, um problema que tem de ser resolvido. 

Não tenho qualquer dúvida para onde isto se está a dirigir. Por que Biden enviou imediatamente dois porta-aviões para a área, um para o Mediterrâneo Oriental e outro para o Mar Vermelho? Conheço as desculpas: para impedir a escalada da guerra? Bem, meus amigos, se era essa a intenção – pode muito bem ter sido a intenção – conseguiram precisamente o contrário

Mas não tenho dúvidas de que pelo menos uma ala da Administração viu este conflito em Gaza como uma desculpa perfeita para atacar o Irão. Tenho a certeza disso. Não tenho dúvidas de que essa sempre foi a sua intenção. 

A razão pela qual eles não avançaram rapidamente, é porque os outros estavam dizendo, “esperem um segundo. Isso terá consequências.” E terá consequências.  

É uma surpresa que os EUA tenham apoiado Israel? Não é surpresa nenhuma, era absolutamente inevitável. Mas era inevitável para Joe Biden, o Presidente dos Estados Unidos, imediatamente, sem sequer pensar, entrar num avião, voar para Israel e abraçar publicamente Netanyahu, na televisão, perante o mundo inteiro, fazendo uma declaração de que “apoiamos Israel incondicionalmente”, e ao fazê-lo dando a este monstro Netanyahu um cheque em branco para fazer o que quiser?  

Que necessidade havia para o homem fazer tal coisa? É inédito, sem precedentes. Com suas ações, ele amarrou completamente as mãos da política externa americana. Não podem recuar em relação a isso. 

Imediatamente, alienaram países como a Arábia Saudita, um aliado fundamental do imperialismo norte-americano desde 1945. Essa aliança já era muito instável mesmo antes de 7 de outubro. Os sauditas desafiaram os americanos sobre os preços do petróleo quando estes queriam congelá-los ou reduzi-los. Os sauditas responderam em árabe, o que acredito poder ser novamente traduzido para o dialeto do Sul do País de Gales como: “vá pular no lago”.  

E recusaram-se a apoiar os americanos na Ucrânia. Eles aproximaram-se da Rússia e até mesmo do Irão, na verdade, e para bem longe de Israel. Isso significa que toda a política que os americanos estavam a tentar pôr em prática no Médio Oriente foi destruída.  

Daqui resultarão grandes consequências. Não vale a pena continuar a discutir o terrível massacre que teve lugar em Gaza. É monstruoso. Netanyahu é um monstro. Mas ele está a prosseguir a sua própria agenda, aliás – a sua própria agenda pessoal – e não necessariamente os interesses da classe dominante israelita. 

Tem dois objetivos: esmagar o Hamas e agarrar-se ao poder e impedir de ir para a cadeia. Estes são dois objetivos muito claros que ele continuará a perseguir. Mas, meses depois deste terrível conflito, não derrotaram o Hamas. Não derrotarão o Hamas, pelo menos não completamente, da forma que ele prometeu. Isso é impossível. 

O que conseguiram foi agitar toda a região, mesmo sem um ataque ao Irão, que penso que virá a seu tempo. 

Entretanto, este massacre, este massacre deliberado de civis, vai continuar. Não há dois caminhos: é um crime de guerra. Eu não costumo usar o termo ‘genocídio’, mas se não é genocídio, é algo que se aproxima muito dele. 

Vemos a hipocrisia do Ocidente mais uma vez à mostra. Logo após o início da guerra na Ucrânia, eles imediatamente foram para o Tribunal Internacional de Justiça. A propósito, não há absolutamente nenhuma demonstração cabal de que os russos mataram deliberadamente civis ucranianos. E, no entanto, acusaram imediatamente Putin de “crimes de guerra”; e ordenaram imediatamente um cessar-fogo. 

E quanto a Gaza, por outro lado, em que o Governo sul-africano fez um relato pormenorizado do massacre que está a ter lugar? Não está em causa um cessar-fogo. Em vez disso, diz o TIJ, “podem continuar, mas devem tomar medidas para matar menos civis”. Que piada. E ainda não está em causa um cessar-fogo. 

Se tinham alguma dúvida sobre a influência do imperialismo americano sobre essas instituições, bem, aqui está a prova.  

Então, essa matança vai continuar. Para agravar a situação, nos últimos dias, a Mossad, a polícia secreta israelita, produziu um chamado relatório que acusa uma dúzia de trabalhadores humanitários da ONU de algum tipo de envolvimento nos acontecimentos de 7 de outubro. É claramente uma fabricação. É claramente uma manobra. Em resposta, os governos ocidentais cortaram imediatamente a ajuda às pessoas que estão a morrer de fome. Imediatamente. Não se colocou a questão de qualquer investigação. Descobrir os factos? Não, não, não. 

Se alguma vez se exigiu provas da crueldade cruel e dura das potências imperialistas, das chamadas democracias ocidentais, não haverá nada mais gráfico que isto. E tudo isto tem consequências.  

Relações mundiais 

Os acontecimentos, particularmente na Ucrânia e em Gaza, aceleraram agora enormemente o que se poderia descrever como uma mudança sísmica nas placas tectónicas das relações mundiais. 

Durante muito tempo, estas relações estiveram congeladas. Enquanto a União Soviética existiu, foi um poderoso contrapeso contra o imperialismo americano. Mas o colapso da União Soviética foi uma mudança sísmica. 

Durante algum tempo, a Rússia foi incapaz e impotente. O imperialismo americano era a única superpotência do mundo. Mas com um poder colossal vem a arrogância colossal. 

Joe Biden é um produto desse período, e um produto também da Guerra Fria. Está obcecado com um ódio profundo à Rússia. E está obcecado com a ideia de poder americano. Ele não percebeu que esse poder começou a diminuir no mundo. 

Sobre a Ucrânia, repetem constantemente que a Rússia está isolada no mundo. É verdade? Não é verdade. A Rússia só está isolada por um minúsculo grupo de potências imperialistas na Europa, mais o Japão e o Canadá. 

Que chacais nojentos são a classe dominante canadense, diga-se de passagem. Não são elementos repulsivos? “Liberais”. Acho que odeio os liberais ainda mais do que odeio os conservadores, embora sejam exatamente a mesma coisa. A única diferença é que um gang é abertamente reacionário, enquanto ao outros são bastardos hipócritas que escondem sua reação atrás de uma falsa máscara de liberalismo.  

Mas este clube de “homens ricos” da NATO, isso não é o mundo. No resto do mundo, a Rússia não está isolada. A América está isolada, e cada vez mais.  

Mencionei a Arábia Saudita, mas há outros países. A Turquia, por exemplo. Digam o que quiserem sobre Erdogan, mas ele está a fazer as coisas à sua maneira. Ele não está mais interessado no que os americanos dizem. 

Voltando brevemente ao Médio Oriente, a conclusão mais importante para a situação é esta: o Médio Oriente sempre foi um barril de pólvora, apenas precisou de uma faísca para o desencadear. 

Estes regimes árabes não são muito estáveis. Um grupo deles tem estado muito próximo dos Estados Unidos, e esse é o seu ponto fraco. 

O clima entre as massas no Oriente Médio agora é de fúria. Fúria absoluta. E isto é dirigido contra Israel, claro, e inevitavelmente também contra a América. Mas, cada vez mais, será dirigida contra os seus próprios governos, que estão contaminados e envenenados por esta relação tóxica. Eles estão em apuros. Isso explica por que razão os qataris e outros estão a tentar desesperadamente obter algum tipo de acordo para enviar ajuda aos palestinianos. 

Não faz qualquer diferença, claro. Netanyahu continua. Não presta atenção às decisões do Tribunal Internacional de Justiça. Durante décadas, Israel não prestou atenção a nada que saísse das Nações Unidas. Utilizam todas estas resoluções em prol dos direitos dos palestinianos para limparem o rabo. 

A guerra vai continuar, mas este estado de espírito das massas está a atingir proporções explosivas, pela política insana que os americanos estão a promover. Será que os americanos querem isso? Não, eles não querem. É do seu interesse? Não, não é do seu interesse. Mas eles estão empurrando nessa direção o tempo todo por suas ações, pelo bombardeio estúpido dos hutis. 

Mais uma vez, subestimaram os russos; subestimaram os iranianos; eles subestimaram os hutis também. Digam o que quiserem sobre os hutis, mas eles são um grupo duro. Eles são uma força disciplinada e batalhadora. 

Sim, são apoiados pelo Irão. Já repararam nas notícias? Sempre que mencionam estes grupos, dizem: “o Hamas apoiado pelo Irão”, “os Hutis apoiados pelo Irão”, “o Hezbollah apoiado pelo Irão”. Será que alguma vez dizem “o Israel apoiado pelos americanos”? Vocês já ouviram isso? Porque eu certamente não. 

Mas, já agora, há aqui um certo paralelo. Israel é o representante do imperialismo americano, sim. Estes grupos – os hutis, o Hezbollah – sim, são representantes do Irão. Eles recebem ajuda do Irão, sim. 

Mas será que os americanos controlam Israel? Eles controlam Netanyahu? Ele é o representante deles, mas eles não o controlam. Eles não podem controlá-lo, e isso é um facto. Na verdade, os americanos, agora, são um retrato de impotência. 

Mas aqui está um ponto interessante. O tempo todo, eles têm-se claramente aproximado de um ataque ao Irão É por isso que eles sempre repetem nos média, “o Irão apoiou isto”, “o Irão apoiou isso” e “o Irão fez outra coisa”. Isso é a preparação. 

Vão continuar a atacar os hutis, mas cometeram um grande erro. Olhem, os hutis travam guerras há décadas. Eles são bem disciplinados e duros. Durante 10 anos, resistiram aos bombardeamentos mais selvagens da Força Aérea da Arábia Saudita, apoiada pela Grã-Bretanha, França e Estados Unidos. Agora olhem, para uma organização que é capaz de fazer isso, eu vos faço uma pergunta: vocês acreditam que, por um minuto, eles vão-se impressionar com um par de bombas de aviões britânicos e americanos? Não os impressionará, claro. É como uma alfinetada. Eles estão bem entrincheirados em túneis e assim. 

Na verdade, se alguém perguntasse aos hutis, “o que vocês acham dessas bombas?”, eles responderiam: “Estamos muito satisfeitos, na verdade. Estamos felizes, porque agora, finalmente, estamos lutando contra o verdadeiro inimigo, que são os Estados Unidos.” 

Portanto, o bombardeamento não terá qualquer efeito. Biden admitiu que não há efeito. Então, pergunte-se: qual é o próximo passo lógico? Ah! O próximo passo lógico seria negociar com alguém. Negocie com alguém, Joe Biden, para nos tirar desta confusão. Pressione Netanyahu para detê-lo. Mas eles não podem fazer isso. 

O próximo passo ilógico – mas que eles vão dar, muito provavelmente, na minha opinião – é bombardear o Irão. Não é uma operação terrestre: uma invasão terrestre do Iémen ou do Irão está fora cogitações. Isso não é possível, eles não podem fazer isso. 

Mas se bombardearem o Irão, isso terá as consequências mais graves. Se os hutis são um inimigo formidável, os iranianos são mil vezes mais formidáveis. E eles têm os meios para tornar a vida muito difícil para os americanos, em todo o Médio Oriente. 

Há cerca de um mês, penso eu, Nasrullah, o líder do Hezbollah, fez um discurso público alertando os americanos depois de terem assassinado um líder do Hamas em Beirute. 

Tenho certeza de que Nasrullah está tentando segurar o Hezbollah, mas o Hezbollah quer lutar. Ele não quer uma guerra com Israel, mas advertiu os americanos: 

É melhor ter cuidado com o que faz. Se der um passo errado na nossa direção, iremos atingi-lo duramente. Podemos fazer isso.” Disse-lhes claramente: “vocês sabem o que quero dizer”. Não sei o que ele quis dizer, mas os americanos, que têm bases em todo o Oriente Médio, certamente sabem-no. 

O interessante é o seguinte: os iranianos entendem o que está acontecendo e tomaram suas próprias medidas. Eles dispararam mísseis de longo alcance contra alvos na Síria, Iraque e Paquistão. O que há de interessante nisso? O que fizeram  não é tão interessante como o que não fizeram. Nenhuma base americana foi atacada. Nenhuma vida americana foi perdida. 

Foi um aviso aos americanos: “Estão a ver o que somos capazes de fazer? Podemos atingir qualquer alvo.” 

Mas agora temos esse outro ataque que atingiu uma pequena base americana. Não sei quem é o responsável. Não terão sido os iranianos diretamente, mas um desses grupos pró-iranianos. Isto é brincar com o fogo. Os americanos estão a preparar-se. Acho que não há qualquer dúvida sobre isso.  

Um ataque direto ao Irão incendiaria toda a região. E já agora, apesar de a massa da população odiar os mullahs, não se enganem, se o Irão for atacado por Israel ou pela América, a massa do povo irá reunir-se para defender o país. 

A conclusão que temos de tirar é a seguinte: atualmente, não existe um único regime estável e sólido em todo o Médio Oriente. Nem um. E o rumo dos acontecimentos pode facilmente resultar em explosões revolucionárias num país após o outro, no derrube de um regime árabe podre atrás do outro. Em outras palavras, é possível que tenhamos uma repetição da Revolução Árabe.  

É possível. Temos de estar preparados para os acontecimentos mais dramáticos. Toda a situação está prenhe de implicações revolucionárias.  

Voltando às relações mundiais: Índia, Arábia Saudita e Erdogan, na Turquia, afastaram-se da esfera de influência americana. 

O primeiro efeito da política externa americana é o oposto do que eles queriam. Em vez de separar a Rússia da China, que era a ideia de Trump, eles conseguiram uni-los agora, com muita firmeza. 

Tem outros efeitos. A Coreia do Norte aproximou-se da Rússia. Eles estão trocando material militar, hardware e informações, o que perturba a posição da Coreia do Sul. 

É bastante irónico, os americanos acabaram de retirar meio milhão de projéteis de artilharia aos sul-coreanos para dar aos ucranianos ao mesmo tempo que o “pequeno homem foguete”, Kim Jong-Un, de repente anuncia que quer mudar a Constituição da Coreia do Norte declarando a Coreia do Sul como um inimigo. Vocês podem achar divertido. Não acho que as pessoas na Coreia do Sul achem divertido. 

Depois, claro, há a pequena questão de Taiwan que causou outra perturbação com as recentes eleições de há apenas algumas semanas, onde foi eleita uma organização pró-independência. 

Agora, isso é um sinal de alerta para os chineses, que consideram Taiwan uma província rebelde separatista da China. 

Eu não acho que realmente haja um perigo de uma invasão chinesa ou uma guerra, mas eles certamente estão-se preparando. É melhor que o governo de Taiwan tenha muito cuidado com o que faz.  

Com uma situação tão alarmante como esta – com a Ásia-Pacífico a ser a questão-chave para os interesses estratégicos americanos, e que se supõe ser um elemento central da política americana – com todos estes problemas a formarem-se no Pacífico, o exército americano encontra-se sobrecarregado, com stocks esgotados e atolado em conflitos invencíveis na Ucrânia e no Médio Oriente. 

A propósito, se vocês fizerem a pergunta “os Estados Unidos estariam agora em posição de defender efetivamente Taiwan contra os chineses?” Bem, eu não sou um especialista militar, mas acho que para eles seria extremamente difícil. 

Depois, há a Índia. Uma política central da América era obter o controle da Índia e sua riqueza. A Índia é agora uma potência económica que está a crescer no mundo. Costumava ser um satélite da URSS, enquanto o Paquistão era aliado da China. 

Gradualmente, os americanos conseguiram puxar a Índia para eles. Agora, isso inverteu-se. A Índia está a avançar cada vez mais na direção de Moscovo. 

A Índia recusou-se a condenar a invasão russa da Ucrânia e os americanos devem ter ficado horrorizados com o facto de Modi ter visitado recentemente Putin em Moscovo. É um exemplo claro, e eu poderia dar muitos outros, mas não há tempo. Eu diria, que está agora em curso tão dramática mudança nas relações mundiais como a ocorrida com o colapso da União Soviética. 

Luta de classes na ordem do dia 

Agora chegamos ao ponto central da discussão, a conclusão. O que podemos retirar disto? Este ano haverá muitas eleições a decorrer. E prevejo agora que veremos oscilações violentas na opinião pública: da direita para a esquerda e da esquerda para a direita. Isto, naturalmente, intriga as pessoas da chamada “esquerda”. 

Por exemplo, nas eleições nos EUA – embora nunca se possa ter certeza de nada com eleições – Joe Biden é o presidente mais impopular dos EUA, na história moderna. Na verdade, acho que os democratas gostariam de se livrar dele, mas não podem. 

E há ainda Trump. A imprensa liberal nos Estados Unidos e internacionalmente está horrorizada. Olhem, é incrível: Trump voltou de novo! 

Há um velho filme de terror em preto e branco dos anos 1950 chamado A Noite dos Mortos-Vivos. Vocês deviam assistir: esses fantasmas surgem da sepultura, essas pessoas mortas cambaleiam. Não podem ser mortos à bala, nem pelo exército nem pela polícia. Eles são impotentes contra esses monstros que se levantaram da sepultura. Esse é Donald J. Trump. 

Eles tentaram de tudo. Tentaram atacá-lo na imprensa e destruí-lo nos tribunais. 

Eles arranjaram 91 processos judiciais contra ele. É por isso que eu digo que ele é um zumbi: ele não é um ser humano. Qualquer tipo normal seria completamente destruído, destruído. Não Donald J. Trump, não importa o que tentem. 

Toda vez que anunciam um novo processo contra ele, o seu apoio sobe nas pesquisas. Ele tem caminho aberto: tudo o que Trump tem de fazer, embora seja difícil para ele, é manter a boca fechada, sentar-se e esperar. É tudo o que ele tem de fazer. 

Tudo indica depois de Iowa e New Hampshire que ele obviamente será o candidato republicano. Não podem colocá-lo na cadeia. Isso é um absurdo. Se o colocassem na cadeia, teriam uma guerra civil nas mãos, ou algo parecido. Teriam sérios incómodos, eles não podem fazê-lo. Portanto, acho que não há como evitá-lo: a América terá de passar mais uma vez pela Escola de Donald Trump. 

É claro que a reação de todas as seitas é previsível. Todos eles estarão batendo nos seus tambores novamente. “Fascismo, fascismo”, gritarão. Claro que não é fascismo. Mas vou dizer aqui algo que pode ser um pouco controverso. 

Claro que Trump é um reacionário, escusado será dizer. Mas mesmo o apoio a Trump nos Estados Unidos, de uma forma muito peculiar, tem sido baseado na forma como este horrível bilionário reacionário tem sido bastante hábil na sua retórica, na sua demagogia, atacando o establishment, os “gatos gordos” em Washington. E não há dúvida de que ele acertou em cheio. Porque nos Estados Unidos – e é um fenómeno bastante profundo agora – como em todos os países, sem exceção, tem subjacente um estado de espírito, que não se pode subestimar: um clima de raiva ardente, de raiva contra a classe dominante, contra os ricos e poderosos, contra o establishment, contra os meios de comunicação mentirosos.  

E isso significa que, por vezes, haverá abertura aos argumentos dos demagogos se não houver alternativa. E Trump tem sido bastante hábil em se apresentar como essa alternativa, que não é, obviamente, alternativa alguma. 

É provável que ele seja levado ao poder na próxima eleição. E isso agravará todas as contradições da sociedade americana de cima para baixo. Também provavelmente será a última vez que ele será eleito. 

Vejam, as massas precisam passar por essa experiência para que seja exposta essa demagogia pelo que ela é: demagogia. E isso preparará o terreno para uma nova radicalização e um renascimento da luta de classes, que já começa na América. Esse é o ponto.  

Nos últimos dois anos, houve muitas greves nos Estados Unidos. Recentemente, creio que houve um artigo no Financial Times que se referia ao inesperado renascimento do sindicalismo americano. Inesperado para alguns talvez, mas não inesperado para nós. 

E sim, aqui temos um ponto muito interessante. Quando questionados sobre como os americanos veem favoravelmente várias instituições, numa pesquisa de opinião, os sindicatos foram avaliados mais favoravelmente do que a CIA, o Supremo Tribunal, o FBI, o governo estadual e os média.  

E as instituições menos bem vistas foram as grandes corporações. A propósito, o mesmo artigo do Financial Times observa que os trabalhadores do setor automóvel nos Estados Unidos estão envolvidos numa guerra de classes. Este é o Financial Times. O recrudescimento das greves também se aplica ao Canadá. Lá, o número de greves no último ano foi o maior em 18 anos. 

Na Alemanha, assistimos a uma greve ferroviária muito importante, que causou alarme entre setores da classe dominante. Vejo que até museus e outros lugares análogos foram afetados. Cito as palavras muito interessantes de Carsten Nickel, vice-diretor de uma empresa chamada Teneo: “parece cada vez mais uma greve geral“. Isso é na Alemanha. 

E acrescenta: “não temos uma greve geral na Alemanha desde 1906“, e sublinha ainda, e passo a citar: “o ministro da Economia escapou por pouco ao que podemos chamar de altercações físicas com uma multidão enfurecida de manifestantes no fim de semana passado“. E acrescenta: “foram cenas que nunca vimos na Alemanha“. 

É o mesmo fenômeno. Na Grã-Bretanha, houve uma onda de greves, das quais demos detalhes em outros lugares.  

Os enfermeiros, por exemplo, nem sequer têm um sindicato adequado. Existe uma organização chamada Royal College of Nurses, se é que se pode acreditar nisso. E esta organização convocou uma greve pela primeira vez em mais de 100 anos. Mas não se trata de recolher estatísticas de greve. 

Estes números não transmitem realmente a profundidade do sentimento que existe na sociedade. Tudo o que afirmei reflete-se no início, pelo menos, de uma profunda mudança de consciência. 

Até mesmo alguns representantes da classe dominante estão começando a entender isso. Por exemplo, no Daily Telegraph, que é um jornal conservador muito reacionário na Grã-Bretanha, David Frost (um destacado líder do Partido Conservador), escreveu um artigo muito interessante. Que conclusão tira? Vou lhes dizer, está contido no título do artigo. Prestem atenção a isto: “O público britânico está com vontade duma revolução“. É isso o que este conservador tem a dizer.  

Explica o colapso da confiança, o desinteresse, e em relação às eleições que se vão realizar em breve e que vão aniquilar os tories, diz – de forma bastante percetível: “a verdade é que a maioria dos eleitores quase não presta atenção à política. Para além de alguns dias em torno das eleições“, acrescentando: “Não os culpo“. 

É absolutamente racional e razoável fazer isso. Ele tira uma conclusão muito profunda: essa suposta apatia não é apatia nenhuma. 

Isso acontece porque as pessoas se desligaram do jogo parlamentar. E aqui está a “punchline”, aqui está a sua conclusão decisiva: isto não é apatia, é uma perda total de confiança no sistema. 

E isto vem de um inimigo. Recentemente, em Davos, na Suíça, um grupo de bilionários enviou uma carta intitulada “Orgulho de pagar“, na qual diziam estar dispostos a pagar mais impostos.  

Isto não é reflexo de qualquer generosidade da sua parte, mas de um medo crescente das consequências sociais e políticas da extrema desigualdade na sociedade. 

Nos Estados Unidos, as pessoas foram questionadas numa pesquisa: “como você classificaria a maneira como o capitalismo está funcionando nos Estados Unidos hoje?” 7% disseram “excelente”; 14% disseram “muito bom”, 29% disseram “um pouco bom”, mas depois 10% disseram “um pouco mal”, 5% disseram “muito mal” e 10% disseram “terrível”. 

Isso significa que 25% disseram que ou era um pouco mal, muito mal ou terrível. Isso, por si só, indica o início da mudança.  

E na Grã-Bretanha, é ainda mais claro. Perguntaram-lhes: “quais são as palavras que associa mais estreitamente ao capitalismo?” A palavra acima de tudo é “ganância”, com 73%; depois “Pressão constante para alcançar resultados”, 70 por cento; “corrupção”, 69%. 42% dos entrevistados concordaram com a expressão de que o capitalismo é dominado pelos ricos e que eles definem a agenda política. Estas são apenas algumas sondagens isoladas. 

Há outras indicações. Nos Estados Unidos, por exemplo, o Partido Comunista, o CPUSA afirma ter recrutado 8.000 jovens nos últimos dois anos. Qual é a razão para isso? Bem, muitas pessoas agora, especialmente os jovens, estão alienados do establishment político existente e estão procurando uma alternativa, uma alternativa revolucionária. 

Se olharmos para o último período, desde a crise de 2008, as coisas não têm sido estáticas. A primeira expressão foi um vaivém na direção daquilo a que se pode chamar “reformistas de esquerda”. Eles não eram muito de esquerda, mas vamos enfim. 

Tivemos o Syriza na Grécia, o Podemos em Espanha, Bernie Sanders nos Estados Unidos e Jeremy Corbyn no Reino Unido. Já explicamos muitas vezes as limitações dos reformistas de esquerda. Em todos os casos, suscitaram enormes expectativas, enormes esperanças, apenas para que fossem frustradas em todos os casos. Os reformistas de esquerda sempre capitularam na hora da verdade. 

Mas agora há um vácuo. A velha esquerda está, naturalmente, completamente desmoralizada. 99 por cento deles estão terminados. Não devemos perder tempo com estas pessoas. Não tenham esperanças neles: eles estão desesperados, eles não têm esperanças em si mesmos. 

Eu já fiz a seguinte comparação antes. Todos sabem que eu não sou inglês. Sou galês e orgulho-me disso. Galês de nascimento, de sentimento, e internacionalista proletário de convicção. 

E eu nasci às margens do Oceano Atlântico, na verdade, numa cidade chamada Swansea, que costumava ser uma cidade agradável naquela época. E da janela do meu quarto eu podia ouvir os apitos de nevoeiro dos navios com vista para uma bela baía. Há muitas baías nessa área, belas baías, com quilômetros de areia. 

E se vocês caminhassem ao longo dessas vastas extensões de areia, e quando a maré baixava, veriam todo o tipo de criaturas na praia. Peixes mortos e moribundos. Conchas vazias, cascas. Mas, claro, o mar saía e o mar voltava a entrar. E quando o mar entrava de novo, deixava de lado toda essa porcaria. Todo este lixo seria varrido para um lado. E o oceano voltaria a respirar com oxigénio fresco, com nova vida.  

Estou descrevendo a luta de classes. Vocês veem todo o lixo que resta das revoluções derrotadas do passado: peixe morto e moribundo. Mas a luta de classes não é determinada por peixes mortos. E estamos agora a assistir à viragem da maré, camaradas. É isso que estamos testemunhando. 

Falo por mim, falo pelo Rob e outros camaradas, quando digo: vivemos muito, bom, mau e indiferente. E durante muito tempo, esta organização lutou contra o fluxo. É muito difícil lutar contra o fluxo. Mas agora, a maré da história virou definitivamente a nosso favor. E agora, finalmente, estamos nadando na direção certa com a maré, com a maré da história. Quanto aos peixes mortos, deixem-nos afundar. Vão-se afundar. 

Cada um deles afundará sem deixar vestígios. Porque lhes faltam as ideias, perspetivas, táticas e estratégias necessárias, que só nós possuímos. 

E enquanto digo isso, não sou de me gabar. Isso está fora de lugar. Não deve ter lugar na nossa organização. Ainda somos uma força relativamente pequena. Embora estejamos avançando rapidamente, devemos ter um senso de proporção. As tarefas que temos diante de nós são imensas. Mas os acontecimentos estão a avançar rapidamente. É preciso compreender esse facto. As condições podem mudar: aviso-vos agora. 

Em todos os países, as condições podem mudar e a consciência pode mudar em 24 horas. 

Temos de estar preparados. E como nos preparamos? Bem, é muito simples. No passado, vocês tinha que lutar para persuadir as pessoas quanto à correção das ideias comunistas e marxistas. 

Já não. Em todos os países é um facto, um facto empiricamente verificável. Eu não inventei: milhares, dezenas de milhares, centenas de milhares, provavelmente milhões de jovens já estão tirando as conclusões corretas. 

Eles já aceitaram a ideia do comunismo. Desejam o comunismo. Para essas pessoas, nem mesmo o “socialismo” soa bem. De alguma forma, soa fraco. Parece relacionado ao reformismo. Não cabe na conta. Não responde ao que eles sentem em suas entranhas, em seus corações, em suas almas. 

Vocês me dirão: “bem, esses jovens são muito verdes. Eles não estudaram. Eles não sabem. Eles não são propriamente marxistas.” Isso não é correto. São marxistas muito próprios. São verdadeiros comunistas. Vocês sabe, eu sou comunista desde criança, e Rob também, somos de uma família comunista, da classe trabalhadora. 

Eu era comunista antes de ler qualquer livro. Os livros são importantes. Eles são fundamentais. Sem esse conhecimento não somos nada. Somos trabalhadores não qualificados. Isso não é nada bom. 

No entanto, o comunismo real não vem dos livros. Vem da alma. Vem do seu instinto e da necessidade de lutar, de mudar as coisas. Estes miúdos chamam-se comunistas. Talvez nunca tenham lido o Manifesto Comunista. Mas são comunistas. Vocês não precisam convencer esses jovens. Procuram-nos. Temos de os encontrar. Temos de estabelecer contatos onde quer que estejam. 

Eu próprio estou impressionado – nem sempre é fácil impressionar as pessoas – mas eu próprio estou impressionado com os relatos maravilhosos que recebo. Não apenas da Grã-Bretanha, o que é fantástico. Os camaradas da Grã-Bretanha mudaram o nome do jornal. Chama-se O Comunista e saiu à rua na quinta-feira. Como tem sido a resposta? Maravilhosa. Maravilhosa. Eu diria incrível, mas não acho incrível. Parece-me perfeitamente credível. 

As pessoas vêm ter connosco porque nos procuram. Procuram a bandeira do comunismo. Elas não estão interessados no resto. Este período, camaradas, é feito para nós. É feito para este Internacional. 

Não há desculpa agora, não há desculpa nenhuma, nenhuma para não construir enormemente. Não apenas um crescimento marginal – não, não, não, não – um grande aumento. O dobro da adesão. Pelo amor de Deus, é possível. Não comecem por tentar identificar dificuldades. Não é difícil. As dificuldades estão na sua cabeça e não na situação objetiva. O que temos de fazer é chegar a esta enorme camada. 

O que disse Heráclito? “Um homem que vai em busca de ouro deve desenterrar muita sujeira e encontrar um pouco“. É assim há muitos anos. Mas hoje, para corrigir Heráclito, não precisamos desenterrar muita sujeira. Esqueçam os detritos. Há um rico veio de ouro à espera de ser descoberto, e temos de o descobrir. Está lá, não vai demorar muito. 

Tudo o que vocês precisam fazer é proclamar o comunismo, pegar numa faixa, levar um jornal, se possível, e o ouro virá até vocês. Eles virão até vocês. 

Os problemas e as tarefas começam aí. Mas são novos problemas, novas tarefas, grandes tarefas: o tipo de tarefas que devemos acolher e aproveitar com as duas mãos. 

Esta reunião de liderança, camaradas, não deve ser como qualquer outra que já tivemos na nossa história. Não. Temos de nos basear nisso. 

Esta reunião não deve ser uma reunião ordinária de rotina, porque o período não é um período de rotina ordinária. O que vos apresento não está repleto de grandes dificuldades – nada do que disse deve assustar ninguém. 

Mas temos de aproveitar esta oportunidade. Esta campanha que lançámos – a campanha “És comunista?” – recebeu uma enorme resposta. E todos os nossos inimigos e rivais estão de boca aberta. Eles não conseguem entender. 

Essas seitas, essas seitas miseráveis, nunca entenderam nada sobre comunismo, Marx, Engels, Trotsky ou qualquer outra coisa. Nada. São inúteis. É por isso que estão todos em crise e a dividir-se. E desejamos-lhes sorte com as suas separações: prossigam em frente! 

Não nos interessa nada disso. A propósito, eles nos enviarão cartas em breve. “Podemos ter uma frente unida? Vai juntar-se a isto? Vai juntar-se ao outro?” Eles devem pensar que somos terríveis sectários. No que lhes diz respeito, somos sectários, sempre fomos sectários e seremos sempre sectários. 

Na década de 1960, mesmo assim, recebíamos cartas deles. Lembro-me sempre do que Ted costumava dizer: “Não responda. Coloque-as diretamente no cesto de papel.” 

Não nos interessa nada do que estes senhores e senhoras pensam, dizem ou fazem. Pelo contrário, somos a única organização que tem a responsabilidade de restabelecer o comunismo. Temos de nos virar para os partidos comunistas. Começamos a fazer isso no Brasil e em alguns outros lugares. É este o espaço que procuraremos agora ocupar. 

As tarefas que temos diante de nós são enormes. Apresentam-nos um desafio. Mas, vocês sabem, Rob e eu acabamos de produzir um livro sobre Lenin. Não estou pedindo que o leiam. Peço-lhes que estudem em detalhe. Vocês encontrarão a seguinte lição neste livro: nenhuma tarefa nunca foi grande demais para Lenin. 

Ocupar-nos-emos destas tarefas. Vamos resolver os problemas. E construiremos uma poderosa Internacional comunista, que será uma força séria, não apenas capaz de observar os acontecimentos e comentá-los, mas capaz de começar a tornar-se uma força real capaz e disposta a participar na luta de classes em desenvolvimento em todos os países. 

About Alan Woods

Check Also

Faltam 100 dias para a Communist World School! 

Anúncio do Programa  Dentro de 100 dias, a Tendência Marxista Internacional irá organizar A Escola …

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial