Ataque ao hospital em Gaza  

Levantemo-nos contra a campanha assassina de Israel! 

Artigo de Jorge Martín  

Londres, 18 de outubro 

Centenas de pessoas morreram no bombardeamento do Hospital Al-Ahli al-Arabi (Batista), no distrito de Al-Zeitoun, na Cidade de Gaza. O hospital não estava apenas cuidando dos seus próprios pacientes – muitos feridos em ataques aéreos israelenses – mas também estava abrigando milhares em busca de segurança contra o ataque do exército israelita. À medida que a notícia se espalhava, dezenas de milhares de manifestantes furiosos saíram imediatamente às ruas no Líbano, Jordânia, Turquia, Tunísia e Cisjordânia, atacando embaixadas israelitas e edifícios dos imperialistas norte-americanos e franceses. Uma cimeira entre líderes árabes e Biden na Jordânia foi, entretanto, cancelada. 

O Estado israelita foi rápido a negar qualquer responsabilidade, como sempre. Primeiro, culpou um rocket do Hamas defeituoso. Depois, mudou a sua narrativa para culpar a organização Jihad Islâmica Palestiniana. A máquina de propaganda israelita entrou em sobrecarga, fornecendo todo o tipo de “provas” para se distanciar do horrível massacre. Nós já estivemos aqui antes. De facto, este é o modus operandi a que o Estado israelita obedece quando tenta minimizar as consequências ao cometer ataques particularmente brutais contra os palestinianos. 

Histórias de mentiras 

Um exemplo relativamente recente: em maio de 2022, a jornalista palestino-americana Shireen Abu Akleh foi morta enquanto cobria um ataque do exército israelita ao campo de refugiados de Jenin, na Cisjordânia. Israel primeiro negou qualquer conhecimento ou envolvimento. Em seguida, alegaram que a jornalista havia sido morta a tiro por um militante palestino. Mas como isso não se encaixava nos fatos, então eles mudaram a sua história: Shireen havia sido morta num fogo-cruzado entre militantes palestinos e soldados israelitas, um “trágico acidente”. Mas não havia militantes palestinos na linha de fogo no momento em que ela foi morta. Finalmente, ficou provado sem margem para dúvidas que tinha sido morta por um franco-atirador israelita que a tinha deliberadamente atacado, apesar de estar a usar um casaco com o dizer “Press” bastante visível. Ninguém foi levado à justiça pelo seu assassinato. 

Para aumentar o insulto, no dia do seu funeral, as forças de segurança israelitas invadiram a casa da família da jornalista assassinada para apreender bandeiras palestinianas e impedi-las de serem hasteadas no funeral. Não contentes com isso, atacaram ainda o cortejo fúnebre. 

Temos outro exemplo recente, que tem paralelos ainda mais estreitos com o que aconteceu ontem. Em agosto de 2022, um ataque aéreo israelita atingiu o campo de refugiados de Jabaliya em Gaza, matando cinco crianças. A primeira reação do Estado israelita foi dizer… surpresa! que eles tinham sido mortos por um rocket defeituoso da Jihad Islâmica! Uma semana depois, foram forçados a admitir a verdade. Não houve lançamento de rockets da Jihad Islâmica na área. As cinco crianças palestinianas tinham sido mortas por um ataque da Força Aérea israelita. 

Para dar outro exemplo da história, em 1996, Israel atingiu deliberadamente um complexo da ONU em Qana, no Líbano, com um ataque com mísseis. O complexo da ONU abrigava civis dos ataques de Israel. Morreram 106 pessoas, 52 das quais crianças. Este foi o relatório de Robert Fisk

Desde Sabra e Chatila [quando a Falange Libanesa assassinou milhares de civis xiitas palestinianos e libaneses em 1982] não tinha visto inocentes massacrados assim. As mulheres, as crianças e os homens refugiados libaneses jaziam em montes, faltando-lhes as mãos, os braços ou as pernas, decapitados ou desencarnados. Havia bem mais de uma centena deles. Um bebé estava deitado sem cabeça. Os projéteis israelitas tinham-nos atravessado enquanto se encontravam no abrigo das Nações Unidas, acreditando que estavam seguros sob a proteção do mundo.” 

Primeiro, Israel alegou que tinha havido um erro de direcionamento. Em seguida, culpou o Hezbollah por “usar civis como escudos humanos”. Eventualmente, investigações abrangentes da ONU, da Amnistia Internacional e de jornais israelitas determinaram que o exército israelita tinha deliberadamente visado o complexo. 

A história israelita sobre o bombardeamento do hospital Al-Ahli al-Arabi está cheia de buracos. Logo após a publicação da história sobre o “mau funcionamento do foguete da Jihad Islâmica”, o jornalista freelancer Séamus Malekafzali apontou que um dos vídeos que os porta-vozes israelitas estavam usando para sustentar sua alegação de que o hospital estava sendo atingido, havia sido filmado entre meia hora e uma hora após o ataque ao hospital. Isso forçou as contas oficiais de Israel a excluírem ou a editarem os seus tweets de acordo com isso. Eles estavam mentindo e foram apanhados em flagrante. 

Imediatamente após o ataque, várias fontes oficiais e semioficiais israelitas ofereceram explicações completamente diferentes, em alguns casos reivindicando a responsabilidade pelo ataque e tentando justificá-lo. Hananya Naftali, um propagandista israelita que trabalhou como assessor de imprensa de Netanyahu, argumentou que o ataque do exército israelita tinha como alvo uma base do Hamas dentro do hospital. Foi então forçado a apagar a publicação e a apresentar “um pedido de desculpas”. 

Não foi o único a tentar justificar os ataques aéreos a hospitais com o argumento de que o Hamas os usa como bases militares. A vice-secretária de imprensa do Pentágono, Sabrina Singh, disse que o Hamas “está colocando suas unidades de comando e controle dentro dos hospitais“, uma afirmação completamente inventada. A BBC também havia publicado um artigo na véspera fazendo a enviesada pergunta: “O Hamas constrói túneis sob hospitais e escolas?” A emissora pública do Reino Unido justificou em seguida o bombardeamento de hospitais e escolas pelo Estado israelita. 

O que realmente sabemos é isto: Há 10 dias que o exército israelita bombardeia Gaza incansavelmente. Na verdade, já na primeira semana tinham usado mais bombas do que a força invasora dos EUA usada no Afeganistão em qualquer dos anos de ocupação. Esta é uma área densamente povoada, pelo que centenas de civis inocentes foram mortos, incluindo mais de 800 crianças na última contagem, suspeitando-se que muitos mais continuam sob os escombros. Não existe uma “campanha de precisão” nestes bombardeamentos. O objetivo é provocar o medo no coração de 2,3 milhões de pessoas. 

Até ontem, 17 hospitais e instalações de saúde tinham já sido atingidos por ataques aéreos israelitas. No mesmo dia do ataque mortal ao hospital, uma escola da Agência das Nações Unidas para os Refugiados no campo de refugiados de al-Maghazi, no centro de Gaza, tinha sido atingida por um ataque aéreo israelita, matando pelo menos seis, incluindo funcionários da UNRWA, ferindo dezenas e causando graves danos estruturais no edifício. A escola estava sendo usada como abrigo por palestinos deslocados por ataques aéreos israelenses, pensando que as FDI não atingiriam uma instalação da ONU, pois tem as coordenadas GPS de todas elas. Eles estavam errados, tragicamente errados.  

Assassínios em massa continuam 

Mesmo após o massacre no hospital, Israel continuou a atacar Gaza e a sua população com ataques aéreos. Nem uma pausa, nem mesmo uma trégua. Dois civis foram mortos no bombardeamento de uma padaria no campo de refugiados de Nuseirat, perto de Deir al-Balah. Qual é a lógica subjacente a esse objetivo? Israel já está a bloquear Gaza, pelo que nem alimentos nem mantimentos podem entrar. Destruir os meios para cozer pão forçará os habitantes de Gaza a saírem do norte da faixa, como lhes foi ordenado pelo Estado israelita. 

Ao início da manhã de hoje, 25 pessoas, homens, mulheres e crianças, morreram num ataque aéreo contra a casa da família Al-Astal. Muitos deles eram membros da mesma família, enquanto outros tinham sido deslocados de suas casas por ataques aéreos anteriores. 

Sabemos também que Israel ordenou que toda a população do norte de Gaza evacuasse para o sul e isso incluiu instruções específicas para evacuar hospitais. Sabemos, porque a Organização Mundial de Saúde nos disse: “O hospital era um dos 20 no norte da Faixa de Gaza que enfrentavam ordens de evacuação dos militares israelitas. A ordem de evacuação tem sido impossível de cumprir dada a atual insegurança, estado crítico de muitos pacientes e falta de ambulâncias, pessoal, capacidade de leitos do sistema de saúde e abrigo alternativo para os deslocados.” 

Não só isso, mas o hospital Al-Ahli al-Arabi já tinha sido atingido por um ataque aéreo israelita no sábado! De acordo com um comunicado do Serviço de Notícias Anglicano: “O Centro de Tratamento de Diagnóstico de Cancro do Hospital Árabe al-Ahli, em Gaza, foi atingido por um rocket israelita. Dois andares superiores do centro, que abriga as enfermarias de ultrassom e mamografia, foram severamente danificados.” 

Na manhã do ataque, o exército israelita emitiu um aviso específico aos habitantes do distrito de Al-Zeitoun, onde se situa o hospital. O chefe da operação dos média em língua árabe das Forças de Defesa Israelita, Avichay Adree, ameaçou: “Uma mensagem aos moradores do bairro de Zaytoun. Vocês sabem que o bairro está cheio de tocas do Hamas. Portanto, para preservar sua segurança e a segurança de suas famílias e entes queridos, dirija-se ao sul de Wadi Gaza.” 

Todas as provas circunstanciais apontam para a responsabilidade israelita por este horrível massacre. Esta é também a conclusão de Yolanda Álvarez, ex-correspondente no Médio Oriente da emissora nacional espanhola RTVE: 

Sobre o massacre no hospital Al Ahli, depois de ter coberto duas guerras em Gaza (2012 e 2014): só os ataques de Israel podem matar centenas de pessoas (com bombas de uma tonelada). Os foguetes do Hamas e da Jihad também matam, mas não têm essa capacidade. Quando o exército israelita lançou o seu primeiro ataque mortal a uma escola da UNRWA em 2014, em Beit Hanoun, Gaza, recebi um SMS do seu porta-voz a dizer: “Foi o Hamas”. A investigação independente da ONU mostrou que todos os ataques a escolas foram feitos por Israel.” 

Dois pesos e duas medidas 

É repugnante ver a hipocrisia e a duplicidade de critérios dos meios de comunicação social ocidentais e das potências imperialistas quando se trata de direitos humanos e do chamado direito internacional. Se é “o nosso lado” que está a cometer atrocidades, procuram sempre uma justificação (“o Hamas está a usar civis como escudos humanos”), ou exigem um exame forense exaustivo antes de determinarem culpas. Todo tipo de raciocínio é inventado e eles falam de “danos colaterais” para encobrir o fato nu e cru de que “nosso lado” está cometendo todos os tipos de brutalidades contra civis inocentes em busca de seus objetivos imperialistas. 

Quão diferente das histéricas denúncias de primeira página dos crimes de guerra e atrocidades russas, reais, inventadas ou grosseiramente exageradas, na Ucrânia! O contraste não poderia ser mais marcante. Antes, tratava-se de suavizar a opinião pública em apoio do “nosso lado”. Agora trata-se de moldar a opinião pública para apoiar também o “nosso lado”. 

A mais recente “narrativa” promovida pelos meios de comunicação ocidentais e pelo Estado de Israel é a seguinte: “Sim, estamos a matar civis, mas isso justifica-se. Não matámos muitos civis quando se tratava de derrotar os nazis?” Não há sequer uma tentativa de negar que civis inocentes estão sendo mortos por ataques aéreos, mas sim uma questão de procurar uma maneira de justificá-lo. 

Alguns em Israel nem sequer se preocupam em encontrar uma justificação. Culpam abertamente todo o povo de Gaza pelas ações do Hamas e defendem a punição coletiva. “É uma nação inteira que é responsável“, disse o presidente israelense Herzog. E para sublinhá-lo acrescentou: “Não é verdade esta retórica sobre os civis não estarem conscientes, não estarem envolvidos. Não é absolutamente verdade. Podiam ter-se insurgido. Poderiam ter lutado contra esse regime perverso que tomou Gaza num golpe de Estado.” 

As atrocidades israelitas, uma continuação de 70 anos de violência e opressão, não são apenas da responsabilidade do Estado israelita. Durante décadas, gozaram do pleno apoio do imperialismo ocidental e, em particular, dos EUA. Este apoio não vacilou nos últimos 10 dias de carnificina em Gaza. Todos os líderes imperialistas ocidentais se uniram publicamente para apoiar o chamado “direito de Israel de se defender”. O sangue das centenas de vítimas do hospital de Gaza também está nas suas mãos. 

Nos últimos dias, antes de uma ameaça de ofensiva terrestre em Gaza, que só multiplicará a carnificina, os líderes ocidentais fizeram fila para visitar Israel e enfatizar publicamente o apoio à sua campanha assassina: Scholz, Von der Leyen, Macron e agora Biden. Tanto a Alemanha como a França, numa demonstração de quão democráticas são, proibiram as manifestações de solidariedade palestiniana. 

As massas entrando em cena 

O massacre no hospital de Gaza provocou uma enorme onda de repulsa em todo o Médio Oriente e no mundo árabe. Milhares saíram às ruas de Beirute, Amã, Istambul, Tunes e outras capitais para atacar edifícios diplomáticos israelitas, mas também, com toda a razão, visando interesses norte-americanos e franceses. Na Turquia, dezenas de manifestantes dirigiram-se à base de radar da NATO de Kürecik, ocupada pelos EUA, e tentaram violar o seu perímetro. 

Em Hebron, Jenin, Ramallah e outras cidades e vilas da Cisjordânia, multidões enfurecidas gritaram “o povo quer a derrubada do presidente“, referindo-se ao presidente da Autoridade Palestina (AP), Abbas, que atua como um sicário de segurança local para o Estado israelita. As forças de segurança da AP entraram em confronto com manifestantes e abriram fogo, matando uma menina de 12 anos. 

O cenário está preparado para uma revolta regional contra o imperialismo israelita e ocidental. A ira das massas dirige-se também aos seus próprios governantes, que são justamente vistos como cúmplices, pelas suas ações ou falta delas. 

O clima é tal que o ministro jordano dos Negócios Estrangeiros anunciou o cancelamento da cimeira prevista entre Biden, Abbas, Jordânia e Arábia Saudita que se realizaria hoje. Nenhum desses líderes quer ser visto como próximo do imperialismo norte-americano por medo de ser derrubado pelo seu próprio povo. Mesmo os governos que já normalizaram as relações com Israel foram forçados a emitir fortes condenações, culpando Israel pelo bombardeamento. 

Por um lado, Biden e o imperialismo norte-americano pretendem que a visita sirva de demonstração de apoio a Israel, um aliado que não segue necessariamente as suas ordens. Por outro lado, estão a tentar forçar alguns gestos aos israelitas, a fim de conter o perigo de escalada regional do conflito. Na prática o governo dos EUA entende que o seu papel é i de de impedir que qualquer outro protagonista se envolva enquanto Israel massacra os palestinos. 

A situação já era complicada antes, uma vez que o Governo israelita, dominado por elementos de extrema-direita, não estava nem está disposto a permitir corredores humanitários de qualquer tipo, e está determinado a exercer represálias por parte dos palestinianos em Gaza como um todo. Depois do banho de sangue no hospital, toda a estratégia de Washington está em frangalhos. As massas no Médio Oriente e no mundo árabe estão a entrar em cena. 

Chegou o momento de intensificar a campanha contra a guerra assassina de Israel, contra o imperialismo ocidental e pela libertação nacional do povo palestiniano. A luta pelos direitos nacionais palestinianos exige uma revolta revolucionária em toda a região. A tarefa dos comunistas no Ocidente é mostrar a nossa solidariedade e apoio e preparar as condições para o derrube das nossas próprias classes dominantes, que são responsáveis e cúmplices do assassínio em massa que está a ser cometido. 

About Jorge Martín

Check Also

Parar o ataque a Rafah! Combater o imperialismo em casa! 

Declaração da Tendência Marxista Internacional  O ataque há muito planeado contra Rafah já começou. Na …

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial