O Estado britânico reprime a solidariedade para com a Palestina – Apoia a luta comunista! 

Publicado originalmente no Socialist Appeal 

Os camaradas do Socialist Appeal, a secção britânica da International Marxist Tendency (Tendência Marxista Internacional), têm sido alvo da polícia e do resto do establishment por desenvolverem uma campanha determinada de solidariedade com o povo palestiniano. Apelamos a que nos ajudem nesta luta. Intifada até à vitória! 

À medida que o movimento de apoio à Palestina cresce, a classe dominante britânica está a ficar cada vez mais ansiosa e desesperada. 

A ministra do Interior, Suella Braverman, denunciou publicamente os protestos em massa contra a guerra israelita em Gaza – incluindo a manifestação de meio milhão de pessoas no passado fim de semana em Londres – como “marchas de ódio”. 

Consequentemente, a ministra conservadora apelou à Polícia Metropolitana para adotar uma abordagem dura contra os manifestantes pró-Palestina. 

Insatisfeita com a resposta da Polícia Metropolitana após a sua carta inicial aos chefes de polícia, pedindo-lhes que “usassem toda a força da lei” contra os ativistas pelo “crime” de agitar bandeiras e entoar cânticos, Braverman exigiu uma maior repressão por parte da polícia. 

Seguindo a voz do seu mestre, o Comissário do Met, Sir Mark Rowley, afirmou que ele e os seus rapazes de azul farão “tudo o que for possível para retirar das ruas as pessoas perigosas que infringem a lei”. 

“Vamos continuar a fazer isso; vamos perseguir as pessoas; vamos procurar novas tácticas”, acrescentou Rowley. “É esse o nosso trabalho. 

Por outras palavras, como os marxistas têm sublinhado constantemente, o papel da polícia é reprimir aqueles que lutam contra a injustiça e a opressão, e proteger os interesses dos ricos e poderosos. 

Caça ao homem 

No âmbito das “novas táticas” da Met, a polícia está a visar ativistas específicos, utilizando as redes sociais para perseguir manifestantes proeminentes. 

Na quarta-feira desta semana (1 de novembro), a conta oficial da Met Police no Twitter divulgou fotografias de 11 pessoas de recentes manifestações na Palestina, todas acusadas de “alarme, assédio e angústia racialmente agravados”. Esta publicação foi acompanhada de um apelo ao público para que ajudasse a polícia a identificar estes indivíduos. 

Naturalmente, os meios de comunicação reacionários, como o Daily Mail e o GB News, desempenharam o seu papel, republicando estas fotografias granuladas como parte da sua campanha contínua contra os apoiantes da Palestina. 

E, nomeadamente, entre os procurados para interrogatório no âmbito da “Operação Brock” estavam três camaradas do Socialist Appeal. 

Intimidação 

Esta busca policial está a ser conduzida no contexto de uma enxurrada  de ataques contra os nossos camaradas , com as autoridades universitárias, os jornais de direita e as organizações sionistas a tentarem intimidar os activistas do Apelo Socialista por levantarem a palavra de ordem revolucionária: “Intifada até à vitória!” 

Os nossos adversários tentaram vilipendiar-nos e demonizar-nos; intimidar-nos e intimidar-nos; e difamar-nos e caluniar-nos. 

Acusaram-nos de “incitar à violência”, de sermos “antissemitas” e “simpatizantes do terrorismo”. 

E, acima de tudo, tentaram silenciar-nos – aos comunistas – por ousarmos dizer a verdade sobre a opressão do Estado israelita sobre o povo palestiniano e a cumplicidade da “nossa” classe dominante imperialista nesses crimes

As nossas sociedades marxistas foram encerradas. Os nossos camaradas foram ameaçados com ações disciplinares pelos seus empregadores. E a nossa organização tem sido alvo de artigos histéricos em jornais do establishment, como o The Telegraph, o The Jewish Chronicle e outros

Em todos estes casos, os nossos camaradas mantiveram-se firmes: lutando corajosamente pelo nosso programa, reivindicações e slogans; defendendo o direito de protesto e a liberdade de expressão; e mobilizando trabalhadores e estudantes em solidariedade com os nossos irmãos e irmãs palestinianos. 

Organizámos comícios locais. Apresentámos e aprovámos a nossa moção modelo nos sindicatos. E ontem, sob interrogatório numa esquadra da polícia de East London, os nossos camaradas responderam politicamente aos seus interrogadores. 

Além disso, viraram o jogo contra a polícia, acusando-a de lançar uma caça às bruxas política sem base legal. No final do interrogatório, os agentes pediram desculpa, com relutância, e retiraram as fotografias dos camaradas da sua lista de “procurados”. E também recebemos aconselhamento jurídico para apresentar queixas formais contra a Met por este ataque espúrio. 

Desafio 

Com um horror ainda maior à espera de civis inocentes em Gaza, e um movimento de massas ainda maior suscetível de irromper nas ruas da Grã-Bretanha em resposta, podemos esperar que a classe dominante aumente a sua repressão contra os apoiantes da Palestina. 

É evidente que o Estado britânico está a tentar intimidar o movimento e subjugar todos os que se solidarizam com a Palestina e contra o imperialismo. A esquerda e o movimento operário têm de resistir a estas pressões e organizar-se para defender os direitos democráticos. 

Aconteça o que acontecer, os comunistas da Tendência Marxista Internacional permanecerão desafiadores. Não nos deixaremos silenciar. 

Continuaremos a ser os lutadores de classe mais determinados. Continuaremos a lutar contra o imperialismo e a opressão. E continuaremos a gritar “Intifada até à vitória! 

Revolução 

Mas, para isso, precisamos da vossa ajuda. 

Em primeiro lugar, precisamos que apoie a imprensa dos trabalhadores – o jornal e as publicações do Socialist Appeal – e que nos ajude a divulgar as ideias que o establishment não quer que ouça. Por isso, subscrevam hoje mesmo

Em segundo lugar, precisamos de financiamento. A classe capitalista tem enormes recursos ao seu alcance quando se trata de atacar os trabalhadores. Precisamos do nosso próprio cofre de guerra, para travar quaisquer batalhas legais que surjam no nosso caminho; para continuar a produzir o nosso material político, incluindo cartazes, placards, panfletos e podcasts; e para construir o nosso aparelho de modo a expandir e fortalecer as nossas campanhas. Por isso, faça um donativo hoje

E, acima de tudo, precisamos de mais membros: quadros revolucionários que queiram criar uma Federação Socialista no Médio Oriente; organizar-se na luta para derrubar o capitalismo; e construir as forças do comunismo na Grã-Bretanha e não só. Por isso, junte-se a nós hoje

Só construindo uma organização revolucionária forte poderemos lutar contra os ataques da direita e a repressão do Estado britânico; derrubar os conservadores, derrubar o imperialismo e derrubar todos os belicistas; e conquistar a verdadeira liberdade para os trabalhadores e a juventude na Palestina, na Grã-Bretanha e em todo o mundo. 

About colectivomarxista

Check Also

Eurovisão: manifestações de massas face à hipocrisia imperialista 

Artigo de Karl Kjellin e Ylva Vinberg  O Festival Eurovisão da Canção arrancou a 7 …

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial