Estado espanhol: a direita limpa o tabuleiro, PSOE colapsa e Iglesias renuncia. Lições das eleições em Madrid

Este artigo foi publicado pelos nossos camaradas espanhóis a Tendência Marxista Internacional no seu site: http://luchadeclases.org/estado-espanol/61-analisis-politico/3799-la-derecha-barre-el-psoe-se-hunde-e-iglesias-dimite-lecciones-de-madrid.html

A esquerda sofreu uma dura derrota em Madrid. Se alguém foi apontado nos últimos anos pela reação como inimigo público número um do regime, foi Pablo Iglesias. Ele renunciou a todos os cargos políticos que ocupou sob essa pressão. A direita celebrará em grande estilo e a sua arrogância aumentará. As bases de esquerda devem aprender as lições de tudo isto. Como disse o filósofo Espinosa, nem rir nem lamentar, mas compreender.

O total de votos para a direita somou 57,4% (2.080.000) e para a esquerda 41% (1.486.000). O bloco de direita obteve 400.000 votos a mais do que nas eleições regionais de maio de 2019 e mais de 200.000 face às eleições legislativas de novembro de 2019. Ao longo do caminho, Ciudadanos (partido de centro moderado) desapareceu do cenário político. O bloco de esquerda perdeu 60.000 e 140.000 votos, em relação às duas eleições, respetivamente, apesar de a participação eleitoral ter sido maior na última eleição (3.650.000) do que nas duas anteriores (3.251.000 e 3.558.000, respetivamente).

Embora o Más Madrid – parte do Más País, uma divisão de direita de Podemos – (16,97%) e Unidas Podemos (7,21%) tenham melhorado os seus resultados, tanto em votos quanto em termos percentuais, (passando de 20,29% em 2019 para 24,18%) não foi suficiente para preencher a lacuna deixada pelo colapso do PSOE, que caiu de 27,31% para 16,85%.

Ao contrário das eleições regionais na Catalunha, no País Basco e na Galiza no ano passado, onde a pandemia COVID-19 resultou em abstenção (embora não tenha alterado substancialmente o resultado eleitoral esperado), aqui assistimos a uma elevada afluência de 75%. Sem dúvida, o gatilho para isso foi a decisão de Pablo Iglesias de participar das eleições, o que aumentou a polarização entre esquerda e direita e ajudou direita e extrema-direita a soar o alarme e mobilizar todos os cantos de sua base social, numa campanha suja de mentiras, calúnias e ameaças com o total apoio do regime.

Isso significou que o debate em torno da gestão desastrosa de Ayuso (a atual presidente da região) da pandemia foi quase totalmente enterrado. Porém, mesmo que Iglesias não tivesse participado, o resultado final não teria sido muito diferente, embora tivesse havido uma redução de 15 ou 20 pontos no comparecimento eleitoral. A fragilidade das candidaturas do PSOE (como se viu nestas eleições) e das Unidas Podemos (que arriscava nem mesmo conseguir um assento no parlamento regional) previa isso.

A esquerda venceu nas áreas com as mais antigas tradições de luta da classe trabalhadora, embora com percentagens mais baixas do que nas eleições anteriores ou com resultados muito justos em alguns casos. Foi o que aconteceu nos bairros de Lavapiés, Puente de Vallecas, Usera, Villa de Vallecas, Vicálvaro e Villaverde, na cidade de Madrid; e nas cidades de Coslada, Fuenlabrada, Getafe, Leganés, Parla, Rivas-Vaciamadrid e San Fernando de Henares fora dos limites da cidade.

Existem, sem dúvida, elementos estruturais que explicam em parte a força da direita em Madrid durante quase 30 anos.

Madrid é o centro do poder administrativo, económico, militar e judicial do país, com as suas legiões de altos funcionários e suas famílias, empregados, etc. É uma das áreas de rendimentos mais alta do país, atraindo uma grande classe média e um ambiente de trabalhadores do setor de serviços relativamente bem pagos com sua mentalidade pequeno-burguesa, bem como uma ampla camada de novos-ricos criada no calor de especulação imobiliária desde o início do século atual. Além disso, as lacunas deixadas nos escalões mais baixos da classe trabalhadora foram ocupadas por uma população imigrante de um milhão de pessoas (15,52% da população somente na cidade de Madrid), a grande maioria sem direitos políticos, constituindo 20% da trabalhadores. Este tipo de “apartheid” político e social, que deixa uma parte substancial da classe trabalhadora sem direitos políticos, facilita uma maioria de direita, como é o caso em outras áreas do país, como as áreas agrícolas de Andaluzia e Múrcia.

Durante todo este tempo, a esquerda só venceu por margens estreitas nas eleições regionais de maio de 2003 e, inesperadamente, nas eleições legislativas de 2004, após os ataques da Al Qaeda em Madrid. Também o fez em 2015, onde os parcos 4,16% que o Izquierda Unida (Esquerda Unida) alcançou na altura a impediram de entrar no parlamento, frustrando uma maioria parlamentar de esquerda.

Ou seja, somente em momentos de grandes convulsões sociais e políticas, como em 2004 e 2015, onde a direita estava altamente desacreditada, a esquerda poderia vencer ou chegar decididamente perto da vitória, arrastando para ela um setor das camadas médias.

Mas esses fatores por si só não explicam tudo.

Porque a direita venceu?

Como é possível que uma pessoa tão insubstancial, insensível e intelectualmente limitada como Ayuso pudesse alcançar um resultado como este?

Há várias razões. Conforme mencionado, o debate em torno de sua administração desastrosa permaneceu numa posição inferior nos tópicos do debate, como resultado das provocações do Vox [um partido de extrema-direita] em Vallecas, e no debate no rádio sobre Cadena SER, e as ameaças de morte subsequentes emitido contra Pablo Iglesias e ministros, bem como a funcionários socialistas.

A direita recorreu a todos os tipos de truques e calúnias na campanha eleitoral, levantando o espectro da violência como a melhor forma de mobilizar sua base social e questionando a veracidade das ameaças de morte.

O candidato do PSOE, Gabilondo, estabeleceu-se em uma confortável equidistância. Ele concordou com o direito de que “todas” as ocorrências de violência sejam denunciadas. Assim, quando o Vox tentou fazer campanha provocativamente em Vallecas e os residentes locais resistiram e foram posteriormente espancados de forma selvagem pela polícia, o candidato do PSOE não fez nada para desafiar o retrato feito pelos média dos residentes como “criminosos” e o Vox como “vítima”.

A resposta de Iglesias, que insistia na dicotomia “Democracia vs. Fascismo”, não teve o impacto que esperava. Palavras vazias como “democracia” e “fascismo” não significam nada em si para as pessoas comuns, elas devem ser preenchidas com conteúdo de classe. Em primeiro lugar, foi incorreto falar do perigo do “fascismo”, exagerando a força da Vox, e alegando que isso levaria a um movimento de massas voltado para esmagar o movimento operário, para o qual as forças sociais, atualmente, não existem.

Em geral, as pessoas são céticas em relação à “democracia” e suas leis. Não é devido à “democracia” que as empresas estão a fechar, que há desemprego, que os aluguéis e as contas de luz continuam a subir e a atual pandemia COVID-19 está sendo administrada de forma criminosa? Em vez de clamar pela confiança na Constituição e na lei, como faz Iglesias, deveriam ser denunciadas as suas mentiras e hipocrisia, e a necessidade de colocar recursos nas mãos do povo, sob gestão democrática, para a solução dos grandes problemas sociais. Isto é o que deveria ser explicado.

A propósito, a classe trabalhadora não elegeu “democraticamente” o governo de coligação de esquerda do PSOE – UP há um ano e meio, para revogar a reforma trabalhista e a lei da mordaça, para reduzir as rendas, evitar aumentos abusivos nos preços da eletricidade, aumentam os impostos sobre os ricos, evitam que empresas lucrativas demitam trabalhadores e obriguem a Igreja a pagar impostos?

Nada disso aconteceu. No final, só confirmou a afirmação que Iglesias fazia quando estava na oposição: independentemente do governo no poder, as decisões fundamentais são tomadas pelos poderes económicos a partir de seus cargos. Ele e Unidas Podemos tiveram que “engolir” isso como o preço de sua participação no governo. Então, porque é que as famílias trabalhadoras deveriam confiar nessa “democracia”? É de se admirar que o cretinismo parlamentar de Iglesias tenha gerado indiferença de dezenas de milhares de famílias trabalhadoras?

Este também é o caso da administração deste Governo. Iglesias e a Ministra do Trabalho, Yolanda Díaz, consideram o ERTES a oitava maravilha do mundo. Na verdade, representa uma redução de 30% nos salários dos trabalhadores atingidos. Para piorar as coisas, entre as propostas que o Governo fez à União Europeia para equacionar o déficit público devido à enorme dívida acumulada, em troca do recebimento dos € 140 mil milhões prometidos haverá: um possível aumento da idade para a reforma; a cobrança de portagens de uso nas autoestradas; e, como se soube na véspera da eleição, quando não deveria ocorrer campanha, a eliminação das deduções fiscais nas declarações de impostos sobre rendimentos para uniões de facto ou casais. A direita não podia esperar um presente melhor às vésperas das eleições para agitar demagogicamente contra o governo “social-comunista”.

Embora nem o PSOE nem o UP tenham oferecido uma alternativa para a dramática situação social que se desenvolveu, Ayuso teve facilidade com seus discursos demagógicos a favor da “abertura da economia”. Para dezenas de milhares de trabalhadores politicamente passivos, precários e do setor de serviços, sem falar nos milhares de pequenos bares, lojistas e donos de negócios, essa era pelo menos uma proposição concreta que lhes dava alguma certeza. A pequena burguesia, os pequenos proprietários e os trabalhadores desesperados, em tempos de crise e incerteza como o presente, estão dispostos a acreditar nos poderes milagrosos de personagens como Ayuso. Garantimos que ficarão desapontados.

Vemos aqui como a gestão da crise do capitalismo, com suas políticas mal elaboradas, de não tocar os interesses dos ricos, de acalmar as expectativas, de deixar de resolver os problemas sociais e de fazer com que as famílias trabalhadoras paguem pela crise, sempre abrem caminho para o retorno da direita ao governo.

Em tudo isso, o que aconteceu com Alberto Garzón, a figura de proa da IU [Izquierda Unida, “Esquerda Unida”]? Ele quase não falou em um único comício. Ele nem tem uma agenda ativa dentro do governo. Ele também não pode escapar da responsabilidade pelo resultado desta eleição.

E o que podemos dizer sobre o PSOE? Para começar, apresentaram um candidato enfadonho como Gabilondo, imposto pelo aparelho, incapaz de transmitir qualquer emoção, e ausente de qualquer oposição à direita durante seis anos. Primeiro sob o disfarce de Cristina Cifuentes e depois de Ayuso. Era claramente uma aposta perdida.

Em seus cálculos eleitorais oportunistas, a direção socialista optou por piscar para a base social da direita, declarando que não formaria um bloco com Pablo Iglesias e que não aumentaria os impostos dos ricos. Isso deixou a esquerda perplexa e desorientada assim que a campanha começou. Para uma cópia deplorável de direita, já existia a original de Ayuso. A tentativa desesperada de tentar alinhar Gabilondo com a esquerda, somando-se às denúncias de “fascismo” veio mal e tarde.

Na realidade, a liderança socialista nunca acreditou na vitória. Tem sido escandaloso que Sánchez, para evitar ser identificado com um Gabilondo derrotado, o tenha abandonado efetivamente e só participado esporadicamente da campanha eleitoral, quando a sua tarefa teria sido tentar galvanizar sua base social como figura dirigente do partido. Seu comportamento não o salvará de ser desacreditado.

A candidata da Más Madrid, Mónica García, foi a que menos sofreu. É verdade que ela representava uma entidade já conhecida e consolidada, embora ainda fosse vista como nova. Melhorou em votos e em termos percentuais em relação às eleições regionais de 2019 e conseguiu ultrapassar o PSOE, que obteve o pior resultado da sua história em Madrid. Aparecer como uma figura nova, independente do passado certamente a beneficiou, assim como ter tido um papel muito mais proeminente na oposição a Ayuso nos meses anteriores às eleições do que Gabilondo.

Por ser médica de profissão, ela poderia aparecer como alguém próxima às pessoas na rua. Mas desenganem-se, o Más Madrid, assim como o Más País, com seu líder, Íñigo Errejón, está à direita do Unidas Podemos. Não se envolve nas questões “espinhosas” (a monarquia, a Catalunha, a dívida, os bancos), e os média têm preferido elevar seu perfil e tratá-los com simpatia contra Unidas Podemos e Pablo Iglesias, que consideram muito mais perigoso e um forte inimigo. O Más Madrid também se beneficiou por estar na oposição tanto em Madrid quanto no nível do Governo central.

Unidas Podemos: de fracasso em fracasso

O que aconteceu na Catalunha, na Galiza e no País Basco repetiu-se em Madrid. Há cinco anos, Unidas Podemos teve o seu maior sucesso nessas regiões. Na Catalunha e no País Basco, foi a força política mais votada. Na Galiza e em Madrid, foi a força mais votada na esquerda, ultrapassando o PSOE. Agora, foi relegado para o 4º ou 5º lugar em todas estas comunidades, com cerca de 7% –10%, ou então desapareceu por completo como é o caso da Galiza. Sem exceção, foi ultrapassado por forças de esquerda que parecem mais radicais (Bildu, BNG) ou pelo menos mais frescas e novas (Más Madrid).

Isso não é de forma alguma fortuito. De ter se apresentado como desafiante ao regime de 78, e ter denunciado o aparato PSOE como parte dele, propondo-se a destituí-lo, a UP passou a bajular o PSOE e a se considerar uma força subordinada a ele, rastejando diante do PSOE; implorando por um lugar em seu Governo, ignorando o seu programa e qualquer ação de protesto na rua.

Para Iglesias, esse foi o auge da tática e da sabedoria na política. No final, tornou-se o seu túmulo político. Unidas Podemos agora é visto como parte do regime – como sua ala esquerda, mas ainda assim uma parte dele, com sua reivindicação fastidiosa e doentia da Constituição, da lei e da ordem. Para uma má cópia do reformismo social-democrata, já existe o PSOE. Como parte do Governo, exigiu a revogação da reforma trabalhista, a redução das rendas, assim como a redução das tarifas de energia elétrica. Mas recusou-se a mobilizar-se de forma independente na rua para não tratar seu parceiro maioritário no Governo de forma “injusta”. Desse modo, sua impotência no Governo foi bastante pronunciada. Nem pode mudar a política imposta pelo PSOE, nem pode se mobilizar contra ela. O ceticismo gerado por sua política traduz-se numa crescente perda de apoio eleitoral.

O fracasso do cretinismo parlamentar

O que falhou em Madrid foi uma política de cretinismo parlamentar, com Unidas Podemos obedientemente atrás do aparato PSOE, que, por sua vez, obedientemente segue atrás das grandes empresas. Como explicamos anteriormente, uma grande oportunidade foi perdida no outono passado, quando os bairros operários do sul de Madrid se rebelaram contra a política de confinamento caótico e classista de Ayuso, que estava totalmente desacreditado na época. Mas os líderes do PSOE-UP e dos sindicatos, CCOO e UGT, recusaram-se a convocar uma greve geral na comunidade de Madrid. Foi o momento de o movimento operário assumir a liderança com grande demonstração de força, mostrando uma saída que teria o potencial de separar um setor considerável da classe média da direita. Isso teria precipitado chamadas para eleições antecipadas com a maior possibilidade de uma vitória da esquerda.

O poderoso movimento de bairro em Madrid, onde IU e PSOE têm influência, não apareceu em cena desde o outono.

Outra oportunidade foi perdida na semana anterior às eleições, quando Iglesias, Ministros e funcionários socialistas receberam cartas ameaçadoras que, sem dúvida, tiveram impacto na opinião pública. O PSOE e a UP deveriam ter convocado imediatamente uma manifestação de massas em Madrid para rejeitar as ameaças, sacudindo seus preconceitos e temores de estar no meio de uma campanha eleitoral. A direita não pára nesse absurdo. Na verdade, atrai a pequena burguesia porque não duvida, não especula, sempre oferece uma direção firme e clara. É o que sempre faltou à esquerda reformista.

Tal manifestação sem dúvida teria sido um sucesso, criando um clima de simpatia pela esquerda, expondo as bases sujas de apoio da direita. Infelizmente, a oportunidade foi perdida e a direita e o aparelho de Estado puderam manobrar para minimizar o assunto, incluindo o surgimento de uma carta, nunca suficientemente esclarecida, que ameaçava Ayuso e que provavelmente foi fabricada pela polícia para a “vitimar” e contrariar a simpatia espontânea despertada numa parte da população para com Iglesias e Grande-Marlaska (Ministro do Interior do PSOE).

Por tudo isto, não é fácil avaliar o impacto que teve a realização das eleições em dia útil, embora pareça que não foi um fator determinante.

A renúncia de Pablo Iglesias

Embora a decisão de Pablo Iglesias de deixar o governo e concorrer como candidato do Unidas Podemos tenha sido fundamental para o dinamismo e drama da campanha, no final não surtiu o efeito desejado. A direita usou para levar a histeria de sua base social ao extremo e, na campanha suja que desenvolveu, introduziu uma perspetiva de caos caso a esquerda vencesse. O que ficou claro é que Iglesias superestimou sua influência sobre a classe trabalhadora madrilena e um segmento da classe média. Fatalmente, ele perdeu a atração irresistível que tinha anos atrás. Ele pagou o preço por seus ziguezagues contínuos, à esquerda e à direita. O efeito dramático não pode substituir uma política e um programa claros. Faltava-lhe confiança na classe trabalhadora, ao passo que sua predileção pelas abundantes táticas de manobras políticas que tanto implantava apanhava de surpresa a sua base social.

A participação da UP no governo central foi fatal, como já havíamos antecipado. Na oposição, sem vínculos políticos, poderia ter se mostrado útil, indicando uma direção, denunciando com bravura os meandros do sistema. As expectativas que Iglesias despertava de uma mudança radical nas condições de vida e na sociedade se esgotaram. Esta foi a razão de seu impacto extraordinário nas famílias trabalhadoras, sete anos atrás. Seu destino então foi selado.

É verdade que Iglesias sofreu perseguições e assédios criminosos ou implacáveis. O regime estava determinado a desgastar e destruir física e psicologicamente o homem que talvez fosse o líder mais capaz e eloquente da esquerda desde a transição da ditadura de Franco para a democracia burguesa em 1978. Mas, diante dos grandes negócios e de um implacável aparelho de Estado franquista, nem a eloquência nem a habilidade mais notável podem substituir as únicas ferramentas capazes de derrotá-los: as ideias e o programa do socialismo internacional e a fé na classe trabalhadora.

Na realidade, a política de Iglesias está a mil anos-luz distante do que uma verdadeira política marxista deveria ser. Ao invés de confiar na classe trabalhadora, ao invés de incutir neles a ideia de que sua emancipação é seu próprio trabalho, ao invés de encorajá-los a improvisar seus próprios corpos de poder, ao invés de abrir as portas do Podemos para verdadeiros lutadores de classe e ativistas em organizações sociais, ele estava ocupado – junto com Íñigo Errejón no início – em marginalizar todos os elementos independentes e de esquerda do movimento que escaparam de seu controle. A democracia interna foi amordaçada. Ele depôs os rivais e cada líder regional ou local (não importa quão grande ou pequeno) foi escolhido a dedo de acordo com seu consentimento ou argumento. Candidatos escolhidos a dedo por ele, como Carmena e Errejón, acabaram traindo o movimento. Agora, de novo, sem congresso, sem debate interno, sem programas, sem que a base tivesse nada a dizer, ele nomeou claramente seu “sucessor” da maneira mais “cacique” imaginável, a ministra do Trabalho, Yolanda Díaz, que politicamente está à sua direita.

A forma como Pablo Iglesias decidiu partir não poderia ter sido pior e só pode ter um efeito desmoralizante em milhares de militantes sindicais e de esquerda. Em vez de fazer uma avaliação crítica das suas ações, ele a abordou em termos pessoais: “Não quero polarizar as coisas”, “Não quero ser o bode expiatório da direita”, “Não quero polarizar as coisas”, “Não quero servir para reforçar a reação”, e assim por diante. O que fazer com tudo o que Iglesias disse? O problema é que ele foi muito esquerdista, que foi longe demais em sua oposição ao regime? A conclusão que muitos de seus apoiantes podem tirar das suas declarações é clara: devemos recorrer à moderação. Não  tocar em questões delicadas. Não incomode a Coroa. Integrar-se ao regime de forma mais aberta.

Iglesias está indo embora. Para seu mérito, foi o homem que fez mover milhões de operários, que semeou o pânico na burguesia deste país e que até ao último dia causou pesadelos ao apontar a ditadura exercida pelos banqueiros e os grandes empresários, e a corrupção da monarquia, e quem hasteava a bandeira da República. Não podemos saber se a saída de Iglesias da vanguarda da atividade política será definitiva ou apenas temporária. Mas a tarefa principal continua a ser a construção de uma tendência marxista de massas, democraticamente estruturada – não uma tendência baseada em um único indivíduo, mas no programa revolucionário do marxismo e na mobilização ativa da classe trabalhadora e de outros setores oprimidos.

Perspetivas

No curto prazo, a direita estará embriagada de imponência e arrogância. As conspirações do aparelho de Estado e a insolência dos patrões vão aumentar, acelerando assim a erosão e queda do Governo.

Sánchez e seus conselheiros provavelmente concluirão que foram longe demais para a esquerda; quando, na verdade, o oposto é verdadeiro. Eles aprofundarão a sua política de colaboração de classe e se voltarão para a direita. É difícil imaginar que os atuais Ministros do Unidas Podemos apresentarão o mesmo nível de resistência que Iglesias apresentou ao fracasso do PSOE em cumprir o acordo do Governo de coligação.

A exemplo do que aconteceu com Gaspar Llamazares ao substituir o “esquerdista” Anguita, tememos que a substituição do “esquerdista” Iglesias por Yolanda Díaz à frente da UP implique um deslocamento à direita e moderação nesta organização. Isso apenas escoará ainda mais seu apoio social e eleitoral.

Estamos num momento de transição. Na falta de um referencial político claro, as camadas mais ativas da classe, que desconfiam e odeiam a direita, só terão a opção de erguer novamente a bandeira da luta.

As eleições são apenas um mecanismo que, de tempos em tempos, mede o estado de espírito e a maturidade política das classes e camadas oprimidas num dado momento, sob condições específicas de tempo e lugar. Mas a luta de classes é dinâmica. Os eventos acontecem no dia a dia. Questões imprevistas têm forte impacto na consciência e trazem mudanças rápidas na perspetiva de todas as classes. Partidos e líderes surgem e desaparecem à medida que são colocados à prova. A raiva e a frustração continuam a se acumular, e as provocações e palhaçadas reacionárias da extrema-direita, que ainda não conseguiu se firmar nos bairros da classe trabalhadora, são capazes de desencadear uma reação furiosa da classe trabalhadora.

O que vimos em Madrid é uma aliança temporária e instável entre a pequena burguesia (pequenos proprietários, profissionais, etc.), e uma rica camada de trabalhadores e setores atrasados da classe trabalhadora, tentando abrir seu caminho no turbilhão desta crise colossal em que vivemos dispostos a acreditar em milagres sociais. Eles terão um despertar rude. E isso, mais cedo ou mais tarde, criará uma curva à esquerda entre todas essas camadas.

Mais importante ainda, milhares de jovens e trabalhadores puderam ver as limitações das políticas reformistas para resolver os problemas sociais. O interesse crescente por uma alternativa abrangente e revolucionária ao sistema se tornará cada vez mais aparente. A necessidade de uma corrente marxista revolucionária enraizada na classe trabalhadora e na juventude é mais urgente do que nunca! Não há tempo a perder!

Se concorda com a nossa perspetiva, junte-se a nós!