Turquia: a lógica do “mal menor” não foi capaz de derrotar Erdogan

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan. 29/03/2023 (Adem Altan/AFP)

por Roberto Sarti

A primeira volta das eleições presidenciais na Turquia não resultou num vencedor claro. O atual presidente Erdogan do AKP (com 49,3% dos votos) será forçado a ir a uma 2ª volta pela primeira vez. O seu rival será Kemal Kılıçdaroğlu do CHP, o Partido Popular Republicano. Esta eleição foi uma batalha difícil para o AKP, que governou a Turquia por 20 anos, mas ainda assim Erdogan não foi despojado do poder.

A recente crise económica atingiu duramente a população: a inflação ultrapassou os 80 por cento por ano (segundo as estatísticas oficiais) a lira turca tem estado em queda livre, enquanto as previsões de crescimento do PIB não ultrapassam os 3 por cento. Greves em massa, as maiores desde a década de 1970, abalaram o país entre o final de 2021 e 2022. Finalmente, houve o catastrófico terremoto de 6 de fevereiro, que causou mais de 50.000 mortes só na Turquia e deixou milhões de pessoas desabrigadas.

Esta catástrofe não foi um simples desastre natural. O governo Erdogan concedeu 12 amnistias de construção em 20 anos – a última em 2019 – o que resultou em construções de má qualidade que contribuíram para a escala de destruição. Um dos pilares do boom econômico turco é o setor de construção, e os magnatas da construção sempre apoiaram o AKP.

A raiva contra o governo aumentou nos últimos meses e se tornou outro fator no clima nacional, juntamente com a incerteza sobre a situação econômica. E, no entanto, isso não se traduziu na derrota de Erdogan nas urnas. De facto, a sua coligação eleitoral (a Aliança do Povo) obteve uma sólida maioria no parlamento, mesmo que o AKP perca cerca de 20 assentos.

Todos contra Erdogan?

Parece claro que a estratégia “todos contra Erdogan” falhou. Kılıçdaroğlu representou a “Aliança Nacional”, uma coligação composta por seis partidos. A maioria deles está longe de ser progressista: o “Good Party” (GP) é uma divisão do partido neofascista MHP, mas com uma linha mais pró-Ocidente. O Partido da Felicidade (SP) é um partido islâmico do qual o AKP se separou para adotar uma linha mais moderada.

O CHP é descrito como social-democrata pela imprensa burguesa. Na realidade, é o partido histórico kemalista (de Kemal Ataturk, o fundador da Turquia moderna) da burguesia. Kılıçdaroğlu durante a campanha eleitoral manifestou-se contra a corrupção e o alto custo de vida, os quais seriam combatidos com as clássicas “soluções” da burguesia. Por exemplo, Kılıçdaroğlu propôs “políticas monetárias ortodoxas” e “independência do banco central”. Isso traduz-se em: cortes nos gastos públicos para combater a inflação e o regresso da banca ao controle total da burguesia.

Em política externa, ele prometeu “respeitar os tratados internacionais dos quais a Turquia é signatária”. Ou seja: “no caso de minha vitória, estarei menos equidistante entre Washington e Moscovo” (recorde-se que Ancara tem o segundo maior exército da OTAN), limitando as ambições de poder regional da Turquia. E sobre a questão dos refugiados sírios (cerca de 3,6 milhões), o CHP diz que quer expulsá-los!

Para combater seus adversários, Erdogan não se deteve diante de nada. Ele usou o seu controle estatal sobre os média, a TV e as plataformas sociais de maneira inescrupulosa. Ele certamente estaria disposto a anular o resultado da eleição, como aconteceu nas eleições municipais de Istambul em 2019. Mas, por enquanto, não precisou.

Erdogan aumentou o salário mínimo em 55% para todos em janeiro e outros 45% para funcionários públicos uma semana antes da eleição. Ele também baixou as contas de gás e antecipou a idade de reforma, permitindo que dois milhões de trabalhadores se reformassem imediatamente. Ele já usou esse tipo de suborno antes, embora sem qualquer crescimento econômico correspondente: estes novos anúncios simplesmente aumentarão a inflação e a enorme pilha de dívidas da Turquia: na lógica de roubar a Pedro para pagar a Paulo…

Ele também usou a retórica antiamericana, muito popular na Turquia, acusando Biden de querer sua derrota, inclusive no comício final. É possível que haja alguma verdade nisso, conforme confirmado pelo New York Times:

“Funcionários e analistas americanos acreditam que uma mudança na liderança da Turquia pode apresentar uma chance para os dois países – que compartilham importantes interesses estratégicos – para redefinir seu relacionamento e potencialmente atrair a Turquia de volta para o Ocidente”.

Outra medida populista foi permitir que centenas de milhares de refugiados sírios e afegãos se registassem nas listas eleitorais. Dada a posição racista da oposição, não é difícil imaginar em quem terão votado…!

Os limites da Esquerda

O Partido Democrático do Povo (HDP), principal formação da esquerda curda, envolveu-se plenamente na estratégia “todos contra Erdogan”, pedindo formalmente o voto em Kılıçdaroğlu, apesar de ter sido excluído da coligação eleitoral, e apesar do facto de que o CHP havia apoiado antes todas as medidas repressivas tomadas por Erdogan!

No altar do mal menor, a direção do HDP sacrificou todos os seus princípios e apoiou um candidato kemalista, aquela corrente política nascida na base da negação de direitos às minorias nacionais!

Estamos certos de que, na tentativa de garantir o apoio de Ogan, um ultranacionalista próximo aos Lobos Cinzentos (5,2% no primeiro turno), Kılıçdaroğlu fará sua a “luta contra o terrorismo” (leia-se: os curdos) e não hesitará em distanciar-se do HDP. A gratidão não é uma virtude para a política burguesa.

Apesar da censura e da decisão de ser representado pelo YSP (Partido da Esquerda Verde), para evitar a exclusão da eleição, conforme ameaçava Erdogan, o HDP alcançou 8,71 e obteve 61 parlamentares, confirmando-se como a terceira força política. Outros quatro deputados foram para o Partido dos Trabalhadores da Turquia, de origem maoísta, que também apoiou Kılıçdaroğlu.

O resultado demonstra o potencial de uma força de esquerda no país, desde que cumpra uma agenda de classe, sem compromisso com as diferentes fações da burguesia.

Não é nossa tarefa prever quem vai ganhar a votação. No caso menos provável de Kılıçdaroğlu anular o resultado da primeira volta, ele ver-se-ia em minoria no parlamento, forçado a diluir ainda mais suas diferenças com Erdogan para governar.

Em vez disso, é nosso dever aprender todas as lições desta primeira volta eleitoral. Greves e mobilizações de massa fizeram Erdogan tremer entre 2021 e 2022. Os escândalos e a sua gestão do terremoto fizeram com que seu apoio desmoronasse nas urnas.

A oportunidade de se livrar do ‘Sultão’ foi desperdiçada devido a manobras eleitorais sem princípios. Erdogan não pode ser derrotado pelo menos mal. Somente a luta de classes pode acabar com Erdogan e as políticas podres do capitalismo turco.

Se o HDP estivesse armado com um programa de classe, ligando a luta diária por uma existência decente a um plano para a transformação socialista da sociedade turca, poderia abrir uma brecha nas divisões étnicas e religiosas entre os trabalhadores e a juventude e unir as massas exploradas. A IMT trabalha para construir esta alternativa revolucionária na Turquia e em todo o Oriente Médio.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*