Parar a Guerra, as sanções e a inflação!

Fonte: Frente Comum de Sindicatos da Administração Pública

O Coletivo Marxista saúda os trabalhadores da Função Pública em luta na greve convocada para 18 de Novembro. Não foram os baixos salários e pensões que fizeram disparar a inflação! E não devem ser os trabalhadores e pensionistas a pagar a crise!

A Inflação resulta das políticas irresponsáveis das classes dominantes que, durante anos, injetaram dinheiro no sistema para resgatar bancos, alimentar a especulação e manter os lucros dos grandes negócios. É resultado também das perturbações nas cadeias de produção e distribuição, fruto da má gestão da pandemia. Agora a espiral inflacionária foi brutalmente agravada com a invasão da Ucrânia e a guerra económica (sanções) entre o Ocidente e a Rússia.

Hoje com sempre os trabalhadores são chamados a morrer nas trincheiras e a pagar as aventuras militares das oligarquias. Por isso, hoje como sempre os marxistas opõem-se à guerra – fruto da crise do sistema, fruto das rivalidades imperialistas. Por isso, hoje como sempre, os trabalhadores têm-se de se unir, organizar e lutar pelos seus salários, pelos seus direitos e pelas suas vidas.

E não é possível mantermos salários, pensões e níveis de vida enquanto houver guerra e sanções; enquanto os capitalistas controlarem as grandes empresas de energia, os sectores estratégicos da economia e o sector financeiro que acumulam lucros exorbitantes com a crise e com a guerra.

Pelo fim das políticas de austeridade que têm delapidado os salários dos funcionários públicos nos últimos 20 anos!

Por aumentos de salários e pensões acima da inflação!

Pelo fim da guerra e das sanções!