Por que precisamos de uma internacional comunista? 

Artigo de Alan Woods 

Em junho, a Tendência Marxista Internacional lançará uma nova Internacional Comunista Revolucionária, para ostentar corajosamente a bandeira imaculada do comunismo em todos os continentes. Neste artigo, Alan Woods explica a importância histórica deste passo, traçando a ascensão e queda de Internacionais anteriores e mostrando a importância da ICR na luta pelo comunismo hoje. Registe-se agora para a nossa conferência fundadora! 

O comunismo é internacionalista, ou não é nada. Já no alvorecer do nosso movimento, nas páginas do Manifesto Comunista, Marx e Engels explicavam que os trabalhadores não têm país. 

Os fundadores do socialismo científico não estavam lutando para criar um partido alemão, mas um internacional. Lenine, Trotsky, Rosa Luxemburgo e Karl Liebknecht dedicaram suas vidas ao mesmo objetivo. 

O seu internacionalismo não foi um capricho, nem o resultado de considerações sentimentais. Derivou do fato de que o capitalismo se desenvolve como um sistema mundial. Das diferentes economias e mercados nacionais nasce um todo único, indivisível e interdependente – o mercado mundial. 

Hoje, esta previsão dos fundadores do marxismo foi brilhantemente demonstrada, de forma quase laboratorial. O domínio esmagador do mercado mundial é o facto mais decisivo da nossa época. 

Não há livro mais moderno do que o Manifesto de Marx e Engels. Explica a divisão da sociedade em classes; explica o fenómeno da globalização, as crises de sobreprodução, a natureza do Estado e as forças motrizes fundamentais do desenvolvimento histórico. 

No entanto, mesmo as ideias mais corretas não podem alcançar nada se não encontrarem uma expressão organizacional e prática. É por isso que os fundadores do socialismo científico sempre trabalharam incansavelmente para a criação de uma organização internacional da classe trabalhadora. 

Marx e Engels desempenharam um papel fundamental na formação da Associação Internacional dos Trabalhadores, conhecida hoje como a Primeira Internacional. No início, essa organização tinha uma composição muito heterogénea. Marx e Engels foram obrigados a lutar para estabelecer clareza ideológica. 

A batalha pelas ideias foi travada em duas frentes: por um lado, tiveram de combater as ideias reformistas dos dirigentes sindicais oportunistas. 

Por outro lado, foram obrigados a travar uma batalha constante contra as tendências anarquistas, ultra esquerdistas e sectárias. Hoje as coisas não mudaram muito. Os comunistas enfrentam exatamente os mesmos problemas e têm de lutar contra os mesmos adversários. Os nomes podem ter mudado, mas o conteúdo é exatamente o mesmo. 

Mas Marx e Engels não limitaram o seu trabalho à luta teórica. A Internacional não se distanciou dos problemas cotidianos da classe trabalhadora. Estava constantemente empenhada em trabalhos práticos no movimento operário. 

Ao contrário da apresentação mentirosa dos inimigos burgueses do comunismo, não havia absolutamente nada de autoritário nos métodos de Karl Marx. Pelo contrário, ao lidar com os trabalhadores com inclinações reformistas, mostrou imenso tacto e paciência. Escreveu a Engels: 

“Foi muito difícil enquadrar a coisa para que a nossa visão aparecesse de uma forma aceitável do ponto de vista atual do movimento operário. […] Levará tempo até que o movimento redespertado permita a velha ousadia do discurso. Será necessário ser fortiter in re, suaviter in modo [suave no modo e arrojado no conteúdo].” 

Este é um conselho muito bom para os comunistas de hoje que desejam realizar um trabalho sério nas organizações de massas da classe operária. 

O fim da Primeira Internacional 

O Internacional deu grandes passos em frente. Mas a derrota da Comuna de Paris em 1871 desferiu um golpe mortal na organização. A orgia reacionária que se seguiu impossibilitou o funcionamento na França, e em todos os lugares a Internacional foi perseguida. 

Mas a verdadeira razão das suas dificuldades encontra-se na ascensão do capitalismo à escala mundial que se seguiu à derrota da Comuna. Nessas condições, as pressões do capitalismo sobre o movimento operário resultaram em disputas internas e facciosismo. 

Alimentando-se da atmosfera geral de desilusão e desespero, as intrigas de Bakunin e seus seguidores se intensificaram. Por estas razões, Marx e Engels propuseram primeiro mudar a sede da Internacional para Nova Iorque e, finalmente, decidiram que seria melhor dissolver a Internacional, pelo menos por enquanto. A Associação Internacional dos Trabalhadores foi formalmente dissolvida em 1876. Durante algum tempo, não houve internacional. 

A Segunda Internacional 

A Primeira Internacional conseguiu lançar as bases teóricas para uma verdadeira internacional revolucionária. Mas nunca foi uma verdadeira internacional operária de massas. Era realmente uma antecipação do futuro. 

A Internacional Socialista (Segunda Internacional) foi lançada em 1889, e começou onde a Primeira Internacional tinha parado. Ao contrário da Primeira Internacional, tinha uma base de massas. Em suas fileiras estavam os partidos de massa e sindicatos na Alemanha, França, Grã-Bretanha, Bélgica e outros países. 

O período de 1871-1914 foi o período clássico da social-democracia. Pelo menos em palavras, baseava-se no marxismo revolucionário. No entanto, foi o azar da nova Internacional surgir durante um período de tremenda ascensão capitalista. 

Com base num longo período de crescimento económico, foi possível ao capitalismo fazer concessões à classe operária ou, mais corretamente, à sua camada superior. Gradualmente, uma aristocracia operária privilegiada tomou forma. 

Os dirigentes social-democratas convenceram-se de que era possível atingir os seus objetivos sem uma revolução. Eles passaram a acreditar que lentamente, pacificamente, gradualmente, por meio de reformas, os problemas da classe trabalhadora poderiam ser resolvidos. 

Eles contrastaram essa política “prática” com o que consideravam ser as teorias ultrapassadas do marxismo, embora continuassem a ecoar a linguagem da guerra de classes nos discursos do Primeiro de maio. 

Homens como o antigo discípulo de Marx, Eduard Bernstein, tentaram fornecer uma base teórica para este retrocesso, tentando um revisionismo do marxismo. 

Mas a base material para a degeneração nacional-reformista da Segunda Internacional (socialista) estava enraizada nas condições objetivas do capitalismo, que pareciam fornecer evidências de que os revisionistas estavam corretos. 

No entanto, todo o edifício do reformismo foi explodido em 1914, quando os líderes da Internacional votaram a favor dos créditos de guerra e apoiaram a “sua” burguesia na matança imperialista da Primeira Guerra Mundial. 

A guerra, e a Revolução Russa que dela decorreu, anunciavam o início de um novo e tempestuoso período de revolução e contrarrevolução. Foi nesta base material que nasceu uma nova internacional operária. 

A Internacional Comunista 

Já em 1914, Lenine chegou à conclusão de que a Segunda Internacional estava morta como órgão de mudança da sociedade. Ele proclamou a nova Terceira Internacional, embora naquela época o número de internacionalistas revolucionários fosse lamentavelmente pequeno. 

A tendência internacionalista estava isolada das massas, que estavam sob a influência dos líderes chauvinistas sociais e intoxicadas pelas fumaças do patriotismo. Grandes eventos foram necessários para mudar a situação. Isso ocorreu em 1917 com a eclosão da revolução na Rússia. 

Lenine e Trotsky conduziram a classe operária russa à conquista do poder e, em 1919, puderam declarar a fundação da Terceira Internacional (comunista). 

O Comintern, como ficou conhecido, estava em um nível qualitativamente mais alto do que seus dois antecessores. Tal como a Primeira Internacional, representava um claro programa revolucionário e internacionalista. Como a Segunda Internacional, tinha uma base de massa de milhões. 

Sob a liderança de Lenine e Trotsky, a Internacional Comunista manteve uma linha revolucionária correta. Parecia que o destino da revolução mundial estava em boas mãos. 

No entanto, o isolamento da Revolução Russa em condições de terrível atraso material e cultural refletiu-se na degeneração burocrática da Revolução. 

A fação burocrática liderada por Estaline ganhou vantagem, especialmente após a morte de Lenine em 1924. A ascensão do estalinismo na Rússia asfixiou o enorme potencial da Terceira Internacional. 

A degeneração estalinista da União Soviética fez estragos nas lideranças inexperientes e imaturas dos partidos comunistas no estrangeiro. 

“Socialismo num só país” 

Em 1928, Trotsky previu que a aceitação da “teoria” do socialismo num só país levaria inevitavelmente à degeneração nacionalista dos partidos comunistas. Essa previsão foi inteiramente validada pela história. 

Essa suposta teoria marcou uma rutura decisiva com o internacionalismo leninista. Era uma expressão da limitação nacional da visão da burocracia, que olhava para a Internacional Comunista apenas como um instrumento da política externa de Moscovo. Tendo usado o Comintern para seus próprios propósitos cínicos, Estaline dissolveu-o em 1943 sem sequer a pretensão de um congresso. 

Trotsky e a Oposição de Esquerda tentaram defender as impecáveis tradições de outubro contra a reação estalinista. Defendiam as tradições leninistas da democracia operária e do internacionalismo proletário. Mas eles estavam travando uma batalha perdida contra a poderosa maré da história. 

Em 1938, Trotsky proclamou a Quarta Internacional, oferecendo uma bandeira revolucionária limpa à nova geração. Mas esta seria destruída pelos erros de seus líderes após o assassinato de Trotsky. 

Sem a orientação de Trotsky, a Quarta Internacional acabou como um aborto. Décadas mais tarde, tudo o que resta dessa organização é uma miríade de cisões e grupos sectários, cada um mais bizarro do que o outro. 

Eles não conseguiram nada além de semear confusão sem fim e desacreditar a própria ideia de trotskismo aos olhos de muitos militantes da classe trabalhadora. 

Hoje, o que resta da Quarta Internacional são as ideias de seu fundador, Leon Trotsky, que conservam toda a sua relevância e importância. Estas ideias foram mantidas vivas pelo trabalho incansável do falecido camarada Ted Grant e são hoje representadas pela Tendência Marxista Internacional. 

Degeneração dos partidos comunistas 

Orgulhamo-nos da nossa herança ideológica. No entanto, temos de enfrentar os factos. Hoje, 150 anos após a fundação da Primeira Internacional, devido a uma combinação de circunstâncias objetivas e subjetivas, o movimento revolucionário foi repelido e as forças do marxismo genuíno reduzidas a uma pequena minoria. 

As razões para tal encontram-se principalmente na situação objetiva. Décadas de crescimento económico nos países capitalistas avançados deram origem a uma degeneração sem precedentes das organizações de massas da classe trabalhadora. Isso isolou a corrente revolucionária, que em toda parte foi reduzida a uma minoria de uma minoria. 

O colapso da União Soviética selou definitivamente a degeneração dos antigos dirigentes estalinistas, a maioria dos quais capitulou às pressões do capitalismo e passou abertamente para o campo do reformismo. 

Mas há um outro lado da moeda. A crise atual expõe o papel reacionário do capitalismo e coloca na ordem do dia o renascimento do comunismo internacional. 

A maré da história 

Durante décadas fomos obrigados a nadar contra a corrente. Mas agora a maré da história começou a virar. 

Por toda a parte, sob o verniz superficial da calma e da tranquilidade, há uma corrente fervilhante de raiva, indignação, descontentamento e, sobretudo, frustração perante o estado de coisas existente na sociedade e na política. 

Mesmo nos Estados Unidos, há um descontentamento generalizado e um questionamento do estado de coisas existente, que não estava presente antes. 

Todas as tentativas da burguesia de restabelecer o equilíbrio económico só servem para destruir o equilíbrio social e político. A burguesia encontra-se encurralada numa crise para a qual não tem solução. Essa é a chave para compreender a situação atual. 

A crise exprime-se na instabilidade em todas as esferas: económica, financeira, social, política, diplomática e militar. 

O futuro que este sistema oferece só pode ser de miséria, sofrimento, doença, guerras e morte sem fim para a raça humana. Nas palavras de Lenine: o capitalismo é um horror sem fim. 

É uma ironia da história que os dirigentes dos partidos operários de massas estejam agarrados ao capitalismo decrépito e ao mercado, mesmo quando estão a desmoronar-se diante dos nossos olhos. 

A única solução 

O problema central pode ser simplesmente enunciado. É um problema de liderança. Em 1938, Trotsky afirmou que a crise da humanidade pode ser reduzida à crise da liderança proletária. Isto resume completamente a situação atual. 

Sem uma base sólida na teoria marxista, a chamada esquerda capitulou e desistiu da luta pelo socialismo. Em seu lugar, há um vácuo gigantesco. Mas a ciência ensina-nos que a natureza abomina o vácuo. Isto confronta-nos com um desafio muito concreto. 

Os trabalhadores e a juventude desejam fervorosamente mudar a sociedade. Mas não encontram expressão organizada para os seus esforços. A cada passo, encontram o seu caminho bloqueado pelas velhas organizações e direções burocráticas que há muito abandonaram qualquer pretensão de defender o socialismo. 

Em todo o mundo, uma nova geração de lutadores de classe está rapidamente tomando forma com base na crise do capitalismo. Isto está a provocar uma profunda mudança de consciência, especialmente entre os jovens. 

As últimas sondagens da Grã-Bretanha, dos EUA, da Austrália e de outros países dão-nos uma indicação muito clara de que a ideia do comunismo está a propagar-se rapidamente. 

Estes jovens não precisam de ser convencidos. Já são comunistas. Mas não veem alternativa em nenhuma das organizações existentes. Pelo contrário, são repelidos por elas. 

Procuram uma bandeira limpa, uma organização que rompa radicalmente com o reformismo traiçoeiro de direita e o oportunismo cobarde de “esquerda”. 

O potencial para o comunismo é enorme. A nossa tarefa é tornar este potencial uma realidade. Mas como consegui-lo? 

Estamos perante uma contradição flagrante. Hoje as ideias de Marx são mais válidas e necessárias do que nunca. Mas as ideias, por si só, são insuficientes. 

Temos de tomar as medidas práticas necessárias para encontrar esta nova geração de comunistas e recrutá-los para a nossa bandeira. Isto significa necessariamente que temos de dar às ideias uma expressão concreta e organizacional. 

A necessidade de uma nova internacional não é uma decisão arbitrária. Também não é a expressão de qualquer desejo subjetivo ou pressa irrefletida. É algo que é claramente exigido por toda a situação. 

É o momento certo para um passo tão ousado? Para algumas pessoas, é claro, o momento nunca será certo. Encontrarão sempre mil razões pelas quais devemos adiar a tomada de uma decisão. Mas não podemos fazer um programa e uma política por hesitação e dúvida. 

Pode-se objetar que nossos números são muito pequenos para que possamos dar esse passo. Mas todos os movimentos revolucionários da história sempre começaram como uma minoria pequena e aparentemente insignificante. 

Em 1914, as forças à disposição de Lenine eram pateticamente pequenas. Mas isso não o impediu de proclamar a necessidade de uma nova internacional comunista. Havia muitas dúvidas, mesmo entre os seus próprios apoiantes, mas a história provou que ele tinha razão. 

É bem verdade que as nossas forças são muito reduzidas quando comparadas com a enorme tarefa que temos pela frente e não temos ilusões a esse respeito. Mas essa situação já começa a mudar significativamente. 

Temos um trabalho importante a fazer, e esse trabalho, que está a chegar a uma fase decisiva, já está a dar frutos importantes. Isso é claramente demonstrado pelo notável sucesso da campanha “És comunista?”

Estamos a crescer rapidamente em todo o lado. Não é por acaso. Estamos agora nadando com a corrente da história. Acima de tudo, temos as ideias certas. Essa é, em última análise, a única garantia de sucesso. 

O que se exige é um verdadeiro partido comunista, que se baseie nas ideias de Lenine e dos outros grandes pensadores marxistas, e uma Internacional nos moldes da Internacional Comunista durante os seus primeiros cinco anos. 

É essa a tarefa que nos propusemos. É uma tarefa absolutamente necessária e urgente que não admite atrasos. 

Desde os primórdios, nas condições mais difíceis imagináveis, a Tendência Marxista Internacional já construiu uma organização de milhares dos melhores trabalhadores e jovens em muitos países. 

Trata-se de uma grande conquista. Mas é apenas o começo. Chegou o momento de dar um passo decisivo: o lançamento da Internacional Comunista Revolucionária. 

Apelamos a todos os trabalhadores e jovens que concordam com este objetivo para que nos ajudem a alcançar o nosso objetivo final: a vitória do socialismo internacional. 

Contra o capitalismo e o imperialismo! 

Pela transformação socialista da sociedade! 

Junte-se a nós na luta pela revolução mundial! 

Trabalhadores do mundo, uni-vos! 

Londres, 11 de março 

About Alan Woods

Check Also

O Programa da Internacional

Ted Grant, Maio de 1970 Segue-se um magistral artigo de Ted Grant, onde foram expostos …

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial