A classe trabalhadora desapareceu? Facto e ficção 

Artigo de Fred Weston

Quando me levanto de manhã, calço os sapatos e ato os atacadores, muitas vezes interrogo-me: “quem fez estes sapatos?”. Da mesma forma, quando me sento à mesa para tomar o café da manhã, pergunto-me: “quem fez a mesa e quem trabalhou na quinta que produziu a aveia das minhas papas?”. Quando vou fazer o meu check-up anual no consultório médico local, interrogo-me: “a que classe pertence a enfermeira?”. Podes talvez perguntar-te por que me coloco estas questões. Bem, é porque somos constantemente bombardeados pela ideia, aparentemente desafiando a minha experiência, de que a classe trabalhadora já não existe mais; que foi dissolvida e que agora somos todos, na maioria, de “classe média”. 

Particularmente na sequência do colapso da União Soviética na década de 1990, tornou-se moda promover a ideia de que a luta de classes era uma coisa do passado e, até mesmo, que a classe trabalhadora já não existia mais. Muitos escritores continuaram a produzir artigos, livros, trabalhos de investigação e assim por diante, argumentando que a classe trabalhadora ou foi enormemente reduzida no seu peso na sociedade, tornando-se uma força irrelevante, ou deixou mesmo de existir completamente. 

Uma enxurrada de propaganda emanou do mundo acadêmico. Um exemplo disso foi um texto publicado em 1996 pelos escritores pós-modernistas Jan Pakulski e Malcolm Waters, The Death of Class (A Morte da Classe), no qual argumentavam que a classe é um fenómeno puramente histórico, e que uma perspectiva de classe hoje se tornou um empecilho para a compreensão da sociedade contemporânea. Afirmavam: “…as classes estão-se dissolvendo e as sociedades mais avançadas já não são mais sociedades de classes”. 

Não foi apenas o colapso da União Soviética que teve um impacto sobre os chamados “intelectuais”. A década de 1970 viu um movimento generalizado da classe trabalhadora em todo o mundo. Mas após o Maio de 1968 na França, o Outono Quente de 1969 na Itália e o enorme aumento das greves e movimentos revolucionários em todo o mundo capitalista, o movimento começou a diminuir no final da década de 1970, e na década de 1980 houve um declínio acentuado nas greves em todos os países. 

Os principais movimentos grevistas foram derrotados devido à falta de uma direção combativa. Na Grã-Bretanha, a greve dos mineiros de 1984-85, que foi um ponto de viragem fundamental, uma batalha poderosa por parte dos mineiros – com conotações insurreccionais – terminou em derrota. Batalhas semelhantes foram perdidas na Itália (FIAT em 1980), nos Estados Unidos (as medidas de interrupção da greve por Reagan contra a PATCO, os controladores de tráfego aéreo em 1981) e em muitos outros países. 

Isto levou a uma calmaria na luta de classes, à diminuição da filiação sindical em muitos países e a uma perda de confiança nos partidos reformistas e estalinistas que tinham sido responsáveis pelas derrotas da classe trabalhadora. Isto, por sua vez, teve um efeito sobre muitos académicos que anteriormente se inclinavam para a esquerda. Pakulski e Waters refletiram isso quando escreveram: 

“Com o declínio do compromisso com o marxismo, o colapso do comunismo soviético e a diminuição do apelo das ideologias socialistas no Ocidente, a Classe está perdendo o seu significado ideológico e a sua centralidade política. Tanto a direita quanto a esquerda estão abandonando a sua preocupação com as questões de classe. A direita está a voltar a sua atenção para a moralidade e a etnicidade, enquanto a esquerda crítica está cada vez mais preocupada com questões de gênero, ecologia, cidadania e direitos humanos. […] As divisões de classe estão perdendo o seu caráter evidente e generalizado. […] O radicalismo de classe já não é a moda do mês nos salões intelectuais e nos campos universitários. Tal como as miçangas e as boinas de Che Guevara, a Classe está fora de moda, especialmente entre os defensores da vanguarda pós-modernista e entre os praticantes das novas políticas centradas no gênero, na ecologia e no etnocentrismo.” 

Os partidos de massas tradicionais da classe trabalhadora, como o Partido Trabalhista na Grã-Bretanha, também foram afetados por tudo isto. Um grande número de pessoas abandonou estas organizações, ao mesmo tempo que a direita consolidava o seu domínio. A ascensão do blairismo foi uma consequência de tudo isto. E em linha com o pensamento de pessoas como Pakulski e Waters, John Prescott, antigo vice-primeiro-ministro no governo de Blair, declarou antes das eleições gerais de 1997 que “agora somos todos classe média”. Entrementes, Tony Blair declarou no seu discurso na conferência do Partido Trabalhista em 1999 que: “A guerra de classes acabou”. 

Nem todos os académicos, contudo, argumentam que a classe perdeu o seu significado. Os académicos Geoffrey Evans e James Tilley, por exemplo, argumentaram que os relatos da “morte de classe” na Grã-Bretanha são prematuros. Sobre a tendência de se desprezar a classe trabalhadora, eles escreveram: 

“A ascensão da classe média tem sido frequentemente vista como uma indicação do fim da divisão de classe e da importância política da classe. A redução das divisões entre as classes sociais é vista como uma consequência natural da desindustrialização, do aumento da riqueza, de uma maior prestação de bem-estar e do colapso das comunidades de classe tradicionais. No extremo, afirma-se que ‘o dinamismo do mercado de trabalho apoiado pelo Estado-providência dissolveu as classes sociais’ (Beck e Beck-Gernsheim 2002, p.203). Ficamos assim com uma estrutura social amorfa, desprovida de diferenças de classe: uma sociedade em que todos são de classe média ou não têm classe alguma.” (Geoffrey Evans e James Tilley, A Nova Política de Classe: A Exclusão Política da Classe Trabalhadora Britânica, OUP Oxford, 2017) 

No entanto, mesmo Evans e Tilley, ao defenderem a ideia de que a classe trabalhadora existe, apontam para a redução da sua dimensão e para o crescimento da chamada classe média. Mas só podem fazer isto colocando na classe média categorias que claramente se envolvem no trabalho assalariado e, portanto, pertencem à classe trabalhadora de um ponto de vista marxista. 

O que significa ser da classe trabalhadora? 

Grande parte da confusão decorre do que se define como “classe trabalhadora”. No mundo académico, muitos analisam os níveis de educação ou de rendimento para determinar a classe de alguém. Mas isto ignora a verdadeira essência do que significa ser da classe trabalhadora. Não se trata de que tipo de música que tu ouves, ou se tu lês este ou aquele tipo de romance, ou se tens salários mais altos ou mais baixos. Ser da classe trabalhadora, ou ser proletário, significa que, para ganhar a vida, tu tens de vender a tua capacidade de trabalhar para outra pessoa. 

Marx e Engels referiram-se à “classe dos trabalhadores assalariados modernos, que não tendo meios de produção próprios, são reduzidos a vender a sua força de trabalho para viver” (Manifesto Comunista). Os trabalhadores que trabalham em linhas de montagem em fábricas de automóveis, em minas de carvão ou sentados em escritórios trabalhando em computadores como contabilistas ou designers, todos vendem a sua força de trabalho. 

O que determina a tua posição de classe é se tu possuis ou não os meios de produção. Os proprietários são a pequena minoria de capitalistas e, por sua vez, pagam salários aos milhões de trabalhadores que são postos a trabalhar nos meios de produção, a fim de produzir lucro para os capitalistas. Se utilizarmos estes critérios, então, quando olharmos para as estatísticas reais a nível global – os factos persistentes – veremos que a classe trabalhadora não só existe, como também nunca foi maior, tanto em termos de números absolutos quanto em termos do seu peso relativo na sociedade. 

Países capitalistas avançados 

Quando os pensadores pós-modernistas de hoje se referem a uma redução do tamanho da classe trabalhadora, referem-se principalmente à classe trabalhadora industrial, ou seja, aos trabalhadores fabris dos países capitalistas avançados, e, a partir das estatísticas, deduzem que a classe trabalhadora não é mais a força que costumava ser. 

Aqui temos que salientar que a classe trabalhadora não é composta apenas por operários fabris. A mais-valia é produzida não apenas na fábrica, mas em todo o processo de produção. Assim, um programador de computador também contribui para os produtos finais produzidos para consumo. Um trabalhador dos transportes é essencial para o processo global, quer ele transporte matérias-primas de uma mina para serem processadas numa unidade de produção, quer transporte milhões de trabalhadores para os seus locais de trabalho todos os dias. 

Um zelador que trabalha para uma empresa que gerencia a limpeza de uma fábrica seria hoje classificado como prestador de serviços, apesar de realmente contribuir para o processo de produção industrial. Houve também uma subcontratação de muitos dos empregos que anteriormente eram considerados parte da indústria transformadora e agora são classificados como serviços, distorcendo as estatísticas. Como aponta The Manufacturer, por exemplo, na Grã-Bretanha: 

“Embora a contribuição da indústria transformadora para o PIB tenha diminuído no papel, muitos dos serviços prestados aos fabricantes que outrora teriam sido considerados parte da indústria transformadora – como a restauração; a limpeza; os serviços de construção; a segurança; a logística e assim por diante – são agora alocados em diferentes áreas da economia. 

“No entanto, essas contribuições dependem diretamente da indústria para a continuidade dos negócios e podem, na verdade, ser consideradas como parte do PIB da indústria. Como tal, muitos estão pedindo que o verdadeiro valor da indústria transformadora seja reconhecido, uma medida que faria com que o valor amplamente citado de 10% do VAB [Valor Acrescentado Bruto] mais do que duplicasse para 23%, o que teria um grande impacto nas estatísticas globais da indústria transformadora do Reino Unido.” 

Existem outros setores da classe trabalhadora que não participam diretamente no processo de produção industrial, mas que mesmo assim desempenham um papel fundamental. A esmagadora maioria dos empregos hoje exige algum nível de educação, a capacidade de ler instruções, por exemplo, ou de participar na formação. Isso requer professores que eduquem a próxima geração de trabalhadores. Quando os trabalhadores se lesionam ou adoecem, precisam ser “reparados” para depois serem recolocados no processo produtivo. Aquela enfermeira (a que me referi anteriormente) garante que eu esteja em condições de continuar trabalhando. 

Portanto, estas camadas também fazem parte da classe trabalhadora como um todo. Quer trabalhem num hospital, numa escola ou numa faculdade, eles também trabalham por um salário e não possuem os meios de produção. 

Os marxistas não argumentariam contra o facto de ter havido uma redução no número de trabalhadores industriais em muitas nações capitalistas avançadas. Na Grã-Bretanha, por exemplo, a indústria transformadora emprega hoje 2,7 milhões de pessoas, em comparação com o número de 8 milhões na década de 1970. Desde a década de 1980, no conjunto dos países capitalistas avançados, este número caiu de cerca de 195 milhões para 155 milhões (uma redução de cerca de 40 milhões), e é nisto que a maioria dos académicos se apoia quando pretendem retratar a imagem de um declínio da classe trabalhadora. Nisso, estão sendo muito desonestos em duas vertentes – como já explicamos acima. 

No entanto, a nível global, a classe trabalhadora industrial não só não diminuiu de tamanho, como também cresceu enormemente ao longo dos últimos 40 anos, como mostraremos mais adiante. 

O papel da produtividade do trabalho 

Um elemento importante que tem de ser entendido aqui é que a produtividade do trabalho na indústria aumentou enormemente desde a revolução industrial. Hoje, um número muito menor de trabalhadores industriais produz muito mais do que o enorme número de trabalhadores do passado. 

Por exemplo, desde meados do século 18 até à década de 1980, a produtividade de um único trabalhador têxtil aumentou 2 mil vezes, o que significa que um trabalhador hoje pode produzir uma quantidade de têxteis que teria exigido 2 mil trabalhadores dois séculos antes. No período mais recente, vemos como na década de 1979-89 a produtividade na indústria transformadora cresceu 4,7% ao ano, produzindo um aumento global de 50%. Isto significa que em muitas indústrias estão sendo produzidos os mesmos bens ou mais, apesar do número de trabalhadores empregados ser menor. 

Mas afinal, como poderia a força de trabalho industrial ter desaparecido? O seu papel continua tão essencial como sempre: produzir as coisas de que necessitamos. 

Longe de apontar para um enfraquecimento da classe trabalhadora, o fato de menos trabalhadores produzirem mais em menos tempo aumentou enormemente o seu poder. Por exemplo, há menos trabalhadores empregados no setor da energia do que no passado, e após um declínio acentuado nos últimos 30 anos na Grã-Bretanha, existem aproximadamente 175 mil empregados no sector. Mas este número mais reduzido de trabalhadores tem objetivamente um poder imenso, pois poderiam paralisar toda a economia se entrassem em greve. Imaginem se os trabalhadores da eletricidade, os trabalhadores do gás, os trabalhadores do petróleo, juntamente com os trabalhadores da água, decidissem fazer greve de forma coordenada. Toda a economia pararia. 

Quando juntamos todos estes factos, não é surpreendente que a maioria da população no Reino Unido continue a considerar-se classe trabalhadora. Um estudo publicado no website British Social Attitudes mostra que, no período 1983-2012, a percentagem da população que se considerava classe trabalhadora manteve-se consistentemente em torno da marca dos 60%. 

Ignorando estes fatos flagrantes, os autores pós-modernistas acima mencionados, Pakulski e Waters, afirmam que, “…os membros de uma classe têm de estar conscientes do que têm em comum e empregar alguns termos reconhecidos para a autodescrição coletiva. Um sentido de diferença entre ‘eles’ e ‘nós’ é uma condição necessária para a formação de atores de classe que marca os exemplos mais desenvolvidos de articulação de classe.” 

Isto parece implicar que se as pessoas não veem o “eles e nós”, se milhões de trabalhadores não se apercebem como pertencentes a uma classe distinta, então a classe não existe. Mas é evidente que a forma como alguém se percepciona não é necessariamente o que alguém é em termos da classe a que pertence. Um trabalhador muito bem remunerado, que recebe um salário elevado, pode considerar-se “classe média”, mas isso não muda o fato de ser trabalhador assalariado. E quando a crise do capitalismo lhes apresenta subitamente a perspectiva de que os seus empregos estão em risco, eles podem ser subitamente despertados para a sua verdadeira posição de classe. 

A classe trabalhadora global aumentou enormemente 

Para se ter uma visão completa é necessário manter uma visão global do processo. O sistema capitalista é um sistema mundial, e os capitalistas movimentam os seus investimentos por todo o mundo, procurando maximizar os seus lucros. Portanto, o encerramento de fábricas industriais num país como a Grã-Bretanha não significa necessariamente um enfraquecimento da classe trabalhadora à escala global. 

A redução do número de trabalhadores industriais nos países capitalistas avançados não implica de forma alguma uma contração da classe trabalhadora como um todo. Pelo contrário, estes papéis terão sido substituídos por outras formas de trabalho assalariado noutros setores nos países capitalistas avançados, e novos trabalhadores serão trazidos para a produção à medida que fábricas de produção forem abertas em países onde os salários são mais baixos. 

Se desviarmos o nosso olhar dos países capitalistas avançados e olharmos para o quadro mais amplo à escala mundial, veremos uma situação muito diferente daquela retratada pelos nossos académicos pós-modernos. No mesmo período, no antigo “mundo menos desenvolvido”, o número de trabalhadores industriais aumentou de cerca de 190 milhões para 500 milhões. Isso representa um aumento de mais de 300 milhões. Vemos então que, embora tenha ocorrido um certo grau de desindustrialização nos países capitalistas avançados, um enorme grau de industrialização ocorreu à escala global. 

Os números que temos para a China, por exemplo, mostram que a força de trabalho industrial nesse país ultrapassa os 100 milhões. Após um período em que o número de trabalhadores industriais diminuiu, no final da década de 1990, devido ao encerramento de fábricas no chamado “cinturão da ferrugem”, ou seja, algumas das antigas indústrias estatais, os números começaram a aumentar novamente a partir de 2000, atingindo cerca de 110 milhões em 2005. O setor industrial da China contribui agora mais para a produção global do que os Estados Unidos. 

Na Índia, o número de trabalhadores industriais é calculado em torno da marca de 55 milhões. Na verdade, o setor industrial da Índia, em termos absolutos, é igual ao da França e da Itália, e maior que o da Grã-Bretanha. 

Só para citar mais alguns exemplos: no Brasil, o número de trabalhadores na indústria é superior a 8 milhões; no Vietname, cerca de 12 milhões; no México cerca de 10 milhões. 

Tudo isto significa que a classe trabalhadora industrial a nível mundial nunca foi tão forte como é hoje. Na verdade, os números mais recentes mostram que o número de trabalhadores industriais a nível mundial já atingiu mais de 700 milhões no total – uma força realmente poderosa. No final das contas, a qualidade de vida de uma pessoa é determinada pelo acesso à alimentação, à moradia, ao vestuário, ao transporte etc. Tudo isso é produzido por esses milhões de trabalhadores, e não há nenhuma trapaça pós-moderna que possa augurar a extinção desta classe. 

Como demonstramos acima, a classe trabalhadora não consiste apenas em trabalhadores industriais, e há muitos outros setores que compõem a classe trabalhadora, tais como os da construção, dos transportes, e assim por diante. 

Se olharmos para a força de trabalho global por setor, e não apenas para os que trabalham na indústria, temos os seguintes números: o número que trabalha nos serviços é de 1,65 bilhões; na agricultura, 873 milhões e na indústria, 758 milhões. Em 1991, a força de trabalho global total era de 2,35 bilhões. Este ano deverá atingir cerca de 3,6 bilhões, segundo a Organização Internacional do Trabalho. 

Quando consideramos que 25% da população mundial têm menos de 15 anos de idade e 10% têm mais de 65 anos, restam cerca de 5 mil milhões de pessoas em idade ativa. Seja como for, se somarmos os filhos dos trabalhadores, os seus parceiros que não trabalham e os seus pais reformados, fica perfeitamente claro que não só a classe trabalhadora existe, como também representa a esmagadora maioria da população mundial. 

Estes são os coveiros do capitalismo, como explicou Marx. As derrotas da luta de classes da década de 1970 permitiram à classe capitalista alcançar um novo equilíbrio, uma estabilização temporária do sistema. Permitiu-lhes partir para a ofensiva contra a classe trabalhadora por todos os lados, retomando direitos que tinham concedido no período anterior, esmagando os sindicatos em muitos casos, aumentando a carga de trabalho e extraindo maiores quantidades de mais-valia da força de trabalho. 

Parte deste processo também envolveu a transferência de investimentos para áreas do mundo onde pudessem encontrar mão-de-obra mais barata. Isto também foi usado como uma alavanca contra os trabalhadores organizados nos países capitalistas avançados, e este foi um período de recuo para a classe trabalhadora. Mas o outro lado deste processo foi que, globalmente, a classe trabalhadora como um todo foi massivamente fortalecida numericamente. Falando objetivamente, o equilíbrio das forças de classe nunca foi tão favorável como é hoje para a classe trabalhadora. 

Esta é a situação real. As pessoas que fizeram os sapatos que uso, a mesa onde me sento e a comida que como, de facto, existem. Contudo, o papel da propaganda capitalista – difundida através dos meios de comunicação de massa, através de escolas e faculdades, através de livros e artigos – é fazer com que a massa do povo trabalhador acredite que é fraca e isolada e, portanto, que não tem o poder de mudar a sociedade. 

Eles são auxiliados nesta tarefa pelos dirigentes dos sindicatos, do Partido Trabalhista na Grã-Bretanha, e por todos os outros chamados “dirigentes” da classe trabalhadora internacionalmente, que constantemente vendem as lutas dos trabalhadores e trabalham para minar a confiança da classe trabalhadora. 

As pessoas no topo, a classe capitalista e os seus estrategas sérios, estão, no entanto, plenamente conscientes de quão grande é realmente a classe trabalhadora, e temem pelo seu próprio futuro caso esta classe se torne consciente da sua própria força. 

A crise económica mundial em que entramos não tem precedentes, tanto em âmbito como em profundidade. Os seus efeitos começam a ser sentidos nos movimentos de massas, como os acontecimentos mais recentes na França e na Grã-Bretanha, com grandes ondas de greves; ou os movimentos insurrecionais no Peru ou no Sri Lanka. País após país, temos visto o potencial para o derrube revolucionário do atual sistema. 

A vida ensina, e a classe trabalhadora está lentamente despertando para a gravidade desta crise. Isto irá pôr em movimento a força poderosa em que a classe trabalhadora global se tornou. Com uma direção revolucionária, poderia extinguir o capitalismo como uma criança espanta uma mosca. A tarefa dos marxistas é construir essa direção. 

About Fred Weston

Check Also

Os comunistas e as eleições 

O papel do Estado  A crítica ao papel do Estado na sociedade fez sempre parte …

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial