Joe Biden, on the left, and Ursula von der Leyen

A União Europeia: uma agência imperialista reacionária 

Editorial nº 99 do Lucha de Clases

A União Europeia pretende fazer-se passar pela cidadela do progresso, da democracia e da liberdade no meio de um mundo inóspito e enlouquecedor. Josep Borrell, o pedante e cínico representante da política externa da UE, chegou a definir a UE como um “jardim que devemos preservar”, em contraste com o resto do mundo pobre, assolado por guerras, catástrofes naturais e vagas de refugiados, que descreveu como uma “selva”. É verdade que esta “selva” foi alimentada durante décadas pelas multinacionais europeias e pelos seus exércitos, juntamente com os seus comparsas norte-americanos, através da pilhagem económica e de inúmeras intervenções militares, principalmente nas suas esferas de influência mais importantes, como África, o Médio Oriente e a América Latina. 

Imigração, resultado da opressão imperialista 

Apesar de tudo isto, os indesejáveis habitantes da selva, outrora empobrecidos pelas nossas multinacionais e pelos governos corruptos dos seus países, a soldo da UE, ou massacrados pelos nossos exércitos e catástrofes naturais, persistem em saltar as cercas do nosso jardim. Em 2022, de acordo com a Comissão Europeia, 331.400 pessoas atravessaram ilegalmente a fronteira, mais 61% do que em 2021, das quais 148.000 o fizeram por via marítima. 77.500 foram reenviadas para os seus países de origem e várias centenas de milhares de pessoas receberam ordens para abandonar a UE. Anualmente 2.000 migrantes morrem afogados no Mediterrâneo ao tentarem chegar às nossas costas, mas este ano de 2023 bateu todos os recordes com 2.400 afogamentos até ao início de outubro. O imperialismo europeu é criminalmente responsável por esta catástrofe humanitária. 

A União Europeia está a envolver os países pobres da periferia, como a Turquia, a Tunísia, a Líbia ou Marrocos, para conter a imigração “ilegal” a todo o custo, chegando mesmo a abandoná-los no deserto do Saara sem comida e água, como no caso da Tunísia, pagando anualmente milhares de milhões de euros a estes governos. O orçamento da UE para estes fins ascende a 22,7 mil milhões de euros para o período 2021-2027, incluindo os salários de 10.000 guardas de fronteira. 

Hipocrisia moral 

No entanto, há imigrantes e imigrantes. Por razões políticas, quando lhes convém, os supostos problemas sociais, de recursos, de trabalho e de habitação causados pela imigração desaparecem. Em 2022, a UE destinou 17,2 mil milhões de euros para ajudar as centenas de milhares de refugiados ucranianos, a quem concedeu o direito de residência, trabalho e habitação, cuidados de saúde e educação. 

E enquanto erguem vedações e guardas fronteiriços para os imigrantes pobres, a UE prossegue uma política agressiva de recrutamento de trabalhadores migrantes altamente qualificados para poupar os custos da sua alimentação e educação, deixando os países pobres de onde provêm com ainda menos recursos. 

Em setembro de 2021, o Parlamento Europeu aprovou uma diretiva para simplificar o recrutamento de pessoas de fora da UE. Com o chamado “cartão azul”, estes trabalhadores altamente qualificados de fora da UE têm o direito de viver e trabalhar em qualquer país da UE, exceto na Dinamarca e na Irlanda, com procedimentos de reagrupamento familiar mais rápidos. Mas, apesar das suas elevadas qualificações, continuarão a ser trabalhadores de “segunda classe”, uma vez que a diretiva prevê a redução do limiar do salário mínimo que os candidatos devem auferir para obter um cartão azul. Desta forma, utilizam a mão de obra migrante qualificada para atingir os salários dos trabalhadores europeus no seu conjunto, fazendo-os competir entre si, enquanto os seus partidos de direita incentivam o racismo para melhor dividir e colocar os trabalhadores uns contra os outros. 

A política de migração da UE não é mais do que uma continuação da sua política externa imperialista e da sua política interna capitalista e anti-classe trabalhadora. 

Na realidade, o nosso “jardim” tem uma zona VIP para os ricos e um parterre sujo e bem vedado para os habitantes considerados preguiçosos e bandidos. Basta recordar o tratamento que os patrões capitalistas da UE infligiram ao povo grego, entre 2012 e 2018, e em geral a todo o sul da Europa, com as suas políticas de austeridade selvagens, depois de terem estimulado uma política de endividamento público maciço em toda a UE nos anos que antecederam a grande crise de 2008. Os bancos e as grandes empresas foram resgatados com dinheiros públicos, mas as famílias trabalhadoras foram deixadas à sua sorte e tratadas como párias. 

Uma política exterior e militar imperialista 

Para sustentar o seu imperialismo económico, a UE desenvolveu-se também como uma potência militar agressiva, apesar do seu papel subordinado ao “irmão mais velho” americano. Desde 2016, a UE tem registado um aumento histórico, ano após ano, das despesas militares. Em 2022, todos os países que compõem a UE gastaram 264 mil milhões de euros em armamento, mais 13% do que em 2021, descontando a inflação. As despesas militares da UE aumentaram 62% desde 2014, mais 102 mil milhões de euros. Juntamente com os EUA, a UE interveio em África, no Afeganistão, no Médio Oriente e agora na Ucrânia. 

No atual conflito na Palestina, alinhou incondicionalmente com o imperialismo sionista de Israel. A presidente da Comissão Europeia, o governo da UE, Ursula von der Leyen, chegou ao ponto de viajar com a presidente do Parlamento Europeu, Roberta Metsola, para prestar homenagem e apoio incondicional ao corrupto e criminoso primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, simpatizando abertamente com a política de bombardeamentos e assassínios praticada em Gaza. Porém, tão flagrante e servil foi a forma como demonstrou o seu apoio a Israel que foi mesmo demais para os hipócritas e cínicos governos e funcionários europeus. 

A posição de Von der Leyen e a sua deslocação ao mesmo tempo que a crise humana em Gaza está a causar preocupação em Bruxelas”, refere o El País num artigo. Várias fontes diplomáticas e da UE argumentam que isso pode prejudicar o papel da UE na região. Ela causou grandes danos, dos quais será muito difícil recuperar a reputação da UE”, lamenta uma fonte sénior da UE” (El País, 14/10/23). 

Falar em prata: A viagem desastrada de Von der Leyen deitou por terra o véu hipócrita da paz, do progresso e dos direitos humanos que a UE pretende representar perante a população europeia, maioritariamente do lado do povo palestiniano, e que em breve será obrigada a aceitar medidas de ajustamento dolorosas para reduzir a sua dívida pública e ameaçou também o negócio das multinacionais europeias no Médio Oriente, África, Ásia e América Latina, uma vez que muitos governos terão dificuldade em justificar perante a sua opinião pública a adjudicação de contratos a países que apoiam abertamente o genocídio israelita. 

Com este exemplo, podemos medir a abordagem das preocupações com os direitos humanos na União Europeia capitalista. A sua moralidade é guiada exclusivamente pelos seus interesses económicos e geoestratégicos. 

A União Europeia ameaça os nossos direitos democráticos 

As crises de guerra na Ucrânia e na Palestina também serviram para pôr em evidência a ameaça aos nossos direitos democráticos. Já com a guerra na Ucrânia, todos aqueles que se manifestaram contra a guerra nos principais meios de comunicação social foram proibidos, e os sítios web russos, as contas nas redes sociais, os filmes e as peças de teatro foram proibidas. Mas o atual conflito na Palestina ultrapassou tudo o que se possa imaginar. 

As bandeiras palestinianas foram proibidas em eventos desportivos, em França foram proibidas manifestações de apoio à Palestina, contudo, as massas populares quebraram a proibição com ações diretas. A atribuição de um prémio à escritora palestiniana Adania Shibli na Feira do Livro de Frankfurt foi cancelada porque o seu livro relata um caso real de violação e assassinato de uma rapariga palestiniana por soldados israelitas. Numerosos eventos de solidariedade com os palestinianos foram proibidos por “incitarem ao terrorismo”. Em França, o dirigente sindical da CGT do departamento do Norte, Jean-Paul Delescaut, foi detido depois de o sindicato ter emitido um comunicado apelando ao cessar-fogo em Gaza. Fora da UE, os nossos camaradas britânicos foram proibidos de realizar ações na universidade, através das Sociedades Marxistas que promovem, a favor da Palestina. Na Suíça, a imprensa burguesa apresentou os nossos camaradas como “simpatizantes do Hamas”, depois de terem afixado cartazes de apoio à resistência palestiniana. 

Estas políticas contra os direitos democráticos revelam, na realidade, o enorme receio dos grandes banqueiros e empresários europeus da mobilização popular e da eclosão de tensões sociais, inerentes à sociedade europeia, devido às próprias consequências da crise capitalista, da precariedade, do empobrecimento e da falta de futuro geradas pelo próprio capitalismo no continente. 

Contra esta UE capitalista e imperialista, os comunistas opõem-se a uns Estados Unidos Socialistas da Europa numa base voluntária e democrática, assim que a classe trabalhadora europeia arrancar o domínio da sociedade ao grande capital, como primeiro passo para uma federação socialista mundial, que conduza o planeta para fora da atual barbárie e pesadelo. 

About Lucha de Clases

Check Also

A alternativa comunista à União €uropeia 

Declaração do Coletivo Marxista A União Europeia foi criada como uma tentativa da burguesia europeia …

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial