Depois do motim de Dublin: esmagar a semente da extrema-direita antes que se enraíze 

Artigo escrito pelos Marxistas irlandeses 

Cenas chocantes abalaram Dublin. Os capangas de extrema-direita – mostrando as suas verdadeiras e pútridas cores – usaram o esfaqueamento de cinco pessoas à porta de uma escola, incluindo três crianças, para culpar os migrantes e fomentar a violência da multidão. Estes acontecimentos devem ser um sinal de alerta: a esquerda e o movimento operário foram apanhados a dormir. As mangas têm de ser arregaçadas na luta contra a extrema-direita. 

Este é um apelo: basta dos métodos suaves e “respeitáveis” que nada fizeram para conter a ascensão desta ralé. A polícia não vai pará-los. A classe trabalhadora é a única força que tem o poder de esmagá-los e tem interesse em fazê-lo. 

Mas só o podemos fazer se mudarmos os nossos métodos! Temos de confrontar e eliminar esta turba na rua e privá-la das suas falsas credenciais “antissistema”, criando uma alternativa real e revolucionária que possa expressar a raiva vulcânica na sociedade irlandesa. 

A verdadeira face da extrema-direita 

Vejamos os factos do que aconteceu na quinta-feira – eles dizem-nos tudo o que precisamos de saber sobre a verdadeira natureza, objetivos e forças da extrema-direita na Irlanda. 

A violência eclodiu após o esfaqueamento de cinco pessoas do lado de fora de uma escola no centro da cidade, incluindo três crianças pequenas. Uma das crianças e uma professora sofreram ferimentos graves. 

No entanto, não houve nada de espontâneo neste tumulto. Apesar de um motorista brasileiro da Deliveroo ter sido identificado como tendo heroicamente intervindo para deter o esfaqueador, grupos de extrema-direita e fascistas associaram imediatamente o esfaqueamento à “migração em massa”, espalhando rumores de que um argelino seria responsável pelo crime – apesar da polícia, até quinta-feira, não ter divulgado qualquer informação sobre o agressor. 

Celebridades dos média de direita como Conor McGregor e conhecidos ativistas de direita começaram a incitar multidões nas redes sociais, e esse incitamento continuou em chats de extrema direita. Aqui estão alguns comentários de alguns desses chats que dão um bom sabor do que essa ralé representa. 

Num registro de um diálogo partilhado é possível lers: 

ELES BASTARDOS ESTRANGEIROS, SANGUE PRECISA SER DERRAMADO ESTA NOITE NO NOME DE (sic) ESSA CRIANÇA!” 

Outro participante do chat chamado “Mate todos os imigrantes” enviou uma nota de voz para o mesmo dizendo: 

“Eles não conseguem controlar-nos a todos. Vamos ter pequenos grupos fragmentando-se e fazendo o que temos que fazer. 7 horas estar na cidade. Todos se unam e qualquer gypo, estrangeiro, qualquer um, apenas matá-los, apenas fodê-los matá-los...” 

Outros, agitados em frenesi, declararam que “nem um esquerdista será deixado vivo” após os acontecimentos da noite. Outros apelaram à “guerra civil“. 

No entanto, embora pudessem querer uma “guerra civil” para exterminar “estrangeiros” e “esquerdistas”, o que eles realmente conseguiram, embora chocante, ficou um pouco aquém. Dublin viu algumas centenas de jovens lumpen mascarados, com um pequeno contingente de extrema-direita e fascista no seu núcleo, a invadir o centro da cidade. Atacaram transeuntes e polícias; incendiaram autocarros e carros da polícia; saquearam lojas, incluindo a Foot Locker, que passou recentemente à condição de símbolo da “cabala globalista”. 

E, claro, apesar de toda a sua conversa de serem “patriotas irlandeses”, não têm faltado nas redes sociais apoio dos elementos mais visceralmente pró-imperialistas tanto do UK como dos EUA. Como é habitual, a direita irlandesa “patriótica” recebe o apoio dos seus irmãos mais velhos no estrangeiro. 

Enfrentar e derrotar esta ralé! 

Esta é a verdadeira face do fascismo. O objetivo destes animais é liquidar o movimento laboral e assassinar e expulsar estrangeiros. Mas o que é bastante claro é que representam uma minoria muito pequena. Não se tratou de protestos em massa e não há a ameaça iminente de uma ascensão fascista. Hipérboles nesse sentido, muito comuns na esquerda, não conseguem nada. 

No entanto, representam uma ameaça real e física para os trabalhadores, os migrantes e a esquerda, e devem ser tratados com seriedade. As enormes mobilizações antirracistas, a que assistimos no ano passado, demonstraram o verdadeiro equilíbrio de forças na sociedade. Mas nada fizeram para desmoralizar e enfraquecer a extrema-direita, como os acontecimentos de quinta-feira à noite demonstraram. Porquê? 

As manifestações simbólicas de “unidade” face ao “ódio” não podem expurgar os elementos da extrema-direita. Estes permanecerão para sempre surdos aos apelos cristãos de «dar a outra face» e «amar o próximo». Tal como os animais, compreendem uma língua: a linguagem que lançaram ontem à noite no centro da cidade de Dublin. 

A única forma de eliminar esta ralé de extrema-direita é através do confronto na rua pela mobilização de massas. Em qualquer fim de semana à escolha, numa caminhada até O’Connell Street, é possível encontrar não um, mas vários “protestos” de extrema direita em curso. Só quando a extrema-direita se habituar a ver as suas mesas viradas, os seus cartazes rasgados e os seus ossos doridos pelos encontros por onde passam com contraprotestos em massa , é que voltarão a rastejar, desmoralizada, para os buracos de onde veio. 

Foi assim que a União Britânica de Fascistas foi esmagada na Batalha de Cable Street por comunistas, socialistas, sindicalistas, estivadores, judeus e imigrantes irlandeses no East End de Londres na década de 1930. Foi assim que a Liga de Defesa Inglesa foi esmagada na última década. 

Repetimos: o objetivo dos fascistas é liquidar o movimento operário. Devem ser tratados como uma ameaça física, e socialistas, comunistas, republicanos e sindicalistas têm de esmagar a semente venenosa da extrema-direita antes que esta possa criar raízes. 

Depois de quinta-feira, há uma enorme raiva contra esta extrema-direita, que tem de ser canalizada para os esmagar. A classe dominante também está a tentar canalizar essa raiva… mas para os seus prórpios propósitos. Quer construir uma “unidade nacional” – à sua volta – e fala de “lei e ordem”, ou seja, de reforçar os poderes da polícia. 

Mas não te deixes enganar: a polícia pouco fez para evitar a violência de quinta-feira, em contraste com seu histórico no tratamento de manifestantes pacíficos de esquerda ou no trato com jovens negros. 

As tentativas da classe dominante de reforçar o aparelho repressivo do Estado terão como objetivo preparar-se para as enormes batalhas que prevê no futuro, compreendendo que a raiva vulcânica está a aumentar na sociedade irlandesa e que, mais cedo ou mais tarde, a classe trabalhadora entrará em cena. 

E quando estas batalhas de classes irromperem, como inevitavelmente irão, os representantes “respeitáveis” da classe dominante irlandesa, terão pouca compunção em deixar os cães loucos da extrema-direita escaparem da trela, para os deixar divertirem-se a atacar trabalhadores, migrantes e quem mais lhes atrapalhar. 

Chega de “política respeitável” 

Se a extrema-direita hoje na Irlanda é mais ousada do que em qualquer outro momento da história recente, é porque sente que pode aproveitar um estado de espírito na sociedade. 

Há alguns anos que grupos como o Partido Nacional tentam estabelecer-se na Irlanda e, no entanto, os liberais arrogantes saudaram presunçosamente o facto de a Irlanda não ter extrema-direita. Não estávamos a contrariar a tendência? Não há Trump, não há Brexit, não há Bolsonaro, não há extrema-direita e não há extrema-esquerda aqui, muito obrigado. 

Mas as políticas dos mesmos partidos capitalistas presunçosos e dos moderados que hoje condenam os motins, são responsáveis por criar as próprias condições que os provocaram. 

A pandemia, com o agravamento maciço da crise do capitalismo que isso causou, foi aproveitada pela extrema-direita. Eles apelaram para uma fina camada retrógrada com teorias da conspiração COVID. Puderam fazê-lo não principalmente, como afirmam os liberais, por causa da “desinformação das redes sociais”, mas por causa do enorme cinismo e desconfiança em relação ao establishment que se construiu nas profundezas da sociedade. 

E quando Varadkar e Martin apoiaram a guerra por procuração da NATO na Ucrânia, a mesma extrema-direita atiçou o sentimento anti-imigração sobre os refugiados ucranianos. Mais uma vez, a “desinformação nas redes sociais” foi responsabilizada. Mas a razão pela qual a extrema-direita conseguiu ligar-se a uma certa camada retrógrada em East Wall, em Dublin, por exemplo, foi porque ligou a habitação dos refugiados à raiva explosiva sobre as condições de habitação na cidade. 

Há uma enorme raiva antissistema a borbulhar logo abaixo da superfície da sociedade irlandesa. A crise da habitação, o estado dos cuidados de saúde, o custo de vida e as políticas pró-imperialistas e anti operárias dos partidos no poder são a sua fonte. Ao distorcer esta raiva, ligando-a falsamente à migração, a extrema-direita acredita que pode quebrar o seu isolamento e tem tido um sucesso marginal na ligação com algumas das camadas mais desmoralizadas e oprimidas em cidades como Dublin. 

Portanto, não basta apenas bater esses capangas de extrema direita de volta para o esgoto. É preciso fazê-los sentirem-se politicamente isolados. 

O seu verniz “antissistema” é extremamente fino, mas desgastar-se-á imediatamente perante uma verdadeira força antissistema da esquerda. Atualmente, isso não existe. O Sinn Féin, apesar de todos os ataques ao establishment, começou claramente a preparar-se para ser um partido de poder respeitável, talvez em coligação com um dos partidos de direita tradicionais e odiados. 

O que é necessário é um novo ponto de referência: um partido revolucionário, comunista, orientado para a classe operária e que afunde as suas raízes nessa classe; um partido de luta que enfrente todas as manifestações de opressão; e que se esforçará para derrubar o sistema capitalista, arrancar o imperialismo e formar uma Irlanda socialista de 32 condados. 

About Irish Marxists

Check Also

A alternativa comunista à União €uropeia 

Declaração do Coletivo Marxista A União Europeia foi criada como uma tentativa da burguesia europeia …

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial